Pular para o conteúdo principal

A Convicção no Direito Penal

A Convicção no Direito Penal

Entrevista coletiva apresentada pelos procuradores do MPF, para apresentar e formalizar denúncia contra Lula, foi alvo de um ataque dos protetores do PT, pois  frases de Dallagnol e Bozzobon foram misturadas para criar um monstro que nasceu morto. Em uma tentativa de defesa de seu chefe, os petralhas, agora longe do poder, alegaram que fora dito que o MPF não tinha provas, mas convicção. É mais um exemplo das inúmeras falácias apresentadas pelo PT nos últimos anos.

A Folha de São Paulo, sempre tão ligada aos movimentos de esquerda, fez um belo resumo dessa bagunça criada pelos petralhas, na matéria  “Frase de procurador sobre provas e convicção não foi dita como divulgado” a saber, uma das frases corretas está na imagem abaixo, retirada da matéria acima mencionada. Este monstro nasceu morto, pois nem mesmo os simpatizantes da causa aceitaram esta falácia.



Entretanto, isso me deu a chance de criar um texto sobre a convicção no Direito Penal. No nosso Código Penal, o juiz possui diversas maneiras para concluir  sua sentença e interpretar as provas que lhe são apresentadas e eu vou apresentar duas. A primeira maneira é a do livre convencimento motivado que impõe que o juiz fundamente sua sentença, sendo-lhe livre a interpretação das provas desde que, na sentença, ele fundamente sua decisão. A segunda maneira de se chegar a uma sentença é a da íntima convicção, na qual o magistrado pode verificar as provas e decidir mediante sua subjetividade como julgador, ou seja, apesar de parecer violar a regra “não está nos autos, não está no mundo” essa forma é bem utilizada em tribunais do júri.  

Notem que as provas são decisivas, mas alguém aí sabe o que são provas? Victoria Panzan: “No processo penal, prova resume-se a todo meio (qualquer coisa, ainda que imaterial) que se destina a levar ao conhecimento do juiz e das partes a existência ou a inexistência de um fato material ou de um ato jurídico.” Por exemplo, uma delação é uma prova contra algo/alguém e que pode fundamentar uma acusação.



Desta forma, com um estudo rápido, já sabemos que o MPF não disse que não haviam provas. Existem provas e indícios. Também ficamos sabendo que existe convicção dentro do Direito Penal, apesar de alguns professores de direito tentarem dizer o contrário. Esta falácia é algo tão ignorante, quanto dizer que a direita brasileira colocou o Temer no poder. A direita brasileira é tão fraca que, até hoje, é minoria dentro do governo. A única coisa que mudou é que passaram de oposição para situação. Quem colocou o Temer como Presidente da República foi o povo, que apoiou o processo do impeachment baseado em um ato criminoso do PT. Então, da mesma maneira, o MPF nunca disse que não possuía provas, sendo sua frase alterada de maneira malvada para proteger um líder que não merece tal proteção. Aliás, olhem que vídeo legal abaixo.


Postagens mais visitadas deste blog

Outros Papos Indica: O Cérebro que se Transforma

Norman Doidge é psiquiatra, psicanalista e pesquisador da Columbia University Center of Psychoanlytic Training and Research, em New York, e também psiquiatra da Universidade de Toronto (Canadá). Ele é o autor deste livro que indico a leitura. O livro, segundo o próprio editor, “reúne casos que detalham o progresso surpreendente de pacientes” que demonstram como o cérebro consegue ser plástico e mutável. Pacientes como Bárbara que, apesar da assimetria cerebral grave, na qual existia retardo em algumas funções e avanço em outras, conseguiu se graduar e pós-graduar. Um espanto para quem promove a teoria de que o cérebro humano é um órgão estático, com pouca ou nenhuma capacidade de se adaptar. “ Creio que a ideia de que o cérebro pode mudar sua própria estrutura e função por intermédio do pensamento e da atividade é a mais importante alteração em nossa visão desse órgão desde que sua anatomia fundamental e o funcionamento de seu componente básico, o neurônio, foram esboçados pela p

TOP 3 de séries que merecem remake!

 Existem muitas séries da década de 90, na minha opinião, que mereciam um remake (manter a obra original, apenas contando novamente a história, com a tecnologia atual disponível). Vou citar aqui 3 delas. Estas séries foram escolhidas, pois são séries que ainda mexem comigo, que ainda gosto e que ainda lembro delas como se tivesse as assistido ontem. Esse foi o critério de seleção para esse simples TOP 3, de séries da década de 90, que mereciam um remake.  Oh My Goddess A série mesmo começou em 1988, encerrando-se em 2014, contendo um total de 48 volumes. Ela entra na lista por conta do seu primeiro OVA, lançado em 1993, cabendo perfeitamente nessa lista. A animação realizada pelo studio AIC foi uma das mais belas que já vi e promoveu a criação de outras séries, sendo que a última, se não me engano, terminou em 2013, com outro OVA. Já se passaram quase 10 anos desde a sua conclusão. Um remake dessa série, contando-a do começo a o fim, seria uma ótima celebração. O mangá vendeu mais de 4

Antologia Scortecci 40 Anos!

Antologia para edição especial de aniversário de 40 anos da Scortecci editora, para a 26ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo (2022) e, enfim, para ser a edição comemorativa dos 100 anos da Semana de Arte Moderna. Como as poesias já fazem parte desse blog, não faria sentido reescrevê-las, então, deixo aqui cópias das páginas da minha colaboração. Foi uma honra poder ter participado de tão nobre edição comemorativa. Obrigado pela oportunidade.     Primeira parte: Segunda parte: