Pular para o conteúdo principal

Alguns hospitais em Porto Alegre não respeitam o acompanhante!


Hospitais de Porto Alegre e os acompanhantes



Eu me mudei recentemente para Porto Alegre. Ainda não completei um ano de minha mudança, portanto, sou morador recente, mas já percebi um erro no atendimento a urgência/emergência em alguns hospitais particulares da região. Eu precisei de atendimento no meu primeiro mês, fui até o hospital próximo à minha casa, com minha mãe me auxiliando. Ao chegar no hospital, fui informado que havia uma espera de horas para o atendimento. Quando fui encaminhado para dentro do pronto socorro, tomei outro choque, pois o acompanhante não podia entrar e participar da consulta. Eles violam a lei e colocam em risco a vida do paciente. Eu sou uma pessoa extremamente alérgica, estava quase desmaiando, totalmente tonto, e minha mãe poderia responder a questões cruciais em meu lugar, entretanto, ela não pôde entrar comigo no consultório.  Não revelo o nome do hospital para evitar maiores transtornos para mim.

Ministério da Saúde
PORTARIA Nº 1.820, DE 13 DE AGOSTO DE 2009
Art. 4º Toda pessoa tem direito ao atendimento humanizado e acolhedor, realizado por profissionais qualificados, em ambiente limpo, confortável e acessível a todos
V - o direito a acompanhante, pessoa de sua livre escolha, nas consultas e exames;
VI - o direito a acompanhante, nos casos de internação, nos casos previstos em lei, assim como naqueles em que a autonomia da pessoa estiver comprometida;

Desrespeitaram a portaria acima e colocaram minha vida em risco. Eu ainda tinha um pouco de força de vontade e a fiz minha ferramenta para resistir. Mesmo tonto e fraco, perguntei se minha mãe não poderia ficar comigo e me foi respondido que não. Decidi juntar forças e sair. Fui tratado em casa, por um vizinho maravilhoso que é médico e, tomado por grande espírito humanitário, tratou de mim. Ainda bem, deu tudo certo. Depois disso, resolvi assinar um sistema de urgência em domicílio para evitar ao máximo ter que usar as emergências em Porto Alegre, que estão superlotadas e que infringem portarias e desrespeitam paciente e acompanhante.   Em Brasília, o atendimento em urgência/emergência permite a entrada do acompanhante junto com o paciente e isso é o certo.

Cremesp- GUIA DA RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE - 2001:
“Acompanhante
O paciente tem o direito de ser acompanhado por pessoa por ele indicada, se assim desejar, nas consultas, internações, exames pré-natais e no momento do parto; receber do profissional adequado, presente no local, auxílio imediato e oportuno para a melhoria do conforto e bem-estar.”

Até o presente momento, hospitais com os quais entrei em contato não responderam às minhas perguntas. Deixo aqui vídeo útil do Einstein (SP) que é relacionado com o tema aqui abordado.


Postagens mais visitadas deste blog

Outros Papos Indica: O Cérebro que se Transforma

Norman Doidge é psiquiatra, psicanalista e pesquisador da Columbia University Center of Psychoanlytic Training and Research, em New York, e também psiquiatra da Universidade de Toronto (Canadá). Ele é o autor deste livro que indico a leitura. O livro, segundo o próprio editor, “reúne casos que detalham o progresso surpreendente de pacientes” que demonstram como o cérebro consegue ser plástico e mutável. Pacientes como Bárbara que, apesar da assimetria cerebral grave, na qual existia retardo em algumas funções e avanço em outras, conseguiu se graduar e pós-graduar. Um espanto para quem promove a teoria de que o cérebro humano é um órgão estático, com pouca ou nenhuma capacidade de se adaptar. “ Creio que a ideia de que o cérebro pode mudar sua própria estrutura e função por intermédio do pensamento e da atividade é a mais importante alteração em nossa visão desse órgão desde que sua anatomia fundamental e o funcionamento de seu componente básico, o neurônio, foram esboçados pela p

TOP 3 de séries que merecem remake!

 Existem muitas séries da década de 90, na minha opinião, que mereciam um remake (manter a obra original, apenas contando novamente a história, com a tecnologia atual disponível). Vou citar aqui 3 delas. Estas séries foram escolhidas, pois são séries que ainda mexem comigo, que ainda gosto e que ainda lembro delas como se tivesse as assistido ontem. Esse foi o critério de seleção para esse simples TOP 3, de séries da década de 90, que mereciam um remake.  Oh My Goddess A série mesmo começou em 1988, encerrando-se em 2014, contendo um total de 48 volumes. Ela entra na lista por conta do seu primeiro OVA, lançado em 1993, cabendo perfeitamente nessa lista. A animação realizada pelo studio AIC foi uma das mais belas que já vi e promoveu a criação de outras séries, sendo que a última, se não me engano, terminou em 2013, com outro OVA. Já se passaram quase 10 anos desde a sua conclusão. Um remake dessa série, contando-a do começo a o fim, seria uma ótima celebração. O mangá vendeu mais de 4

Antologia Scortecci 40 Anos!

Antologia para edição especial de aniversário de 40 anos da Scortecci editora, para a 26ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo (2022) e, enfim, para ser a edição comemorativa dos 100 anos da Semana de Arte Moderna. Como as poesias já fazem parte desse blog, não faria sentido reescrevê-las, então, deixo aqui cópias das páginas da minha colaboração. Foi uma honra poder ter participado de tão nobre edição comemorativa. Obrigado pela oportunidade.     Primeira parte: Segunda parte: