Pular para o conteúdo principal

Outros Papos Guru- Futuro do Otter Media e do CR

Outros Papos Guru
O Futuro da Otter Media



A Otter Media é uma venture entre dois grandes grupos corporativos, o grupo da AT&T e o Chernin Group. Essa venture entrou em minha vida ao comprar a maioria das ações do Crunchyroll, que é o portal de streaming que uso com frequência para assistir às minhas animações japonesas (animê). E, com isso, fiquei curioso para saber qual o caminho que eles irão trilhar e o futuro que eles construirão. Eu mesmo, como já estudei Administração de Empresas na UDF (1996-1998), faço esse exercício mental com alegria, para me manter em forma. Assim sendo, criei esse tópico “Estratégias para a expansão do CR” em dezembro de 2014.  Nele, eu cito alguns caminhos que poderiam seguir. Foco em dois aspectos lá citados:

1- Uma venture com uma empresa de distribuição de mídia física (blu-ray disc e DVD disc), para aumentar a possibilidade e vantagens no contrato com as licenciadoras e, assim, bater de frente com a Funimation. E, de fato, algo assim está para ocorrer, como nos mostra esse artigo: “Crunchyroll And Discotek Media Partner For Home Video Release Of Select Titles”. Na verdade, acredito que uma venture com a Diamond Films poderia ser mais vantajosa, pois é uma empresa bem distribuída na América Latina, com conhecimento em animês, e que possui a possibilidade de lançamento de animês em sala de cinema. Imaginem ver uma venture entre o Crunchyroll e a Diamond Films nos trazendo, aos cinemas de toda a América Latina, filmes animados? Ia ser incrível.

2- O uso de parte dos 500 milhões para criar uma plataforma em VOD para a televisão paga, que permita ao CR vincular seus títulos a uma grande empresa. O grupo da AT&T é dona da Directv (página 52) e possui 38% das ações da Otter Media (página 55), como nos mostra o seu relatório anual 2014, assim sendo, eles possuem experiência e tecnologia para fazer isso.

Para esse segundo ponto, ficou claro que essa possibilidade é grande. Se a matéria do Fast Company estiver correta, The World's Top 10 Most Innovative Companies Of 2015 In Hollywood, “It is now building its own platform, which it plans on leveraging via AT&T’s massive base of cable, mobile, and broadband subscribers. All of this portends a viable alternative to YouTube, long the dominant online video service. "Combining our expertise in network infrastructure, mobile, broadband, and video, with the Chernin Group’s management and expertise in content, distribution, and monetization models in online video creates the opportunity for us to develop a compelling offering in the OTT space," John Stankey, chief strategy officer at AT&T, has said.”

Ou seja, enquanto o Chernin Group fica responsável pela criação de conteúdo, com a aquisição de empresas criativas (Rooster Teeth, Crunchyroll, Fullscreen, Creativebug) e implementação de conteúdo original, a AT&T fica responsável pela parte técnica do negócio, com a infraestrutura para levar o conteúdo para os espectadores. Nesse sentido, fica mais fácil perceber que existe a possibilidade de, um dia, o Crunchyroll ser um canal VOD da Directv. Não me surpreenderia se isso ocorresse mesmo.

Chernin explica o objetivo do Chernin Group, em entrevista a CNBC- Peter Chernin on future of media, Twitter & AmEx, escrita por Julia Boorstin (@JBoorstin), e que cito nesse parágrafo. Lá, ele comenta a visão da empresa para o futuro: “But where Chernin is investing most is in content that will hold value no matter what happens to the bundle. "I believe that the fastest-growing area of the biz is what I would call mid-tier premium digital, which is certainly what we're trying to focus on with Fullscreen [one of Otter Media's investments]. Movies in the 4-5 million range, TV shows in the $400,000 to $500,000 an episode, I think will be a huge opportunity going forward."


Guru- o Futuro Provável

Então, vou avançar mais um pouco na minha previsão, e vou estabelecer, mediante o que já foi feito, uma nova rota para a empresa. Faço isso apenas como exercício mental. AT&T ficará à cargo da infraestrutura, enquanto o Chernin Group constrói conteúdo. Já foi noticiado que Branon Coluccio foi designado para ser diretor de conteúdo original para o Crunchyroll, segundo o site Stream Daily TV, em matéria: “Crunchyroll taps new head of original content”. Lá está escrito que o “Crunchyroll, a streaming service specializing in Japanese programming, announced on Thursday it has appointed Branon Coluccio as its head of original content. Coluccio will be tasked with cultivating Japanese IP, incorporating feedback from the Crunchyroll community and developing the properties for a worldwide audience.”


Em resumo, ao que parece, a função de Coluccio é bem objetiva e está dentro da linha de raciocínio do grupo e me faz afirmar que o Crunchyroll pode ter, em pouco tempo, produções próprias, algo que vai além de Hypersonic Music Club. Quem sabe, o Crunchyroll comece a produzir animações próprias.  A descrição do cargo dele me faz crer que ele não apenas negociará títulos novos, mas pode ser responsável por conteúdo realmente original. Já o grupo, no qual o CR está inserido, possui ferramentas para se criar algo nesse sentido. Veja abaixo.


Nesse sentido, estou prevendo o seguinte:

1º- AT&T implementará tecnologia para construir uma base que una todo o conteúdo produzido. Em primeiro momento, tudo pode estar sendo planejado para agregar conteúdo ao Second.Tv, ou seja, o CR poderá ser um canal independente dentro desse portal maior. Após a estruturação desse portal, e seu amadurecimento, o AT&T poderá implementar cada um desses canais como VOD da Directv.

2º- Chernin Group também ficou como parte da diretoria da American Express, como mostra a reportagem da CNBC, o que indica a possibilidade de financiamento de conteúdo original para o grupo. Dessa forma, o Crunchyroll pode ganhar mais força para criar conteúdo original de qualidade.

3º- Crunchyroll poderá rever parcerias, instaurar novos contratos e ampliar seus horizontes, sendo, além de um portal de streaming, um produtor, licenciador e um distribuidor de conteúdo asiático.


Dessa forma, acredito que tanto o Otter Media, como o Crunchyroll tem tudo para estabelecer e dominar o mercado de conteúdo digital, em especial o conteúdo asiático.



Novamente, essas são apenas previsões minhas baseadas no que já foi feito.

E, porque investir em animação japonesa? O Anime News responde, ao afirmar na reportagem Japan's Animation Industry Reached Record High in 2013: “stating the market for domestic and foreign animation in Japan reached 242.8 billion yen (about US$2.03 billion) over the course of the year 2013. According to the institute, this is a record high for the industry, topping 2006's 241.5 billion yen (about US$2.02 billion at current exchange rate).”  Ou seja, é um mercado que envolve bilhões de dólares, então, qual grupo não gostaria de dominar esse mercado?



Postagens mais visitadas deste blog

Outros Papos Indica: O Cérebro que se Transforma

Norman Doidge é psiquiatra, psicanalista e pesquisador da Columbia University Center of Psychoanlytic Training and Research, em New York, e também psiquiatra da Universidade de Toronto (Canadá). Ele é o autor deste livro que indico a leitura. O livro, segundo o próprio editor, “reúne casos que detalham o progresso surpreendente de pacientes” que demonstram como o cérebro consegue ser plástico e mutável. Pacientes como Bárbara que, apesar da assimetria cerebral grave, na qual existia retardo em algumas funções e avanço em outras, conseguiu se graduar e pós-graduar. Um espanto para quem promove a teoria de que o cérebro humano é um órgão estático, com pouca ou nenhuma capacidade de se adaptar. “ Creio que a ideia de que o cérebro pode mudar sua própria estrutura e função por intermédio do pensamento e da atividade é a mais importante alteração em nossa visão desse órgão desde que sua anatomia fundamental e o funcionamento de seu componente básico, o neurônio, foram esboçados pela p

TOP 3 de séries que merecem remake!

 Existem muitas séries da década de 90, na minha opinião, que mereciam um remake (manter a obra original, apenas contando novamente a história, com a tecnologia atual disponível). Vou citar aqui 3 delas. Estas séries foram escolhidas, pois são séries que ainda mexem comigo, que ainda gosto e que ainda lembro delas como se tivesse as assistido ontem. Esse foi o critério de seleção para esse simples TOP 3, de séries da década de 90, que mereciam um remake.  Oh My Goddess A série mesmo começou em 1988, encerrando-se em 2014, contendo um total de 48 volumes. Ela entra na lista por conta do seu primeiro OVA, lançado em 1993, cabendo perfeitamente nessa lista. A animação realizada pelo studio AIC foi uma das mais belas que já vi e promoveu a criação de outras séries, sendo que a última, se não me engano, terminou em 2013, com outro OVA. Já se passaram quase 10 anos desde a sua conclusão. Um remake dessa série, contando-a do começo a o fim, seria uma ótima celebração. O mangá vendeu mais de 4

Antologia Scortecci 40 Anos!

Antologia para edição especial de aniversário de 40 anos da Scortecci editora, para a 26ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo (2022) e, enfim, para ser a edição comemorativa dos 100 anos da Semana de Arte Moderna. Como as poesias já fazem parte desse blog, não faria sentido reescrevê-las, então, deixo aqui cópias das páginas da minha colaboração. Foi uma honra poder ter participado de tão nobre edição comemorativa. Obrigado pela oportunidade.     Primeira parte: Segunda parte: