Pular para o conteúdo principal

Science Fell in Love, So I Tried to Prove It


Science Fell in Love, So I Tried to Prove It
Rikei ga Koi ni Ochita no de Shoumei shitemita.





Essa série, em 12 episódios, realizada pelo estúdio Zero-G foi a que esteve em primeiro lugar na minha lista de favoritos da temporada passada e assim permaneceu. A comédia romântica mostra dois cientistas tentando provar, com pesquisas e experimentos científicos, que estão apaixonados. Na hora, essa história me conquistou, pois já demonstrava que não seria um ataque direto ao amor, como algo que não pode ser provado, mas como algo palpável e que pode ter significado empírico. Eu adorei esse tema central.



E, na ocasião da primeira análise, eu já havia percebido a presença de outros possíveis casais na trama e previ, de forma equivocada, que a série teria arcos definidos para cada casal. Ainda bem que eu errei, pois concentrar a história em um único casal (Himuro x Yukimura), dessa vez, foi o mais acertado, pois eles são de um carisma gigantesco. Himuro é a simpatia em pessoa. Ela consegue ser inteligente, sem parecer esnobe. Ela é racional, mas com um coração louco de amor. Ela é linda e, também, inocente. Ela é carismática e divertida. Ela é a personagem da temporada, sem dúvidas! Já o Yukimura é aquele cara frio, meio desligado, mas que se esforça bastante para realizar suas atividades. Com um olhar até nervoso, ele parece ser uma espécie de aprendiz de cientista do mal, mas isso apenas esconde o grande sentimento que ele também possui pela Himuro.

E a história não iria aguentar tantos episódios se o casal não tivesse apoio dos personagens coadjuvantes. E esses personagens são os que empurram a trama para frente e para trás. Eles ajudam o casal a conseguir dados eficientes para a pesquisa e, em determinados momentos, eles interferem na pesquisa e aniquilam com a possibilidade probatória do amor dos dois. Grande parte dos problemas que eles encontram são das interferências da pequena Ena Ibarada. Apesar da aparência, ela é a veterana do laboratório. Preguiçosa, mas inteligentíssima, ela é uma aspirante à cientista da zoeira, que adora interpretar os dados e interferir nas técnicas de estudos, apenas para poder rir um pouco. Se houvesse um agente do caos nessa história, seria ela o elemento caótico. E as situações em que ela coloca o casal são, por vezes, muito hilárias. É uma pestinha adorável, que adora incomodar o amigo de infância dela que, também, é um pesquisador no mesmo laboratório que ela. Nem Buda resiste!




E já falando das pesquisas relacionadas, para comprovar o amor do casal, são realmente bem elaboradas. Parece mesmo que saíram de algum TCC romântico, ou de uma revista científica séria. As pesquisas elaboradas na série têm como origem pesquisas realmente provindas do mundo científico, então, podemos até considerar essa comédia romântica como uma comédia de “diversão educacional”. E uma grande surpresa que o roteiro nos reserva é reunir todas as informações adquiridas, através dos diversos estudos, em um único momento, no último episódio, criando uma das cenas mais incríveis da temporada passada. É um momento mágico!




O estúdio Zero-G realizou, dentre algumas outras obras, Tsugumomo. É um bom estúdio!




Quer assistir? Veja via Crunchyroll.    
https://www.crunchyroll.com/pt-br/science-fell-in-love-so-i-tried-to-prove-it

Postagens mais visitadas deste blog

Outros Papos Indica: O Cérebro que se Transforma

Norman Doidge é psiquiatra, psicanalista e pesquisador da Columbia University Center of Psychoanlytic Training and Research, em New York, e também psiquiatra da Universidade de Toronto (Canadá). Ele é o autor deste livro que indico a leitura. O livro, segundo o próprio editor, “reúne casos que detalham o progresso surpreendente de pacientes” que demonstram como o cérebro consegue ser plástico e mutável. Pacientes como Bárbara que, apesar da assimetria cerebral grave, na qual existia retardo em algumas funções e avanço em outras, conseguiu se graduar e pós-graduar. Um espanto para quem promove a teoria de que o cérebro humano é um órgão estático, com pouca ou nenhuma capacidade de se adaptar. “ Creio que a ideia de que o cérebro pode mudar sua própria estrutura e função por intermédio do pensamento e da atividade é a mais importante alteração em nossa visão desse órgão desde que sua anatomia fundamental e o funcionamento de seu componente básico, o neurônio, foram esboçados pela p

TOP 3 de séries que merecem remake!

 Existem muitas séries da década de 90, na minha opinião, que mereciam um remake (manter a obra original, apenas contando novamente a história, com a tecnologia atual disponível). Vou citar aqui 3 delas. Estas séries foram escolhidas, pois são séries que ainda mexem comigo, que ainda gosto e que ainda lembro delas como se tivesse as assistido ontem. Esse foi o critério de seleção para esse simples TOP 3, de séries da década de 90, que mereciam um remake.  Oh My Goddess A série mesmo começou em 1988, encerrando-se em 2014, contendo um total de 48 volumes. Ela entra na lista por conta do seu primeiro OVA, lançado em 1993, cabendo perfeitamente nessa lista. A animação realizada pelo studio AIC foi uma das mais belas que já vi e promoveu a criação de outras séries, sendo que a última, se não me engano, terminou em 2013, com outro OVA. Já se passaram quase 10 anos desde a sua conclusão. Um remake dessa série, contando-a do começo a o fim, seria uma ótima celebração. O mangá vendeu mais de 4

Antologia Scortecci 40 Anos!

Antologia para edição especial de aniversário de 40 anos da Scortecci editora, para a 26ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo (2022) e, enfim, para ser a edição comemorativa dos 100 anos da Semana de Arte Moderna. Como as poesias já fazem parte desse blog, não faria sentido reescrevê-las, então, deixo aqui cópias das páginas da minha colaboração. Foi uma honra poder ter participado de tão nobre edição comemorativa. Obrigado pela oportunidade.     Primeira parte: Segunda parte: