Pular para o conteúdo principal

OP indica TBS no Youtube

Revisão: ChatGPT A Salad Bowl of Eccentrics! Indico mais um canal japonês com uma abertura realmente boa, embora não tenha conseguido uma posição de destaque na minha lista. Ela é divertida e um tanto alucinada. Achei criativo como os personagens animados interagem com o ambiente real, chegando a interferir nas funções de algumas máquinas. Também gostei muito do segmento ao estilo detetive/investigação policial que apresenta alguns personagens. É bastante excêntrico ver uma personagem feminina cantando um trecho da abertura, mas a voz que se ouve é do cantor oficial. Sem dúvida, é uma abertura muito criativa! Está sendo uma temporada bastante criativa! Ah, OP é Outros Papos! 【Elenco】 Sousuke Kaburaya: Makoto Furukawa Sara da Odin: Hina Yano Livia de Uudis: M・A・O Puriketsu: Haichi Daichi Mikami Moe: Akane Fujita Brenda Aizaki: Manami Numakura Yuna Naganawa: Yuuki Takada Haruka Kinoe: Mizuki Mano Isao Kusanagi: Yoji Ueda Takeo: Shinnosuke Tachibana Suzuki: Kousuke Toriumi 【Músicas Temáti

Saint Seiya Ômega- Análise do Box

Cavaleiros do Zodíaco Ômega
Análise do primeiro box

Esta análise possui spoilers, não leia se ainda não viu! Clique nas imagens para ampliar e ver detalhes!



    Como analisar uma série, que já passou de 52 capítulos, somente com uma análise de seus doze primeiros capítulos? Como analisar uma série com mudança no enredo tão gritante? Simplesmente, sendo sincero comigo mesmo.  Acredito que, somente consultando o lado emocional, para analisar esta série de forma sincera. Então, eu me perguntei ao assistir: gostei? Não! Não deu para gostar de tudo. Mas a série ainda se desenvolve, então, pode ser que a opinião aqui mude.

Análise da caixa em si

    Começo pela caixa! O layout do box, que protege os três volumes, está realmente bem feito em cor, detalhe e desenho, entretanto, as capas de cada volume deixam a desejar. Parece que tiraram o desenho da capa, de cada volume, do escaneamento de um pôster. Além da qualidade estar baixa, o desenho escolhido, para a capa, tem um traço de contorno muito grosso. Para uma opinião pessoal, achei ruim. Deveria ter achado um desenho com o traço mais fino, ou inserir mais detalhes ao fundo.



    Não bastasse isso, alguns erros passaram pelo pessoal da revisão, pois o volume 3 possui, na parte em que se define o título de cada episódio do disco, 4 episódios de número 1. Sim, como isso passou sem que ninguém percebesse? Vejam na imagem abaixo.  



    Fora isso, o logo da Playarte não está uniforme. Pode parecer bobagem, de um velho reclamão, mas, na universidade, aprendemos que o logo deve ser uniforme para todos os produtos que levem o selo da empresa. Nestes três volumes, o logo da Playarte muda de cor e de posição. A caixa fica devendo por conta destes pontos que verifiquei, mas o que importa é o desenho, ou seja, o animê, então, vamos para a análise do enredo. Vamos verificar o que foi mudado e qual a justificativa para a mudança ocorrer.


Análise de partes do enredo


    Cavaleiros controlando os elementos, bem ao estilo Avatar? Cavaleiros Ninja? Isso é explicado nestes dozes capítulos. Durante uma das primeiras lutas contra Marte, a colisão de cosmos atraiu um meteoro. O meteoro, ao colidir com o solo, acabou por fundir-se com as armaduras mudando-as, bem como o modo como o cosmo é usado.  Daí, o cosmo vai controlar os elementos e ser dividido em várias partes: água, fogo, terra, vento, luz, trevas e relâmpago. Mas trevas não poderia ser elemento, pois a escuridão é ausência de luz, ou seja, já começa errado por aí.

    Qual a inspiração disso? Acredito que isso tenha alguma influência de pesquisas científicas que dizem que a vida na Terra se originou graças aos meteoros que trouxeram, para cá, elementos que deram uma certa ignição para a vida se iniciar. O meteoro, mudando o curso da história dos Cavaleiros, pode ter saído de alguma coisa parecida com isso.  

    Porque essa mudança? Adequar a história para uma geração acostumada com Naruto, One Piece e Pokemon. Conseguir inserir, no roteiro, armas ninja, figures menos complicadas de se fabricarem, dar um apelo mais jovial à história. Funcionou? Comigo não! Não gostei disso. Aos meus olhos, o cosmo foi dividido e ficou incapaz de se elevar, ficando restrito a partes e controle de partes.

    Outra coisa que me incomodou foi que os personagens principais não conseguem vencer um cavaleiro de prata. Para vencê-los é um esforço monstruoso em equipe. Imediatamente, lembrei de Fênix vencendo Shiva e Ágora, ou Shiryu vencendo Algol de Perseu. Ou seja, não temos, por enquanto, alguém que se faça forte. É aquela imagem emocional que eu tenho dos personagens do passado, e que não conseguiram transmitir para essa nova geração.

    Aliás, foi vergonhoso ver Haruto de Lobo (ou seria Naruto?) usando diversas técnicas ninja contra o Cavaleiro de Ouro Micenas de Leão e o cavaleiro nem se mexer. Simplesmente, um massacre. E a coisa vai piorar pelo que vi, com armaduras possuídas, cavaleiros de ouro rendidos à Marte e caricaturas ambulantes. Que saudade de Lost Canvas!  

    Tem mais coisa que eu não gostei? Sim, do Santuário ter sido destruído com a facilidade de um piscar de olhos, da ausência de mais espaço para os personagens clássicos (Shun e Seiya mostraram as caras, e o coitado do Shun ainda foi trolado por um cavaleiro de prata surfando em uma pedra), de só existirem dois cavaleiros de ouro em todo o Santuário e um deles ser adorador de Marte (putz).  Até as animações são clichês de outras obras dos profissionais envolvidos na produção, como mostra esse vídeo:




Vou parar por aqui! Até as frases de efeito soam ruins aqui.

E o que tem de bom?

    Ainda no campo do roteiro: Yuna de Águia seguir seu coração e se afastar da tradição. Isso, pelo menos, tornou a série menos machista. Já aviso que sei que existe uma Amazona de Ouro (Mulher-Cavaleiro- eu me recuso a usar) e também acho isso positivo, pois é uma inovação que acrescenta valor à obra. A Palaestra ter sido criada para educar os jovens cavaleiros e amazonas, apesar de soar como Harry Potter, traz o elemento instrução para o enredo.

    A dublagem foi bem realizada. As vozes estão incríveis e a animação, apesar de não ser grandiosa, não deixa a desejar. Tem algumas cenas boas, mas sem aquela sensação de impacto. A música tema ficou bem legal também.

Conclusão:

     A conclusão que eu chego é que, com tantas mudanças, os empresários cuidaram de tentar abocanhar novos fãs e esqueceram os antigos fãs da série. É algo que vai ser forçoso, pelo menos para mim, continuar assistindo. Logo eu que tenho Lost Canvas como parâmetro para comparações, vou achar difícil continuar acompanhando, a menos que considere a história um spin-off bem esquisito. Acho que vou ter que fazer isso. Outra conclusão que eu cheguei é que eu estou muito reclamão estes dias. Desculpem!




Postagens mais visitadas deste blog

Ghost in the Shell

Máquinas vivas; Um fantasma surge; O homem virtual. Ghost in the Shell está mais próximo do que pensamos! 

Boushoku no Berserk

Berserk of Gluttony: Uma Série Que É Meu "Pecado"! Boushoku no Berserk (Berserk of Gluttony) - Pictures - MyAnimeList.net Fate é um jovem que acreditava ter uma habilidade inútil chamada "Gula", que o mantinha constantemente faminto. Ele era um vassalo em uma casa de cavaleiros sagrados, onde era tratado com desdém, nutrindo uma paixão secreta pela cavaleira Roxy Hart. Ela destaca-se como a única guerreira nobre em um mundo dominado por cavaleiros que abusam de seu poder para oprimir o povo. Quando Fate acidentalmente mata um ladrão enquanto ajuda Roxy, ele descobre que sua habilidade de "Gula" vai além do que parecia. Esse evento o faz perceber os aspectos positivos e negativos de seu "pecado". Comprometido a proteger Roxy, ele decide usar seu poder em prol da casa daquela que sempre o tratou com humanidade e respeito. Baseada em uma novel escrita por Ichika Isshiki , com arte de fame , "Berserk of Gluttony" é serializada desde 2017,

Ciclos de revolução: A Quarta Revolução!

Ciclos de Revolução: A Quarta Revolução Revisão: ChatGPT Estamos vivenciando a quarta revolução industrial/tecnológica, e muito tem sido discutido sobre os potenciais danos que esta revolução pode causar ao tecido social, incluindo desemprego e outras adversidades. Procuro refletir sobre o futuro com base no passado, observando no presente os mesmos receios que nossos antepassados enfrentaram nas três revoluções industriais anteriores. Começo com uma conversa que tive com uma taxista, para então discorrer sobre algumas das revoluções passadas. Durante uma parada em uma lanchonete que estava instalando terminais de autoatendimento no último ano, tive uma conversa: “Taxista: --- Estão instalando essas máquinas para substituir trabalho humano. Muitos caixas estão perdendo seus empregos. Isso é o capitalismo! Eu: --- Por outro lado, a tecnologia, ao eliminar um posto de trabalho (caixa de atendimento), cria outras necessidades. A lanchonete precisará de profissionais para manutenção de sof