Pular para o conteúdo principal

OP indica um herói!

 Indicando mais um vídeo do canal do professor Bellei.

Shen Yun

Shen Yun



No fim de janeiro, e início de fevereiro, São Paulo foi agraciada com a presença de um grupo artístico que preserva as tradições chinesas de dança e religião. Shen Yun foi fundado em 2006 e é um grupo independente do partido chinês e está sediado em Nova Iorque. Seu fundador conta que seu grupo está impedido de se apresentar em solo chinês, por conta da opressão do socialismo.

E qual a razão do partido impedir a disseminação da arte? Como sabem, para se ter o controle da população, nada pode ser maior que o Estado, ou seja, nada pode ser maior que o próprio partido que representa o Estado, tornando-o o centro pleno da experiência da sociedade. Dessa forma, nada pode ameaçar o domínio do partido, que se torna o próprio “deus”. Shen Yun, por sua vez, nos conta histórias da beleza da cultura chinesa, através dos mitos divinos, sendo que a tradução próxima para Shen Yun seria justamente “a beleza da dança de seres divinos”. Dessa forma, temos um partido que acredita ser divino, contra a história divina do passado chinês que é contada pela dança do grupo. Um atrito que foi resolvido com a censura e opressão, impedindo que o grupo conte a história dos contos chineses em sua própria pátria.

Segundo o grupo[1], os princípios da sociedade chinesa, antes da revolução comunista, eram baseados na harmonia entre os Céus, a Terra e a humanidade, sendo que o povo chinês era regido pelos princípios da fé, da propriedade, da benevolência e da lealdade. O povo tinha como sua base moral o respeito pela história dos deuses de sua nação. Após a revolução comunista, o sistema foi sendo substituído por um Estado repressor das liberdades individuais. Hoje, com o comunismo chinês, segundo relatório de 2020, da Human Rights Watch[2] (HRW), nos indica que a repressão chinesa está escalando: “O resultado, sob a administração Xi Jinping, é a opressão mais ampla e brutal que a China já viu nas últimas décadas. A breve e modesta abertura que existiu nos últimos anos para as pessoas se expressarem sobre assuntos de interesse público tem claramente caminhado rumo ao fim. Organizações da sociedade civil têm sido caladas. O jornalismo independente já não existe. Os debates nas redes virtuais foram reduzidos e substituídos por uma bajulação orquestrada. As minorias étnicas e religiosas sofrem graves perseguições. Pequenos passos rumo ao Estado de Direito foram substituídos pelo tradicional Estado por Direito imposto pelo Partido Comunista. As limitadas liberdades de Hong Kong sob a política "um país, dois sistemas" estão sendo severamente desafiadas.”

Shen Yun, então, tornou-se um porta-voz da verdadeira cultura chinesa com seu espetáculo de dança, música e fé, enfrentando a repressão do governo com a serenidade da dança, a harmonia da música e a resistência pacífica da fé.

O espetáculo



O espetáculo em si é uma linda construção de mitos, que são contados com uma dança simplesmente perfeita, com uma música harmônica, e com base moral interessante. O budismo usava de um pergaminho, chamado Chōjū-jinbutsu-giga, para disseminar suas lições ao mundo, contando fatos sob a ótica do iluminismo do Budismo e o espetáculo consiste em pequenas histórias que são contadas em intervalos, geralmente com um ensinamento embutido em sua história. Sendo a principal força dele a sua bela e perfeita apresentação. Podemos dizer que o espetáculo é próximo de um Chōjū-jinbutsu-giga. Tive particular atenção com a encenação do conto da flauta roubada, que, ao seu fim, nos faz pensar sobre os erros de um homem em querer ter muitas mulheres, fazendo um apelo muito sensato para a manutenção da monogamia.

Além da disseminação da tradição chinesa, o show também faz um forte apelo contra a opressão do povo chinês com quadros encenando o massacre diário que o povo passa dentro das fronteiras da nação chinesa, com a censura e a opressão, além da vigilância constante do Estado sob o povo. Exatamente o que nos diz o relatório acima citado (HRW): “No plano doméstico, o Partido Comunista Chinês, preocupado com o fato de que permitir a liberdade política poderia comprometer seu poder, construiu um Estado orwelliano de vigilância altamente tecnológico e um sofisticado sistema de censura na internet para monitorar e abafar o criticismo público. No exterior, ele tem usado sua crescente influência econômica para silenciar críticos e realizar o mais intenso ataque ao sistema global de proteção dos direitos humanos desde sua emergência em meados do século XX.”

As cores falam muito na obra, pois elas são fortes, vívidas e com tons sempre quentes, dando ao show um elemento único. Quando fiz meu estudo de caso, sobre o Mangá Tropical, escrevi que uma das bases para a animação japonesa seria o teatro Kabuki (arte de cantar e dançar), com suas cores fortes e vívidas. De um certo modo, Shen Yun lembra também um teatro Kabuki, sem a maquiagem forte de seus atores e, portanto, pode ser considerado um correlato de ambas as artes.

Ao relatar a perseguição que as minorias estão sofrendo na China, ficamos cientes que o espetáculo também é uma apresentação religiosa, pois seus membros são praticantes de uma religião que hoje está proibida na China: Falun Dafa. Segundo site da instituição: “Falun Dafa[3] (também chamado Falun Gong) é um avançado sistema de prática de autocultivo da Escola Buda. Falun Dafa foi fundado pelo Sr. Li Hongzhi, mestre da prática. É uma disciplina na qual a “assimilação à característica mais elevada do universo – (Verdade-Compaixão-Tolerância) – é o fundamento da prática. A prática é guiada por esta característica suprema e se baseia nas mesmas leis que sustentam o desenvolvimento do cosmos” . Com isso, muitas das danças e cânticos, além da intenção de divertir, educar e divulgar, também servem para que o próprio Deus da criação se manifeste em nossas vidas, nos livrando de carmas. E confesso que foi a parte mais linda do espetáculo, pois, além da beleza da arte, se fez presente uma manifestação bela da religiosidade.

E o espetáculo ainda se mostrou avançado, com o uso de um cenário digital (uma tela) que ajudava a dar asas à imaginação dos autores e criar um impacto visual maior nas cenas com os mitos divinos da criação. Ficou muito belo e impactante!

Conclusão



O espetáculo é belo. Se você não assistiu, fique atento ao seu retorno, para poder apreciar esse lindo show que mescla dança, canto, religião e educação. Precisamos apoiar a verdadeira cultura chinesa em tempos sombrios de opressão socialista. E o espetáculo termina com uma linda profecia que nos diz que a “maré vermelha” passará e novos sábios surgirão. Temos que construir esse futuro!







[1] Leia: <https://www.shenyunperformingarts.org/our-story?/our-story/a-great-american-story>
[2] Leia: <https://www.hrw.org/pt/world-report/2020/country-chapters/337660>
[3] Leia: <https://pt.falundafa.org/inicio.html>

Postagens mais visitadas deste blog

Ghost in the Shell

Máquinas vivas; Um fantasma surge; O homem virtual. Ghost in the Shell está mais próximo do que pensamos! 

Boushoku no Berserk

Berserk of Gluttony: Uma Série Que É Meu "Pecado"! Boushoku no Berserk (Berserk of Gluttony) - Pictures - MyAnimeList.net Fate é um jovem que acreditava ter uma habilidade inútil chamada "Gula", que o mantinha constantemente faminto. Ele era um vassalo em uma casa de cavaleiros sagrados, onde era tratado com desdém, nutrindo uma paixão secreta pela cavaleira Roxy Hart. Ela destaca-se como a única guerreira nobre em um mundo dominado por cavaleiros que abusam de seu poder para oprimir o povo. Quando Fate acidentalmente mata um ladrão enquanto ajuda Roxy, ele descobre que sua habilidade de "Gula" vai além do que parecia. Esse evento o faz perceber os aspectos positivos e negativos de seu "pecado". Comprometido a proteger Roxy, ele decide usar seu poder em prol da casa daquela que sempre o tratou com humanidade e respeito. Baseada em uma novel escrita por Ichika Isshiki , com arte de fame , "Berserk of Gluttony" é serializada desde 2017,

Ciclos de revolução: A Quarta Revolução!

Ciclos de Revolução: A Quarta Revolução Revisão: ChatGPT Estamos vivenciando a quarta revolução industrial/tecnológica, e muito tem sido discutido sobre os potenciais danos que esta revolução pode causar ao tecido social, incluindo desemprego e outras adversidades. Procuro refletir sobre o futuro com base no passado, observando no presente os mesmos receios que nossos antepassados enfrentaram nas três revoluções industriais anteriores. Começo com uma conversa que tive com uma taxista, para então discorrer sobre algumas das revoluções passadas. Durante uma parada em uma lanchonete que estava instalando terminais de autoatendimento no último ano, tive uma conversa: “Taxista: --- Estão instalando essas máquinas para substituir trabalho humano. Muitos caixas estão perdendo seus empregos. Isso é o capitalismo! Eu: --- Por outro lado, a tecnologia, ao eliminar um posto de trabalho (caixa de atendimento), cria outras necessidades. A lanchonete precisará de profissionais para manutenção de sof