Pular para o conteúdo principal

Edição de livros! Pequenas orientações!

EDIÇÃO DE LIVROS- ORIENTAÇÕES


 


     Existem inúmeras formas de se editar um livro. Este texto mostra como eu editei minhas obras solo. São minhas experiências. Consegui bastante conhecimento com os meus livros e vocês podem acessar a lista contendo todo o meu trabalho no site da União Brasileira de Escritores (UBE). Vamos começar.


 


     Eu tenho preferência por editar em pequenas tiragens e de forma independente, pois considero este o melhor meio para mim. Antes de iniciar qualquer trabalho, há de se perguntar: para quem estou vendendo? E para quantos estou esperando vender?  As respostas para estas perguntas encaminharão para as opções desejáveis.  Os tipos de edição podem ser assim definidos por mim:


 


1-        Edição em grande quantidade. Esta edição está acima de 5 mil exemplares.  Ledo Ivo, membro da Academia Brasileira de Letras disse, certa vez, que se um autor conseguisse vender acima de 5 mil exemplares já seria um “best-seller”, isto é, um grande sucesso de vendas. Paulo Coelho vende milhares de exemplares de suas obras ao redor do mundo. Geralmente, este é o mercado para grandes editoras e o contrato com eles poderá seguir a seguinte regra: o autor cede os direitos de seu livro, por um determinado período de tempo (cerca de um ou dois anos), e por uma remuneração que varia de acordo com o contrato. Há autores que recebem um adiantamento de seu trabalho, mais um valor aproximado de 10% a 20% do preço de capa de cada livro vendido. Os números aqui são altos e todo o custo de produção é da editora, assim como os encargos com a distribuição e propaganda dos mesmos, então é um mercado fechadíssimo a muitos autores. As editoras querem ter a certeza do retorno financeiro e isso é um obstáculo a um autor novato, pois as editoras almejam o lucro, claro! Mas não esmoreça, pois tudo é questão de tempo e providência.


 


2-          Edição em pequenas tiragens (200, 300, 500 a 1000 exemplares). Este é o meio pelo qual decidi publicar minhas obras. Não ache, com isso, que as editoras são menores, pois elas também fazem todo o trabalho pesado: edição, vendas, publicidade e repasse ao autor. Qual a diferença? Na maioria dos contratos, eu (como autor) fico com o direito autoral, pois há uma parceria autor/editora aonde pago a parte gráfica e de impressão. Como há o pagamento de toda a parte gráfica, geralmente o contrato prevê que o autor fique com o direito autoral e cerca de 50% a 70% do valor do preço de capa de cada livro vendido. O contrato, suas cláusulas, assim como o percentual destinado a cada parte varia de editora para editora e pode ser negociado sempre.  Como fiz a pergunta acima, para mim mesmo, sei que não venderia 400 mil livros por ano, então, prefiro vender em menor quantidade e manter o direito autoral da maioria das obras.


 


 


Livro a Livro- parte técnica. Procedimentos para a edição, após avaliação da editora.


 


    Sob a Luz dos Ensinamentos Bíblicos foi editado, primeiramente, pela Thesaurus editora. O processo que citarei aqui é o mesmo para as outras obras. Começa pela apresentação da obra ao editor. Este primeiro encontro definirá se o editor aceitará sua obra ou não. Envie uma cópia da obra, nunca o original, para a editora. Pode enviar arquivo eletrônico (PDF ou Word) para a avaliação. O editor avaliará o conteúdo da obra e decidirá se quer publicar. Em caso afirmativo, é dado um orçamento detalhado ao autor com os serviços a serem prestados, as formas de pagamento e parcelamento. Se, para a avaliação, você enviou o exemplar em PDF, e for necessária alterações, o editor lhe pedirá que envie o texto em outro formato (word) para que se possa trabalhar o conteúdo. O editor, à época do lançamento deste livro, foi muito atencioso e tenho grande admiração por ele. Editado em 2003, o livro contou com os seguintes serviços: diagramação (atualmente pode ser feita com Indesign ou softwares semelhantes), capa, ficha catalográfica, ISBN e vendas através de livrarias parceiras, distribuidores e do site da editora. A revisão ficou por minha conta. Como veem, o processo é o mesmo de uma editora dita “grande” e ainda posso considerar receber uma parcela maior pela venda de cada exemplar. Para todas as obras considero sempre realizar a impressão de 500 exemplares. Não tenho uma justificativa, apenas gosto desse número.


 


    Despertar do Amor, Sete, Joias de Brasília- roteiros de cinema da capital foram todos realizados na Litteris editora e aqui cito pontos que não citei acima. Os serviços aqui são os mesmos da Thesaurus, acrescentando a revisão feita pelos revisores da editora. Após a editoração, a editora nos envia o que se chama de “boneca”, ou seja, um livro com o miolo pronto para a revisão do autor. Deve-se ler com cuidado cada página e rubrica-la (se impressa) para devolver a editora. Se a editora lhe enviar o material via internet, responda de acordo com as orientações do editor. Se for necessária alguma alteração, marca-se a alteração, a página e comunica-se a editora que, novamente, lhe enviará outra boneca para análise e autorização da impressão. Após a autorização efetivada, o miolo segue para a parte gráfica. Normalmente, aqui eles te enviam a capa, e a capa final, para a autorização. Se a capa estiver de acordo com o que você considera ser a melhor interpretação do miolo, pode dar sua autorização. Lembre-se que a primeira coisa que o leitor faz é admirar a capa e, se estiver com o livro em mãos, o vira para ver informações na capa-final. Coloque informações importantes, ou um trecho do livro que cause impacto. Se quiser, coloque uma foto sua, ou biografia, nas orelhas do livro. Todo tipo de informação vale para conseguir vender e chamar a atenção do leitor.


 


    Mangá Tropical- Um Estudo de Caso está, atualmente, com a PerSe Editora. Aqui há uma alteração nas regras, pois a PerSe trabalha, ao contrário das outras, com o sistema “Sob Demanda”, ou seja, ela imprime assim que o leitor confirmar o pagamento. Com isso, o estoque é zero. Se você seguir as orientações do website, basta se cadastrar e lançar o livro on-line, ou seja, sem custo algum ao autor. Eles ainda trabalham com o serviço de livro digital (e-book) e o oferecem ao autor. Para o livro sair bom, deixo aqui duas sugestões: 1) se for fazer você mesmo, certifique-se que sabe usar o sistema e diagramar adequadamente o livro, ou 2) contrate o serviço da própria editora. A PerSe fornece todos os serviços das editoras acima e ainda vários sistemas de divulgação e vendas on-line. Se souber usar o sistema, praticamente o livro sairá sem custo e estará on-line, imediatamente, após efetivar o seu cadastro e o do livro. Você escolhe quanto quer ganhar por cada venda feita e ainda sabe o quanto de imposto está pagando por livro vendido. O sistema lhe dá estas informações, além da escolha do papel, capa e etc.


 


Parceria Autor-Editora


 


    Vai uma dica. A edição do livro é uma parceria constante entre os autores e a editora, então, conheça seu editor e veja se vocês se dão bem. É um trabalho que demandará tempo e contatos constantes entre o autor e editora. Peça e-mails e telefones para contato. Se seus gênios não se cruzam, vai ficar difícil trabalhar.  Meus editores são ótimas pessoas e agradeço muito tê-los conhecido e trabalhado com cada um deles. São acessíveis e responsáveis. Outra dica que eu dou é usar o website Mesa do Editor. Lá você poderá expor sua obra (publicada ou não) para diversas editoras no Brasil e no mundo. Pagando uma mensalidade poderá colocar lá quantos livros quiser. Lembre-se sempre de negociar com a editora antes de assinar qualquer contrato de edição. Tudo, antes da assinatura, é passível de alteração. Após assinar, já fica mais complicado alterar alguma coisa.


 


Próximo texto: Vendas! Não basta escrever e editar, é necessário saber vender!


 


Leia também: Noções básicas para se escrever um livro!  


    

Postagens mais visitadas deste blog

Outros Papos Indica: O Cérebro que se Transforma

Norman Doidge é psiquiatra, psicanalista e pesquisador da Columbia University Center of Psychoanlytic Training and Research, em New York, e também psiquiatra da Universidade de Toronto (Canadá). Ele é o autor deste livro que indico a leitura. O livro, segundo o próprio editor, “reúne casos que detalham o progresso surpreendente de pacientes” que demonstram como o cérebro consegue ser plástico e mutável. Pacientes como Bárbara que, apesar da assimetria cerebral grave, na qual existia retardo em algumas funções e avanço em outras, conseguiu se graduar e pós-graduar. Um espanto para quem promove a teoria de que o cérebro humano é um órgão estático, com pouca ou nenhuma capacidade de se adaptar. “ Creio que a ideia de que o cérebro pode mudar sua própria estrutura e função por intermédio do pensamento e da atividade é a mais importante alteração em nossa visão desse órgão desde que sua anatomia fundamental e o funcionamento de seu componente básico, o neurônio, foram esboçados pela p

TOP 3 de séries que merecem remake!

 Existem muitas séries da década de 90, na minha opinião, que mereciam um remake (manter a obra original, apenas contando novamente a história, com a tecnologia atual disponível). Vou citar aqui 3 delas. Estas séries foram escolhidas, pois são séries que ainda mexem comigo, que ainda gosto e que ainda lembro delas como se tivesse as assistido ontem. Esse foi o critério de seleção para esse simples TOP 3, de séries da década de 90, que mereciam um remake.  Oh My Goddess A série mesmo começou em 1988, encerrando-se em 2014, contendo um total de 48 volumes. Ela entra na lista por conta do seu primeiro OVA, lançado em 1993, cabendo perfeitamente nessa lista. A animação realizada pelo studio AIC foi uma das mais belas que já vi e promoveu a criação de outras séries, sendo que a última, se não me engano, terminou em 2013, com outro OVA. Já se passaram quase 10 anos desde a sua conclusão. Um remake dessa série, contando-a do começo a o fim, seria uma ótima celebração. O mangá vendeu mais de 4

Antologia Scortecci 40 Anos!

Antologia para edição especial de aniversário de 40 anos da Scortecci editora, para a 26ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo (2022) e, enfim, para ser a edição comemorativa dos 100 anos da Semana de Arte Moderna. Como as poesias já fazem parte desse blog, não faria sentido reescrevê-las, então, deixo aqui cópias das páginas da minha colaboração. Foi uma honra poder ter participado de tão nobre edição comemorativa. Obrigado pela oportunidade.     Primeira parte: Segunda parte: