Pular para o conteúdo principal

Black Fox!


Black Fox
 


A nova animação do estúdio 3Hz é um filme original para a televisão. O roteiro conta a história de Rikka, que foi treinada pelo avô para ser sucessora da família que, tradicionalmente, recebe contratos e se coloca à disposição como ninjas, porém, a garota deseja seguir os passos do pai que é um cientista de renome. O pai de Rikka desenvolve um ótimo trabalho com robótica e cria robôs para ajudar humanos em tarefas de rotina. Infelizmente, o trabalho dele está visado e outras pessoas têm visões diferentes para o uso dos robôs (de forma não pacífica, digamos). Esse é o motivo pelo qual sua família é perseguida e morta. Rikka, então, jura vingança.

 
Roteiro
Vingança é o tema que o roteiro trabalha a todo o momento. Rikka se vê dividida entre a visão pacifista do pai e a missão e a vontade do avô, que a treinou para matar inclusive. O roteiro fica patinando, como se o autor estivesse em dúvida entre estimular a  vingança, ou dar uma mensagem sobre superação do ódio e perdão. A situação fica nesse vai e volta, até que a Rikka decide abraçar as duas situações. Em outras palavras, ela decide se a situação exige mais a visão do pai, ou o dever do avô. O curioso é que quando ela decide ser benevolente, sua benevolência quase a obriga a matar sua amiga. Ser benevolente com o mal, quase causou uma tragédia com uma vítima inocente. Existem males que, quando não destruídos, retornam para causar ainda mais desgraças. Eu gostei desse questionamento indireto que o autor inseriu nessa parte do roteiro, pois ser muito bonzinho com o inimigo sempre vai dar brecha para que o inimigo consiga se recuperar e te ferir. Que fique como reflexão: “O Mal Imediatamente Eliminado (Aku Soku Zan)”!
Essa questão me motivou a criar uma semana inteira com temas relacionados a vingança, morte, paz e benevolência. Teremos, então, a semana Black Fox!

 
Personagens
Existem pontos falhos na criação dos personagens em algumas cenas. “Eu te odeio! Mas te amo!” é uma das frases do início do filme e que reflete bem como os personagens conseguem ser bipolares. Uma hora estão rindo, e segundos depois, estão com a cara fechada mandando outro personagem se retirar. Esse desequilíbrio do comportamento chama a atenção, mas não afeta a história. Lógico, aqui não me refiro aos personagens que são realmente malucos, mas a lapsos de comportamentos que não são intencionais no roteiro. Fora isso, a história deles está bem contada.

 
Parte técnica e artística
 Fábio para o site Crunchyroll[1]: “Em uma entrevista ao site Anime News Network, um dos produtores e fundador da Infinite, Takayuki Nagatani, revelou que BLACKFOX era um dos seus grandes projetos de anime original com foco no público internacional ao lado de Sirius the Jaeger. O site oficial do anime conta com informações em japonês e inglês, o que é raro e já sinaliza que realmente estão preocupados com o público fora do Japão.
 
Uma animação bem bonita, com um 3D-CGI um pouco carente. Entretanto, como é um filme para a televisão, podemos ignorar as falhas do 3D. Ela segue bem a dinâmica das animações japoneses, o que é óbvio, e ainda nos traz referências às séries ocidentais, ao estilo Miami Vice. No mais, a produção tem um design muito bonito e um competente diretor que soube equilibrar a intenção do produtor em realizar um produto de apelo internacional, mas sem deixar os elementos japoneses de lado. Dessa forma, temos um bom resultado final, de um animê que quer ser visto como material mundial, mas com raízes nipônicas. Conseguiram alcançar esse objetivo com sucesso.
 
Quer assistir? Veja oficialmente via Crunchyroll no link abaixo!

https://www.crunchyroll.com/pt-br/blackfox/videos
 
 

[1] Crunchyroll: <https://www.crunchyroll.com/pt-br/anime-news/2019/07/26/blackfox-novo-projeto-de-anime-original-do-estdio-3hz-ganha-novo-vdeo-promocional-e-previso-de-estreia>


Postagens mais visitadas deste blog

Outros Papos Indica: O Cérebro que se Transforma

Norman Doidge é psiquiatra, psicanalista e pesquisador da Columbia University Center of Psychoanlytic Training and Research, em New York, e também psiquiatra da Universidade de Toronto (Canadá). Ele é o autor deste livro que indico a leitura. O livro, segundo o próprio editor, “reúne casos que detalham o progresso surpreendente de pacientes” que demonstram como o cérebro consegue ser plástico e mutável. Pacientes como Bárbara que, apesar da assimetria cerebral grave, na qual existia retardo em algumas funções e avanço em outras, conseguiu se graduar e pós-graduar. Um espanto para quem promove a teoria de que o cérebro humano é um órgão estático, com pouca ou nenhuma capacidade de se adaptar. “ Creio que a ideia de que o cérebro pode mudar sua própria estrutura e função por intermédio do pensamento e da atividade é a mais importante alteração em nossa visão desse órgão desde que sua anatomia fundamental e o funcionamento de seu componente básico, o neurônio, foram esboçados pela p

TOP 3 de séries que merecem remake!

 Existem muitas séries da década de 90, na minha opinião, que mereciam um remake (manter a obra original, apenas contando novamente a história, com a tecnologia atual disponível). Vou citar aqui 3 delas. Estas séries foram escolhidas, pois são séries que ainda mexem comigo, que ainda gosto e que ainda lembro delas como se tivesse as assistido ontem. Esse foi o critério de seleção para esse simples TOP 3, de séries da década de 90, que mereciam um remake.  Oh My Goddess A série mesmo começou em 1988, encerrando-se em 2014, contendo um total de 48 volumes. Ela entra na lista por conta do seu primeiro OVA, lançado em 1993, cabendo perfeitamente nessa lista. A animação realizada pelo studio AIC foi uma das mais belas que já vi e promoveu a criação de outras séries, sendo que a última, se não me engano, terminou em 2013, com outro OVA. Já se passaram quase 10 anos desde a sua conclusão. Um remake dessa série, contando-a do começo a o fim, seria uma ótima celebração. O mangá vendeu mais de 4

Antologia Scortecci 40 Anos!

Antologia para edição especial de aniversário de 40 anos da Scortecci editora, para a 26ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo (2022) e, enfim, para ser a edição comemorativa dos 100 anos da Semana de Arte Moderna. Como as poesias já fazem parte desse blog, não faria sentido reescrevê-las, então, deixo aqui cópias das páginas da minha colaboração. Foi uma honra poder ter participado de tão nobre edição comemorativa. Obrigado pela oportunidade.     Primeira parte: Segunda parte: