Pular para o conteúdo principal

Interviews With Monster Girls como ferramenta de apoio ao trabalho psicológico


Interviews With Monster Girls
O trabalho de aceitação de diferenças

Para um psicólogo é difícil explicar para pré-adolescentes e adolescentes sobre as diferenças que cada um de nós possui e fazê-los se abrirem em caso de necessitarem de tratamento especial. Para tanto, um especialista em tratamento infanto-juvenil e juvenil  necessita de ferramentas para acessar o mundo interior de cada uma deles. Recorrem a desenhos, músicas, brincadeiras e filmes, logo, Interviews With Monster Girls, capítulos 1 ao 3, pode ser mais uma ferramenta usada para lidar com diferenças peculiares.

As peculiaridades apresentadas neste desenho são atípicas e baseadas em contos de terror, mas, talvez por isso mesmo, como são apresentadas de maneira cômica e extremamente leve, façam o efeito desejado para o início de trabalho com pessoas que precisem de ajuda. Em um início, não choca por apresentar especificidades que não são tradicionais e por ser uma animação, mas o inconsciente começará a relacioná-las com especificidades que vemos diariamente. É neste ponto que o profissional deverá apresentar demais ferramentas para o apoio ao trabalho. Veja a seguir alguns pontos importantes que a série toca e que podem ser relacionados com problemas reais.

Fonte: Anime News Network


Hikari e Himari
Uma vampira com irmã gêmea humana é apresentada já inicialmente. Neste aspecto, o autor relaciona o vampirismo como uma espécie de anemia aliada a pouca resistência ao sol. Como uma irmã possui o vampirismo e a outra não, o pré-adolescente e adolescente, devidamente orientados, começarão a trabalhar as diferenças e perceber que diferentes podem se relacionar (caso irmã-irmã vampira). Percebi utilidade neste aspecto para lidar com irmãos com diferenças e relações familiares. Também pode demonstrar o valor do individualismo e da força de cada uma, pois Hikari ultrapassa a barreira de sua especificidade e faz disso seu elo de ligação com o mundo que a cerca. O vampirismo nesse sentido também pode ser relacionado com problemas sanguíneos, e a força de vontade e a alegria da personagem podem servir como estímulo para ajudar jovens em tais situações. Hikari é uma fonte de alegria e energia e isso pode ter efeito benéfico para o tratamento.

Kyôko Machi
O segundo caso apresentado é de uma Dullahan (uma gentil mulher sem cabeça). O aspecto interessante que pode ser fortalecido com este personagem é a relação que se pode fazer dela com indivíduos com limitação de movimentos. Ele precisa adaptar-se ao mundo que a cerca e que não está preparado para ela. Na hora da alimentação, do banho ou de carregar o material escolar, Machi precisa se adaptar ao seu ambiente, por necessitar ter que carregar a sua cabeça, todavia ela é apresentada como uma garota gentil, ativa, apaixonada e que sabe lidar com estes problemas de limitação e seguir a vida adiante. Os colegas de classe, neste ponto da história, parecem não conseguir lidar com a sua situação física, mas isso não impede que ela se relacione. A força dela em lidar com estes problemas, bem como as soluções que ela encontra para realizar atividades cotidianas, são ótimas ferramentas para que o indivíduo comece a trabalhar seu interior e buscar suas próprias forças para lidar com problemas físicos reais. Provavelmente, ela é a que tem uma peculiaridade mais próxima de nosso mundo real. Em questão de metáforas e símbolos,  o exemplo dela também serve para fazer com que indivíduos que socializam com pessoas com deficiência se esforcem para saber lidar com isso. Eu lembro que, no meu colégio, um aluno como paralisia cerebral foi transferido. Eu queria fazer amizade, mas não sabia como chegar a ele e como conversar com ele. Esta Dullahan pode ser uma ferramenta para o profissional também trabalhar este aspecto do cotidiano. No meu caso em particular, consegui criar amizade com ele.

Sakie Satou
No terceiro capítulo, vemos a história da professora que não se relaciona com ninguém fisicamente por ser uma súcubo. Novamente, a série mostra o esforço da personagem em lidar com sua diferença e se inserir em seu cotidiano. Como forte mensagem que esta personagem fictícia nos passa é que, se uma súcubo consegue ser professora de matemática, isso mostra que os problemas de nascença não são obstáculos para que a pessoa não se desenvolva.  O personagem pode vir a ajudar no tratamento comportamental, uma vez que a personagem e a peculiaridade estão inseridas no campo da sexualidade. Para a súcubo era impossível lidar com sua condição sexual (ela possui um corpo que emite muita essência afrodisíaca, ou seja, qualquer homem que chegue perto, e a toque, fica excitado) e ela se afastava de todos.

Ela se afastava, pois ela desejava encontrar um amor verdadeiro, porém, a essência súcubo atrapalhava. Ela não sabia dizer se a pessoa realmente gostava dela, ou se estava apenas sob o efeito da metade súcubo. E isso começou a mudar ao conhecer o personagem que anda interligando todas as histórias- o professor Takahashi.  Excelente material para começar a trabalhar sexualidade reprimida, ou o desejo por fetiches que impeçam a pessoa de demonstrar seus reais sentimentos para com o parceiro.

Conclusão e sinopse
O trabalho como um todo tem uma mensagem interessante de respeito a si e ao outro, autossuficiência, limitações, despertar da sexualidade e integração social. Acredito que possa ser uma ferramenta poderosa para o trabalho de conscientização interior e trabalho de diferenças. Por isso, divulgo-o desta forma. Mais para frente eu farei um texto sobre o capítulo 4, pois ele demonstra atividades em grupo, como a terapia do abraço.

Interviews With Monster Girls (Exibido via Crunchyroll com legendas em português) tem sinopse no site que diz: “Súcubos, dullahans, garotas da neve e vampiras... Somos demi-humanas, um pouco diferente das humanas. Hoje em dia, costumam nos chamar de "demis." Esta é uma estimulante e cativante comédia escolar envolvendo "demis" bastante únicas e Tetsuo Takahashi, um professor de colegial bastante interessado em aprender sobre suas vidas e hábitos”.



Postagens mais visitadas deste blog

Outros Papos Indica: O Cérebro que se Transforma

Norman Doidge é psiquiatra, psicanalista e pesquisador da Columbia University Center of Psychoanlytic Training and Research, em New York, e também psiquiatra da Universidade de Toronto (Canadá). Ele é o autor deste livro que indico a leitura. O livro, segundo o próprio editor, “reúne casos que detalham o progresso surpreendente de pacientes” que demonstram como o cérebro consegue ser plástico e mutável. Pacientes como Bárbara que, apesar da assimetria cerebral grave, na qual existia retardo em algumas funções e avanço em outras, conseguiu se graduar e pós-graduar. Um espanto para quem promove a teoria de que o cérebro humano é um órgão estático, com pouca ou nenhuma capacidade de se adaptar. “ Creio que a ideia de que o cérebro pode mudar sua própria estrutura e função por intermédio do pensamento e da atividade é a mais importante alteração em nossa visão desse órgão desde que sua anatomia fundamental e o funcionamento de seu componente básico, o neurônio, foram esboçados pela p

TOP 3 de séries que merecem remake!

 Existem muitas séries da década de 90, na minha opinião, que mereciam um remake (manter a obra original, apenas contando novamente a história, com a tecnologia atual disponível). Vou citar aqui 3 delas. Estas séries foram escolhidas, pois são séries que ainda mexem comigo, que ainda gosto e que ainda lembro delas como se tivesse as assistido ontem. Esse foi o critério de seleção para esse simples TOP 3, de séries da década de 90, que mereciam um remake.  Oh My Goddess A série mesmo começou em 1988, encerrando-se em 2014, contendo um total de 48 volumes. Ela entra na lista por conta do seu primeiro OVA, lançado em 1993, cabendo perfeitamente nessa lista. A animação realizada pelo studio AIC foi uma das mais belas que já vi e promoveu a criação de outras séries, sendo que a última, se não me engano, terminou em 2013, com outro OVA. Já se passaram quase 10 anos desde a sua conclusão. Um remake dessa série, contando-a do começo a o fim, seria uma ótima celebração. O mangá vendeu mais de 4

Antologia Scortecci 40 Anos!

Antologia para edição especial de aniversário de 40 anos da Scortecci editora, para a 26ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo (2022) e, enfim, para ser a edição comemorativa dos 100 anos da Semana de Arte Moderna. Como as poesias já fazem parte desse blog, não faria sentido reescrevê-las, então, deixo aqui cópias das páginas da minha colaboração. Foi uma honra poder ter participado de tão nobre edição comemorativa. Obrigado pela oportunidade.     Primeira parte: Segunda parte: