Pular para o conteúdo principal

Intervenção Federal no Rio




Quando o mal se erguer contra o indefeso;
Que a arma da justiça o defenda, que ele saia ileso.
Os punhos cerrados contra a violência parece ser uma contradição;
Não é! Não existe diálogo contra o crime e a contravenção.

Eles matam, pois a vítima está desarmada;
Não existe chance de resistir a esta investida desalmada;
Eles riem da justiça. A consideram fraca.
A população sofre com isto. Raca!

Que a justiça se fortaleça!
Que a lei se engrandeça!
Que o crime estremeça!
Que a população veja o resultado depressa!

Quando o mal se erguer contra o indefeso;
Que a arma da justiça o defenda, que ele saia ileso.
Salve, nossos soldados!
Obrigado pelo combate, honrados!

Aqui vai um desabafo contra o “mimimi” da OAB, que tem se posicionando contra a intervenção federal no Rio de Janeiro. Aqui, aonde moro, eu tenho cadastro com foto e documentos registrados junto à portaria. Então, todos os moradores daqui tiveram que tirar foto e deixar documentos de identificação. É assim que se controla a segurança de um ambiente: identificando moradores. Não há nada de ruim nisso. Deixa de choro! Ailton Benedito[1], procurador da República no MPF, escreveu em sua conta no Twitter: “OAB do RJ afirma que a identificação dos moradores das favelas pelo Exército é inconstitucional. Mas inconstitucional, ilegal, criminosa é a submissão daquela população a ameaças, a violências, ao terrorismo de organizações paramilitares do crime. Sobre isso, a OAB se cala”.

Deixo abaixo um vídeo da série Gate, só para inserir um anime mesmo. É aquele vídeo que já coloquei aqui no  blog várias vezes. É o exemplo perfeito da ação do exército, quando vê um cidadão indefeso. Eles agem em defesa do povo!


[1] Conta no Twitter: https://twitter.com/AiltonBenedito




Postagens mais visitadas deste blog

Outros Papos Indica: O Cérebro que se Transforma

Norman Doidge é psiquiatra, psicanalista e pesquisador da Columbia University Center of Psychoanlytic Training and Research, em New York, e também psiquiatra da Universidade de Toronto (Canadá). Ele é o autor deste livro que indico a leitura. O livro, segundo o próprio editor, “reúne casos que detalham o progresso surpreendente de pacientes” que demonstram como o cérebro consegue ser plástico e mutável. Pacientes como Bárbara que, apesar da assimetria cerebral grave, na qual existia retardo em algumas funções e avanço em outras, conseguiu se graduar e pós-graduar. Um espanto para quem promove a teoria de que o cérebro humano é um órgão estático, com pouca ou nenhuma capacidade de se adaptar. “ Creio que a ideia de que o cérebro pode mudar sua própria estrutura e função por intermédio do pensamento e da atividade é a mais importante alteração em nossa visão desse órgão desde que sua anatomia fundamental e o funcionamento de seu componente básico, o neurônio, foram esboçados pela p

TOP 3 de séries que merecem remake!

 Existem muitas séries da década de 90, na minha opinião, que mereciam um remake (manter a obra original, apenas contando novamente a história, com a tecnologia atual disponível). Vou citar aqui 3 delas. Estas séries foram escolhidas, pois são séries que ainda mexem comigo, que ainda gosto e que ainda lembro delas como se tivesse as assistido ontem. Esse foi o critério de seleção para esse simples TOP 3, de séries da década de 90, que mereciam um remake.  Oh My Goddess A série mesmo começou em 1988, encerrando-se em 2014, contendo um total de 48 volumes. Ela entra na lista por conta do seu primeiro OVA, lançado em 1993, cabendo perfeitamente nessa lista. A animação realizada pelo studio AIC foi uma das mais belas que já vi e promoveu a criação de outras séries, sendo que a última, se não me engano, terminou em 2013, com outro OVA. Já se passaram quase 10 anos desde a sua conclusão. Um remake dessa série, contando-a do começo a o fim, seria uma ótima celebração. O mangá vendeu mais de 4

Antologia Scortecci 40 Anos!

Antologia para edição especial de aniversário de 40 anos da Scortecci editora, para a 26ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo (2022) e, enfim, para ser a edição comemorativa dos 100 anos da Semana de Arte Moderna. Como as poesias já fazem parte desse blog, não faria sentido reescrevê-las, então, deixo aqui cópias das páginas da minha colaboração. Foi uma honra poder ter participado de tão nobre edição comemorativa. Obrigado pela oportunidade.     Primeira parte: Segunda parte: