Pular para o conteúdo principal

Conto do ratinho




Em um laboratório distante de toda a humanidade existia uma baia com um ratinho. Ao lado da baia deste ratinho branco de laboratório existia a baia de uma família de cobras. Era uma situação delicada, pois só existia uma parede de vidro que separava o ratinho de seus predadores. Entretanto, o ratinho confiava no cientista que cuidava dele. O ratinho imaginava que o cientista o defenderia de tudo, principalmente das cobras ao lado.

Certa manhã, após efetuar sua primeira refeição, ainda se limpando, o ratinho notou uma rachadura no vidro que o separava das cobras. Era uma rachadura pequena, mas isso o preocupou. As cobras notaram também. O ratinho chamou o cientista e disse:

--- Cientista, note esta rachadura no vidro. Ela me coloca em perigo, por favor, troque este vidro.

O cientista verificou o vidro, mas não falou nada. Ele também não trocou o vidro, todavia, o ratinho ainda confiava nele. Toda manhã o ratinho ia verificar o vidro e notava a rachadura sempre. Com o passar do tempo, o ratinho notou que a rachadura estava aumentando. Com o aumento da rachadura, aumentava também a preocupação do ratinho.

--- Cientista, por favor, a rachadura está aumentando! Poderia trocar o vidro? Eu te peço, por favor!

O ratinho estava aflito. O cientista olhava a rachadura, conhecendo o problema, mas nada fazia. O cientista continuava em silêncio. A certeza do ratinho de que o cientista o iria ajudar já estava ficando abalada. E as cobras estavam ficando alegres, pois percebiam ali uma oportunidade.

Certo dia, o ratinho foi acordado com um grande barulho. O vidro, por causa do aumento da rachadura, havia desmoronado. Cacos de vidro se espalhavam pela baia do ratinho. O maior temor do bichinho veio quando ele começou a ouvir a respiração das cobras, que notaram a queda da única proteção que o rato possuía.

As cobras tinham certeza de que o momento de devorar o ratinho havia chegado! Elas avançaram ferozmente contra o ratinho. Temeroso pela própria vida, o ratinho correu, pulou, tentou se esconder e fazia de tudo para evitar ficar ao alcance da mordida das cobras. Entretanto, eram muitas cobras e o ratinho acabou cercado. Demonstrando bravura, o ratinho ameaçava as cobras, mas já sabendo que seria devorado. Ele não tinha mais esperanças de ser salvo.

--- É agora que vamos experimentar a sua carne! --- disse uma das cobras ao ratinho.

Antes do bote de uma das cobras, uma sombra cobriu a baia. As cobras recuaram e uma grande mão tomou o ratinho para si. Era a mão do cientista que resgatara o ratinho e o colocara em uma baia mais ao alto, longe das presas das cobras. O cientista, então, olha para o ratinho e diz:

--- Agradeça a mim por ter te livrado das cobras!

--- Eu te agradeço por isso, cientista! Obrigado! --- agradece humildemente o ratinho.

Apesar disso, uma mistura de sentimentos toma conta do ratinho. Ele está profundamente agradecido ao cientista por tê-lo livrado, mas, também, está bastante triste com o cientista. O ratinho, ao final deste macabro dia, chora com um misto de alegria e tristeza.



Caso queiram usar este pequeno conto em sala de aula, por favor, deem o devido crédito ao autor. Sugestão de debate em sala é discutir porque o ratinho ficou triste e alegre. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diego Rox e o Jardim das Borboletas

Diego Rox e o Jardim das Borboletas
Como sabem, sou inscrito do canal do Nando Moura, ou seja, sou um dos “bots” do canal. Sobre este assunto, está até engraçado. Vou escrever sobre isto antes de entrar no assunto. Os adversários que temem a verdade nos ofendem com termos que não condizem com nosso real comportamento. Ficou engraçado, porque, se juntarmos todas as ofensas em uma frase, eu acabo virando um “robô, com recurso de bot, nazista e fascista, que não gosta de odores fortes”, por isso, está engraçado ver esta situação. Fui reduzido a um robô Windows 10, que não gosta de pum.
Ao assunto. Através do vídeo do Nando, sobre o uso de bots, eu acabei conhecendo o canal do Diego Rox. Veja um vídeo abaixo. Ele parece ter uma agenda parecida com a do Nando Moura, isto é, ele é cristão, pois acredita em Deus e em Cristo, prega ação contra a corrupção, homenageia os verdadeiros heróis anônimos, é caridoso e defende a liberdade. Uma agenda que também me aproxima dele, por isso, hoje, esto…

Cavaleira ou Amazona? Veja a resposta!

Amazona ou Cavaleira?
    Em meu tempo de colégio, nas décadas de 80 e 90, nos foi ensinado que o feminino de cavaleiro seria amazona. Em uma prova, um colega marcou o feminino de cavaleiro sendo cavaleira e foi repreendido. Desta forma, fixei amazona como o feminino correto para o termo em questão, ou seja, mulher que anda a cavalo. Ao assistir Walkure Romanze, eu me deparei com a palavra cavaleira e me questionei. Inclusive, alertei-os para a forma que eu julgava correta, mas sem retorno positivo. Deste modo, fui pesquisar para ver se a expressão estaria correta.


    Nestas pesquisas, encontrei um professor que prontamente me respondeu a esta questão. O caso estava solucionado com uma bela lição que, agora, repasso a vocês. Com a palavra o professor Ari Riboldi.
    No meu tempo de estudante, no ensino primário e no ginásio, também se aprendia assim: cavaleiro (masc.), amazona (fem); cavalheiro (masc.), dama (fem.). No entanto, os dicionários registram o termo 'cavaleira' …

Será o Veredito?!

Canal Será o Veredito?!
Foi a primeira recomendação do Youtube que gostei de ter recebido. Sobre o canal: “O Direito tá na mídia! O Direito tá na moda! Um juiz de direito se torna celebridade nacional. Tribunais transmitem suas sessões ao vivo pela televisão. Os meios de comunicação não se cansam de veicular notícias jurídicas. Mas, o mundo jurídico possui formalidades que dificultam a compreensão dos seus temas pelo cidadão que não tem formação no direito. Muito se fala; pouco se explica. Por isso surgiu o "Será o Veredito!?". Um canal que traz informações sobre o direito com uma linguagem simples, clara e objetiva.”



O primeiro vídeo que vi desse canal foi uma resposta ao Bugalho. Uma resposta baseada em livros, mostrando a fonte de seu conhecimento e minando, com ótimos argumentos, a posição de seu opositor. Todos os vídeos que assisti foram assim, com a fonte de leitura em mãos. Ele já se disse de centro-direita, o que o faz ser um aliado natural da liberdade e da proprie…