Pular para o conteúdo principal

Oresuki e as máscaras sociais!


Oresuki e as máscaras sociais
ORESUKI Are you the only one who loves me?

https://oresukianime-usa.com/character/


O cenário para essa comédia é muito interessante. Joro é um típico aluno mediano, que tem como grande amigo o esportista Sun-chan, e se relaciona muito bem com sua vizinha Himawari. Ele possui uma certa quedinha pela presidente do conselho estudantil, Cosmos, e odeia a bibliotecária Pansy. É o típico cenário que nós vemos todos os dias. O problema começa quando Himawari e Cosmos pedem para sair com Joro e se declaram, durante o encontro, apaixonadas pelo.... Sun-chan. Sim, as duas pedem ajuda para Joro, na tentativa de conquistar o Sun.




Nesse momento, o roteiro engrena em um dos melhores arcos cômicos dessa temporada. Logo, percebemos que Joro não é o que parece, ele esconde seu verdadeiro “eu” com uma máscara social. O roteiro usa dos efeitos narrativos das máscaras sociais para começar esse duelo psicológico, que fica ainda melhor quando Joro descobre que a garota que ele odeia, Pansy, é a única que o ama de verdade e se declara para ele. O que são máscaras sociais? Apesar dos roteiros japoneses sempre trazerem esse elemento como um subterfúgio para mostrar que um personagem se esconde através de reações e comportamentos falsos, uma máscara social é algo mais interessante que isso e explico no próximo parágrafo.

 Hoje em dia, o termo mais usado é o de “papéis sociais”. Papéis sociais são comportamentos humanos quando uma pessoa está se relacionando com alguém. Quando um pai policial sai para trabalhar, espera-se que ele aja como um oficial da lei durante o seu serviço. Quando ele chega em casa, o seu papel social muda e ele passa a ser o pai e o esposo. Quando ele sai para se divertir, seu papel social é o de amigo ou de  consumidor, por exemplo. Ou seja os papéis sociais são interações, e comportamentos, que um indivíduo dispõe para se comunicar com outras pessoas. Para deixar mais claro, Eduardo Simões Martins[1] em THE SOCIAL ROLE IN THE FORMATION OF THE LANDSCAPE AND SOCIAL IDENTITY

 Nas ciências sociais o papel social define a estrutura social, basicamente como um conjunto de normas, direitos, deveres e expectativas que condicionam o comportamento humano dos indivíduos junto ao grupo ou dentro de uma organização. Os papéis sociais atribuídos ou conquistados têm em vista a interação social e resultam do processo de socialização. (...) Todos os comportamentos que se manifestam nos encontros sociais são chamados, na psicologia social, de papel desempenhado. Tais comportamentos, por sua vez, podem ou não estar de acordo com a prescrição social, isto é, as normas prescritas socialmente para o desempenho de um determinado papel. Isso gera uma tensão existencial, porque são muitas as situações a ser desempenhadas além das que se transformam e pressionam a adaptação”.

Joro, então, deixa seu papel social de “bom menino” se quebrar e vemos como ele realmente se sente com essa situação inusitada: com raiva, pois ele vai tentar ajudar duas amigas a conquistarem o seu melhor amigo e ainda descobre que a mulher que ele odeia é a que o ama de verdade.

O roteiro vai trabalhando com base nas funções sociais dos personagens em situações muito interessantes como, por exemplo, quando Pansy chama o Joro para ir à biblioteca e lá ela está segurando um livro e pede para falar com o outro Joro. Logo, Joro responde mostrando a ela o lado “menino mau” que ele tenta esconder dos outros. É uma cena que me arrepiou, posso dizer, pois ela se senta ao lado dele, segurando o livro “Strange Case of Dr Jekyll and Mr Hyde”, em português, “O Médico e o Monstro”. A referência mais clara que existe! Aliás, o roteiro ainda brinca com os livros, nos dando pistas dos elementos do roteiro através dos títulos deles que vão aparecendo aos poucos. É uma delícia!

E as máscaras sociais vão caindo uma à uma, em um enredo muito bem elaborado e amarrado. Um enredo que vai brincando com as situações e, com uma dinâmica muito louvável, consegue encerrar esse arco em apenas três episódios, que podem ser vistos como um pequeno filme, totalizando 69 minutos de uma comédia amorosa das melhores. E, rapaz, como fiquei admirado com a Pansy! O comportamento dela é diferente de tudo que já assisti em roteiros desse tipo e ela é tão bem construída. A mulher é sensacional 😊 Assistam e vocês entenderão! Nota 10!

   https://www.crunchyroll.com/pt-br/oresuki-are-you-the-only-one-who-loves-me

Aliás, recomendo que vocês assistam ao terceiro episódio duas vezes, pois as revelações do final do arco fazem com que você compreenda de forma diferente (e até mais completa) o que estava acontecendo ali. A sensação é completamente diferente e, confesso, uma das cenas me arrepiou muito ao assistir pela segunda vez. Fica a dica!






[1] Lido em 18 de outubro de 2019 em:
<https://www.marilia.unesp.br/Home/RevistasEletronicas/Kinesis/Ospapeissociaisnaformacao.pdf>

Postagens mais visitadas deste blog

Outros Papos Indica: O Cérebro que se Transforma

Norman Doidge é psiquiatra, psicanalista e pesquisador da Columbia University Center of Psychoanlytic Training and Research, em New York, e também psiquiatra da Universidade de Toronto (Canadá). Ele é o autor deste livro que indico a leitura. O livro, segundo o próprio editor, “reúne casos que detalham o progresso surpreendente de pacientes” que demonstram como o cérebro consegue ser plástico e mutável. Pacientes como Bárbara que, apesar da assimetria cerebral grave, na qual existia retardo em algumas funções e avanço em outras, conseguiu se graduar e pós-graduar. Um espanto para quem promove a teoria de que o cérebro humano é um órgão estático, com pouca ou nenhuma capacidade de se adaptar. “ Creio que a ideia de que o cérebro pode mudar sua própria estrutura e função por intermédio do pensamento e da atividade é a mais importante alteração em nossa visão desse órgão desde que sua anatomia fundamental e o funcionamento de seu componente básico, o neurônio, foram esboçados pela p

TOP 3 de séries que merecem remake!

 Existem muitas séries da década de 90, na minha opinião, que mereciam um remake (manter a obra original, apenas contando novamente a história, com a tecnologia atual disponível). Vou citar aqui 3 delas. Estas séries foram escolhidas, pois são séries que ainda mexem comigo, que ainda gosto e que ainda lembro delas como se tivesse as assistido ontem. Esse foi o critério de seleção para esse simples TOP 3, de séries da década de 90, que mereciam um remake.  Oh My Goddess A série mesmo começou em 1988, encerrando-se em 2014, contendo um total de 48 volumes. Ela entra na lista por conta do seu primeiro OVA, lançado em 1993, cabendo perfeitamente nessa lista. A animação realizada pelo studio AIC foi uma das mais belas que já vi e promoveu a criação de outras séries, sendo que a última, se não me engano, terminou em 2013, com outro OVA. Já se passaram quase 10 anos desde a sua conclusão. Um remake dessa série, contando-a do começo a o fim, seria uma ótima celebração. O mangá vendeu mais de 4

Antologia Scortecci 40 Anos!

Antologia para edição especial de aniversário de 40 anos da Scortecci editora, para a 26ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo (2022) e, enfim, para ser a edição comemorativa dos 100 anos da Semana de Arte Moderna. Como as poesias já fazem parte desse blog, não faria sentido reescrevê-las, então, deixo aqui cópias das páginas da minha colaboração. Foi uma honra poder ter participado de tão nobre edição comemorativa. Obrigado pela oportunidade.     Primeira parte: Segunda parte: