Pular para o conteúdo principal

Homenagem a Caio César Ignácio Cardoso de Melo



A violência retira de nós a arte, o amor, a humanidade e o respeito. Seja ela física, psíquica ou verbal, ela danifica a estrutura da sociedade, ela corrompe, ela faz sofrer, enfim, a violência, pelas palavras de Sartre: “seja qual for a maneira como ela se manifesta, é sempre uma derrota”.

Cada vida possui infinita importância, dentro de infinitas possibilidades, em um mar de escolhas que chamamos de destino. Caio César Ignácio Cardoso de Melo escolheu proteger a nossa sociedade como soldado militar. Ele também escolhera nos brindar com seu talento como dublador.  Duas escolhas em um mar de possibilidades. Duas escolhas nobres.  Como policial, ele escolhera: “Promover a segurança e o bem-estar social por meio da prevenção e repressão imediata da criminalidade e da violência, baseando-se nos direitos humanos e na participação comunitária” (Portal da PMDF). Como dublador, ele deu asas aos sonhos de muitas pessoas e nos fez acompanhar alegrias e fantasias. Eternizou obras e foi eternizado por elas.






Na manhã desta quarta-feira, dia 30, a nossa sociedade sofreu uma derrota. Caio fora morto com um tiro no pescoço ao atender uma ocorrência no Complexo do Alemão, no dia posterior ao seu aniversário. Ele deixou uma filha. Queria deixar aqui registrado minha homenagem. Ao policial-dublador!



E fazer um apelo pela não-violência. Não existe sociedade que permaneça estruturada com tanta violência. Pelas palavras de Lao-Tsé (O Pensador)

"A Sabedoria da Não-Violência 

A vida verdadeira é como a água:
Em silêncio se adapta ao nível inferior
Que os homens desprezam.
Não se opõe a nada,
Serve a tudo.
Não exige nada,
Porque sua origem é da fonte imortal.
O homem realizado não tem desejos de dentro,
Nem tem exigências de fora.
Ele é prestativo em se dar
E sincero em falar,
Suave no conduzir,
Poderoso no agir.
Age com serenidade.
Por isto é incontaminável."



Postagens mais visitadas deste blog

Outros Papos Indica: O Cérebro que se Transforma

Norman Doidge é psiquiatra, psicanalista e pesquisador da Columbia University Center of Psychoanlytic Training and Research, em New York, e também psiquiatra da Universidade de Toronto (Canadá). Ele é o autor deste livro que indico a leitura. O livro, segundo o próprio editor, “reúne casos que detalham o progresso surpreendente de pacientes” que demonstram como o cérebro consegue ser plástico e mutável. Pacientes como Bárbara que, apesar da assimetria cerebral grave, na qual existia retardo em algumas funções e avanço em outras, conseguiu se graduar e pós-graduar. Um espanto para quem promove a teoria de que o cérebro humano é um órgão estático, com pouca ou nenhuma capacidade de se adaptar. “ Creio que a ideia de que o cérebro pode mudar sua própria estrutura e função por intermédio do pensamento e da atividade é a mais importante alteração em nossa visão desse órgão desde que sua anatomia fundamental e o funcionamento de seu componente básico, o neurônio, foram esboçados pela p

TOP 3 de séries que merecem remake!

 Existem muitas séries da década de 90, na minha opinião, que mereciam um remake (manter a obra original, apenas contando novamente a história, com a tecnologia atual disponível). Vou citar aqui 3 delas. Estas séries foram escolhidas, pois são séries que ainda mexem comigo, que ainda gosto e que ainda lembro delas como se tivesse as assistido ontem. Esse foi o critério de seleção para esse simples TOP 3, de séries da década de 90, que mereciam um remake.  Oh My Goddess A série mesmo começou em 1988, encerrando-se em 2014, contendo um total de 48 volumes. Ela entra na lista por conta do seu primeiro OVA, lançado em 1993, cabendo perfeitamente nessa lista. A animação realizada pelo studio AIC foi uma das mais belas que já vi e promoveu a criação de outras séries, sendo que a última, se não me engano, terminou em 2013, com outro OVA. Já se passaram quase 10 anos desde a sua conclusão. Um remake dessa série, contando-a do começo a o fim, seria uma ótima celebração. O mangá vendeu mais de 4

Antologia Scortecci 40 Anos!

Antologia para edição especial de aniversário de 40 anos da Scortecci editora, para a 26ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo (2022) e, enfim, para ser a edição comemorativa dos 100 anos da Semana de Arte Moderna. Como as poesias já fazem parte desse blog, não faria sentido reescrevê-las, então, deixo aqui cópias das páginas da minha colaboração. Foi uma honra poder ter participado de tão nobre edição comemorativa. Obrigado pela oportunidade.     Primeira parte: Segunda parte: