Pular para o conteúdo principal

 Minecraft Dungeons

GT: Paraymo





Estou voltando aos meus trabalhos e decidi recomeçar trazendo um jogo que gostei bastante. Adoro Minecraft pelo conceito genial de criação ilimitada. O que se pode criar em um mundo de Minecraft só está limitado pela criatividade do jogador. Dessa forma, eu tenho-o como meu Game of the Year (GOTY) pessoal. Então, eu não poderia deixar de experimentar o Minecraft Dungeons.


Diferentemente do Minecraft tradicional, aqui temos uma linha obrigatória a seguir, que coloca o jogador em uma história de combate que mescla o humor que conhecemos, de jogos como Lego (Marvel, por exemplo), e uma ação bem gostosa e fluida de combate contra mobs. A história é boa. Ela nos conta o passado de um renegado que, por vingança, tenta destruir vilas e escravizar Villagers fazendo com que nós (jogadores) tenhamos que intervir, para colocar um fim ao domínio do mal do pequeno tirando Illager. Em uma sequência de pequenos mapas, nós vamos evoluindo na trama, até o confronto final contra o Illager.





A ação


Os combates são divertidos, sendo que os mobs tem um comportamento interessante. Por exemplo, arqueiros sempre têm a tendência de se afastarem de você, para atacar de longe. Zumbis possuem a tendencia a fazer montinho e atacarem juntos. Existem mobs mais fortes, como golens, que te esmurram e lançam-te longe e, claro, creepers e aranhas. A combinação mais temida é ser preso na teia de uma aranha, que te imobiliza, enquanto outros mobs se aproximam para te atacar. Os chefes são ótimos! Cada um deles possui um sistema de ataque e defesa diferente. É divertido ficar experimentando novas formas de derrotar um mesmo chefe e o jogo te dá muitas formas para fazer isso. E o jogo mantêm sempre o sistema de dificuldade equilibrado, não permitindo que um jogador em nível 50 vá atacar um mapa em nível 10, com isso, o jogo consegue manter o mapa sempre desafiador, elevando-o à medida que o jogador também evolui.


Suas armas


As armas que você dispõe no jogo são interessantes, com armas de curto e longo alcance. Muitas com encantamentos diversos e, você ainda possui a ajuda de mobs (golem, lhama e lobo) para os combates. Ainda não cheguei na parte em que consigo pegar um golem, pois ele aparece mais para frente. Até aqui, eu derrotei o Illager no modo normal e estou no modo aventura. Então, entre o lobo e a lhama, eu prefiro a lhama, pois ela ataca de longe e ajuda na minha tática preferida. Meu modo de combate preferido é o de longo alcance, lançando flechas diversas e a lhama é a melhor para ajudar nessa tática de ataque à longa distância.



É bom?


Sim, é muito bom! O jogo tem uma mecânica divertida, combates sempre desafiadores e dou destaque para a nossa dublagem (a narradora) que fez um excelente trabalho narrando nossa história. Eu recomendo, mesmo para quem não conhece o Minecraft original. Lógico, quem conhece o jogo original possui um prazer maior no jogo ao reconhecer mobs e atitudes. Realmente, é um jogo muito bom!

Postagens mais visitadas deste blog

Outros Papos Indica: O Cérebro que se Transforma

Norman Doidge é psiquiatra, psicanalista e pesquisador da Columbia University Center of Psychoanlytic Training and Research, em New York, e também psiquiatra da Universidade de Toronto (Canadá). Ele é o autor deste livro que indico a leitura. O livro, segundo o próprio editor, “reúne casos que detalham o progresso surpreendente de pacientes” que demonstram como o cérebro consegue ser plástico e mutável. Pacientes como Bárbara que, apesar da assimetria cerebral grave, na qual existia retardo em algumas funções e avanço em outras, conseguiu se graduar e pós-graduar. Um espanto para quem promove a teoria de que o cérebro humano é um órgão estático, com pouca ou nenhuma capacidade de se adaptar. “ Creio que a ideia de que o cérebro pode mudar sua própria estrutura e função por intermédio do pensamento e da atividade é a mais importante alteração em nossa visão desse órgão desde que sua anatomia fundamental e o funcionamento de seu componente básico, o neurônio, foram esboçados pela p

TOP 3 de séries que merecem remake!

 Existem muitas séries da década de 90, na minha opinião, que mereciam um remake (manter a obra original, apenas contando novamente a história, com a tecnologia atual disponível). Vou citar aqui 3 delas. Estas séries foram escolhidas, pois são séries que ainda mexem comigo, que ainda gosto e que ainda lembro delas como se tivesse as assistido ontem. Esse foi o critério de seleção para esse simples TOP 3, de séries da década de 90, que mereciam um remake.  Oh My Goddess A série mesmo começou em 1988, encerrando-se em 2014, contendo um total de 48 volumes. Ela entra na lista por conta do seu primeiro OVA, lançado em 1993, cabendo perfeitamente nessa lista. A animação realizada pelo studio AIC foi uma das mais belas que já vi e promoveu a criação de outras séries, sendo que a última, se não me engano, terminou em 2013, com outro OVA. Já se passaram quase 10 anos desde a sua conclusão. Um remake dessa série, contando-a do começo a o fim, seria uma ótima celebração. O mangá vendeu mais de 4

Antologia Scortecci 40 Anos!

Antologia para edição especial de aniversário de 40 anos da Scortecci editora, para a 26ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo (2022) e, enfim, para ser a edição comemorativa dos 100 anos da Semana de Arte Moderna. Como as poesias já fazem parte desse blog, não faria sentido reescrevê-las, então, deixo aqui cópias das páginas da minha colaboração. Foi uma honra poder ter participado de tão nobre edição comemorativa. Obrigado pela oportunidade.     Primeira parte: Segunda parte: