Pular para o conteúdo principal

Troféu Didi Mocó, Clichês & Boku no Hero!


Drops

Troféu Didi Mocó



Quem acompanhou Os Trapalhões na Globo, conhece o personagem Didi Mocó, interpretado por Renato Aragão. Ele era preguiçoso, malandro, adorava não trabalhar, armava para cima dos amigos e sempre se saía bem das confusões. Em Akashic Records, vimos um professor com as mesmas características. Professor Glenn, obrigado por me lembrar deste maravilhoso personagem da minha infância. O Troféu Didi Mocó é seu com orgulho! abaixo a abertura da série também disponível via Crunchyroll.






Boku No Hero Academia (Crunchyroll)




Finalmente, chegou ao Brasil, via Crunchyroll, a série My Hero Academia. Coloquei em dia os episódios essenciais e estou gostando muito do enredo. Futuramente, vou até elogiar a série, pois tenho me divertido muito com ela,  entretanto, um dos arcos da série me lembrou um clichê que vou explicar abaixo.


Clichês

Clichê é uma estrutura narrativa que serve como base para a construção de um enredo, assim como um esqueleto serve como sustentação para o corpo. Clichês são eficientes e se repetem em diversas histórias. Se bem usado torna o enredo muito interessante, se mal usado ele se torna sem criatividade e chato. Um clichê comum em mangás e animês é o maldito 1º Torneio, ou Festival ou Campeonato. Ele se tornou maldito, porque o herói sempre perde este campeonato, caso o clichê seja respeitado. Exemplos de séries nas quais o personagem falhou no seu primeiro campeonato: Pokemon, Ace no Diamond, Kuroko No Basket, Boku No Hero Academia e Little Witch Academia (série).

No caso de Boku No Hero, eu nem terminei de assistir ao campeonato, de tão chato que esse clichê se tornou, apesar do torneio em si ter sido bem nteressante. O curioso é que em Boku no Hero, como em Kuroko e Ace no Diamond, o personagem mais babaca ganha o torneio. Isso está tão desgastante e ridículo que, quando for noticiado, em qualquer série, que o personagem terá seu primeiro torneio, eu não vou assistir. Vou esperar a conclusão do mesmo e, dependendo do resultado, vejo em maratona ou me mantenho afastado.  Apesar disso, Boku no Hero tem uma história cativante e personagens super carismáticos. Faz sucesso merecido, pois é bem caprichado. Eu recomendo a série, pelos seus outros arcos. 


Postagens mais visitadas deste blog

Outros Papos Indica: O Cérebro que se Transforma

Norman Doidge é psiquiatra, psicanalista e pesquisador da Columbia University Center of Psychoanlytic Training and Research, em New York, e também psiquiatra da Universidade de Toronto (Canadá). Ele é o autor deste livro que indico a leitura. O livro, segundo o próprio editor, “reúne casos que detalham o progresso surpreendente de pacientes” que demonstram como o cérebro consegue ser plástico e mutável. Pacientes como Bárbara que, apesar da assimetria cerebral grave, na qual existia retardo em algumas funções e avanço em outras, conseguiu se graduar e pós-graduar. Um espanto para quem promove a teoria de que o cérebro humano é um órgão estático, com pouca ou nenhuma capacidade de se adaptar. “ Creio que a ideia de que o cérebro pode mudar sua própria estrutura e função por intermédio do pensamento e da atividade é a mais importante alteração em nossa visão desse órgão desde que sua anatomia fundamental e o funcionamento de seu componente básico, o neurônio, foram esboçados pela p

TOP 3 de séries que merecem remake!

 Existem muitas séries da década de 90, na minha opinião, que mereciam um remake (manter a obra original, apenas contando novamente a história, com a tecnologia atual disponível). Vou citar aqui 3 delas. Estas séries foram escolhidas, pois são séries que ainda mexem comigo, que ainda gosto e que ainda lembro delas como se tivesse as assistido ontem. Esse foi o critério de seleção para esse simples TOP 3, de séries da década de 90, que mereciam um remake.  Oh My Goddess A série mesmo começou em 1988, encerrando-se em 2014, contendo um total de 48 volumes. Ela entra na lista por conta do seu primeiro OVA, lançado em 1993, cabendo perfeitamente nessa lista. A animação realizada pelo studio AIC foi uma das mais belas que já vi e promoveu a criação de outras séries, sendo que a última, se não me engano, terminou em 2013, com outro OVA. Já se passaram quase 10 anos desde a sua conclusão. Um remake dessa série, contando-a do começo a o fim, seria uma ótima celebração. O mangá vendeu mais de 4

Antologia Scortecci 40 Anos!

Antologia para edição especial de aniversário de 40 anos da Scortecci editora, para a 26ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo (2022) e, enfim, para ser a edição comemorativa dos 100 anos da Semana de Arte Moderna. Como as poesias já fazem parte desse blog, não faria sentido reescrevê-las, então, deixo aqui cópias das páginas da minha colaboração. Foi uma honra poder ter participado de tão nobre edição comemorativa. Obrigado pela oportunidade.     Primeira parte: Segunda parte: