Pular para o conteúdo principal

RPG e Goblin Slayer


Lembro que, na década de 90, eu jogava RPG de tabuleiro. O mestre do tabuleiro era o Igor, um amigo de colégio. Na ocasião, eu criei um personagem que era um vampiro que havia se convertido ao catolicismo e tinha passado por um processo de purificação. Desse modo, meu personagem usava magia branca e magia negra, tendo conhecimento também de magia elemental. Tinha a força de um vampiro, mas mantinha alguma das suas maldições. Para criar esse personagem, precisei enfrentar o mestre do tabuleiro em uma dúzia de jogadas de dados. Não lembro qual era o livro de regras que o mestre usava.

Foi aí que conheci os personagens que são famosos em animes, filmes e quadrinhos: elfos, ogros, goblins, magos, assassinos, mercenários, cavaleiros, ladrões,  e toda a sorte de criaturas místicas. Também conheci as regras dos jogos de tabuleiro, do jogo de dados, da estratégia ao vencer e ao perder nos dados. Um universo complexo e fascinante. Demos muitas gargalhadas com as missões  e as emboscadas que o Igor nos colocava. Eu senti que ele estava determinado a matar meu personagem (rs).

Ao assistir a Goblin Slayer, eu retornei a este tempo de jogos de tabuleiro. E vi que muitos estavam se indagando sobre a real força dos goblins mostrados na série. Por enquanto, eles são do tipo comum. Acredito que outros maiores irão aparecer. Os do tipo comum, apesar de serem pequenos e fracos, se pegos individualmente, sua força de combate aumenta quando estão em grupo, assim como sua confiança. Digamos que eles são a personificação do “juntos venceremos”.

Apesar da descrença que tomou posse de algumas mentes, acreditem, um grupo grande de goblins consegue aniquilar exércitos. Eles são como as formigas africanas. Separadas, as formigas são fracas, mas, quando estão em grupo, nem aracnídeos conseguem se livrar delas. 

Não veja o vídeo abaixo se for menor de idade. Não abra este vídeo se for menor ou for sensível!



Se a série tratar de outros tipos de goblins, e acredito que vai, a coisa complicará muito para os heróis. E o Orcbolg está certo, não tem essa de goblin bonzinho. O verdadeiro goblin é esse mostrado na série. Aprecie com moderação (rs) e assista de maneira oficial via Crunchyroll.

  

Texto besta escrito no dia 08/11/2018.

Postagens mais visitadas deste blog

Outros Papos Indica: O Cérebro que se Transforma

Norman Doidge é psiquiatra, psicanalista e pesquisador da Columbia University Center of Psychoanlytic Training and Research, em New York, e também psiquiatra da Universidade de Toronto (Canadá). Ele é o autor deste livro que indico a leitura. O livro, segundo o próprio editor, “reúne casos que detalham o progresso surpreendente de pacientes” que demonstram como o cérebro consegue ser plástico e mutável. Pacientes como Bárbara que, apesar da assimetria cerebral grave, na qual existia retardo em algumas funções e avanço em outras, conseguiu se graduar e pós-graduar. Um espanto para quem promove a teoria de que o cérebro humano é um órgão estático, com pouca ou nenhuma capacidade de se adaptar. “ Creio que a ideia de que o cérebro pode mudar sua própria estrutura e função por intermédio do pensamento e da atividade é a mais importante alteração em nossa visão desse órgão desde que sua anatomia fundamental e o funcionamento de seu componente básico, o neurônio, foram esboçados pela p

TOP 3 de séries que merecem remake!

 Existem muitas séries da década de 90, na minha opinião, que mereciam um remake (manter a obra original, apenas contando novamente a história, com a tecnologia atual disponível). Vou citar aqui 3 delas. Estas séries foram escolhidas, pois são séries que ainda mexem comigo, que ainda gosto e que ainda lembro delas como se tivesse as assistido ontem. Esse foi o critério de seleção para esse simples TOP 3, de séries da década de 90, que mereciam um remake.  Oh My Goddess A série mesmo começou em 1988, encerrando-se em 2014, contendo um total de 48 volumes. Ela entra na lista por conta do seu primeiro OVA, lançado em 1993, cabendo perfeitamente nessa lista. A animação realizada pelo studio AIC foi uma das mais belas que já vi e promoveu a criação de outras séries, sendo que a última, se não me engano, terminou em 2013, com outro OVA. Já se passaram quase 10 anos desde a sua conclusão. Um remake dessa série, contando-a do começo a o fim, seria uma ótima celebração. O mangá vendeu mais de 4

Antologia Scortecci 40 Anos!

Antologia para edição especial de aniversário de 40 anos da Scortecci editora, para a 26ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo (2022) e, enfim, para ser a edição comemorativa dos 100 anos da Semana de Arte Moderna. Como as poesias já fazem parte desse blog, não faria sentido reescrevê-las, então, deixo aqui cópias das páginas da minha colaboração. Foi uma honra poder ter participado de tão nobre edição comemorativa. Obrigado pela oportunidade.     Primeira parte: Segunda parte: