Pular para o conteúdo principal

Moro, Aécio, Renan e o STF (Parte 1)

Moro, Aécio, Renan e o STF. (Parte 1)

Interrompemos a programação habitual para fazer este texto importante, que será dividido em duas partes. Uma agora, sexta-feira, e outra na segunda-feira.  Dia 07 de dezembro de 2016 foi um dia incomum para dezembro. Em primeiro lugar, houve alarde desnecessário por causa de uma foto do Aécio Neves rindo com Sérgio Moro na premiação da revista IstoÉ. É fato que os esquerdinhas tentam manchar a história da Lava Jato tentando dar a ela um ar de perseguição da esquerda. Tentaram desconstruir toda uma operação do Ministério Público Federal com base em uma imagem. É falta de argumentação e cinismo do grosso. É como o Lula que chama os Procuradores da República de garotos, quando, na verdade, são investigadores e operadores do Direito do mais alto calibre.

Afirmam que Moro não persegue o PSDB por sua relação com o partido e com o Aécio. Este é o primeiro erro, pois o sujeito tem foro privilegiado e deveria ser processado e julgado no STF até o presente momento.  É como o Lula que quase se salvou do Moro ao tentar assumir um cargo no governo Dilma (coisa que não ocorreu, ainda bem, devido a pressão popular e intervenção jurídica). Moro não pode tocar em quem tem foro privilegiado. Cunha era intocável até ser impedido ao mandato. O que aconteceu a seguir? Foi preso!

Aécio ainda tem foro. Quando ele deixar de ter o foro, o que vai acontecer? Moro vai prender ele com base na delação premiada? Não! Muito provavelmente, outro juiz será designado para o julgamento. Leia aqui com atenção esta explicação do STF antes de sair entrando nas mentiras dos esquerdinhas: “O CPC dispõe, por exemplo, que o magistrado está proibido de exercer suas funções em processos de que for parte ou neles tenha atuado como advogado. O juiz será considerado suspeito por sua parcialidade quando for amigo íntimo ou inimigo capital de qualquer das partes, receber presente antes ou depois de iniciado o processo, aconselhar alguma das partes sobre a causa, entre outros.” Desta forma, por causa de uma possível relação pessoal, Moro não será o juiz que julgará o Aécio Neves, caso ele venha a perder o foro privilegiado. Enquanto estiver com o foro, repito, ele será processado e julgado pelo STF. Caso ele venha a perder o mandato hoje, o MPF pode, em decorrência das provas, pedir a abertura de inquérito e processo contra o Aécio, porém, com outro juiz no comando. E caso haja alguma irregularidade, nós não estamos em um Estado Totalitário, ou seja, existem remédios constitucionais e regimentais para coibir e regular condutas.  

Então, não importa em quantas fotos os dois estejam juntos, isso não interferirá no processo da Lava Jato, afinal não é o Moro que investiga. Ele julga. Esse é outro erro dos esquerdinhas. Eles tentam sujar a imagem da Lava Jato, então, tentam sujar a imagem do Moro, confundindo-o com o da investigação. Eles o fazem, talvez, pela fase atual da Lava Jato. A Lava Jato é uma operação do Ministério Público Federal. Iniciou-se lá, com a apuração e investigação de denúncias feitas. São os Procuradores da República do MP que analisam e pedem à Polícia Federal que  investigue cada acusação e depois eles oferecem  denúncia ao tribunal, ou o arquivamento do mesmo. Depois que tudo for apurado, o MPF pede ao tribunal que aceite ou arquive um devido processo. Nesse momento, entra a ação do juiz (aqui entra o Moro) para aceitar a denúncia, ou recusá-la, e analisar a fundo a acusação, com direito a defesa das partes. Após análise do material, o juiz sentencia. Se uma parte, ou ambas, não gostarem da sentença, pode-se recorrer e chegar ao colegiado (juízes que juntos decidirão sobre o pedido das partes). Se a sentença for negativa ao réu e for mantida pelo colegiado (segunda instância) o réu já pode ser preso, segundo entendimento atual do STF. Mesmo preso, o réu pode recorrer aos tribunais superiores na tentativa de reverter a sentença negativa.

Resumindo, o Moro, então, é apenas um elo no processo judicial. Ele não pode proteger nenhum partido, pois quem oferece a denúncia é o MPF. Ele não pode julgar quem ele conhece, pois será designado outro juiz para o feito e ele não é o fim de tudo, visto que o réu pode recorrer a outras instâncias. Então, que ele seja fotografado rindo até com a Dilma.


  Mais grave que sair em uma foto com um juiz que não pode julgá-lo, é ver ele rindo com um juiz que provavelmente pode fazê-lo.

Fonte: André Dusek/ Estadão Conteúdo e Jovem Pan

Postagens mais visitadas deste blog

Outros Papos Indica: O Cérebro que se Transforma

Norman Doidge é psiquiatra, psicanalista e pesquisador da Columbia University Center of Psychoanlytic Training and Research, em New York, e também psiquiatra da Universidade de Toronto (Canadá). Ele é o autor deste livro que indico a leitura. O livro, segundo o próprio editor, “reúne casos que detalham o progresso surpreendente de pacientes” que demonstram como o cérebro consegue ser plástico e mutável. Pacientes como Bárbara que, apesar da assimetria cerebral grave, na qual existia retardo em algumas funções e avanço em outras, conseguiu se graduar e pós-graduar. Um espanto para quem promove a teoria de que o cérebro humano é um órgão estático, com pouca ou nenhuma capacidade de se adaptar. “ Creio que a ideia de que o cérebro pode mudar sua própria estrutura e função por intermédio do pensamento e da atividade é a mais importante alteração em nossa visão desse órgão desde que sua anatomia fundamental e o funcionamento de seu componente básico, o neurônio, foram esboçados pela p

TOP 3 de séries que merecem remake!

 Existem muitas séries da década de 90, na minha opinião, que mereciam um remake (manter a obra original, apenas contando novamente a história, com a tecnologia atual disponível). Vou citar aqui 3 delas. Estas séries foram escolhidas, pois são séries que ainda mexem comigo, que ainda gosto e que ainda lembro delas como se tivesse as assistido ontem. Esse foi o critério de seleção para esse simples TOP 3, de séries da década de 90, que mereciam um remake.  Oh My Goddess A série mesmo começou em 1988, encerrando-se em 2014, contendo um total de 48 volumes. Ela entra na lista por conta do seu primeiro OVA, lançado em 1993, cabendo perfeitamente nessa lista. A animação realizada pelo studio AIC foi uma das mais belas que já vi e promoveu a criação de outras séries, sendo que a última, se não me engano, terminou em 2013, com outro OVA. Já se passaram quase 10 anos desde a sua conclusão. Um remake dessa série, contando-a do começo a o fim, seria uma ótima celebração. O mangá vendeu mais de 4

Antologia Scortecci 40 Anos!

Antologia para edição especial de aniversário de 40 anos da Scortecci editora, para a 26ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo (2022) e, enfim, para ser a edição comemorativa dos 100 anos da Semana de Arte Moderna. Como as poesias já fazem parte desse blog, não faria sentido reescrevê-las, então, deixo aqui cópias das páginas da minha colaboração. Foi uma honra poder ter participado de tão nobre edição comemorativa. Obrigado pela oportunidade.     Primeira parte: Segunda parte: