Pular para o conteúdo principal

OP indica TBS no Youtube

Revisão: ChatGPT A Salad Bowl of Eccentrics! Indico mais um canal japonês com uma abertura realmente boa, embora não tenha conseguido uma posição de destaque na minha lista. Ela é divertida e um tanto alucinada. Achei criativo como os personagens animados interagem com o ambiente real, chegando a interferir nas funções de algumas máquinas. Também gostei muito do segmento ao estilo detetive/investigação policial que apresenta alguns personagens. É bastante excêntrico ver uma personagem feminina cantando um trecho da abertura, mas a voz que se ouve é do cantor oficial. Sem dúvida, é uma abertura muito criativa! Está sendo uma temporada bastante criativa! Ah, OP é Outros Papos! 【Elenco】 Sousuke Kaburaya: Makoto Furukawa Sara da Odin: Hina Yano Livia de Uudis: M・A・O Puriketsu: Haichi Daichi Mikami Moe: Akane Fujita Brenda Aizaki: Manami Numakura Yuna Naganawa: Yuuki Takada Haruka Kinoe: Mizuki Mano Isao Kusanagi: Yoji Ueda Takeo: Shinnosuke Tachibana Suzuki: Kousuke Toriumi 【Músicas Temáti

Crise Brasileira: Indústria Gráfica e Soluções

Crise Brasileira- Indústria Gráfica



Recebi, semana passada, a revista da Abigraf (março e abril de 2015) e fui dar uma olhada em suas páginas. Dentre as matérias, a que se destacou mais aos meus olhos foi o texto do Departamento de Estudos Econômicos da Abigraf, cujo título é “Resultados da Indústria Gráfica Brasileira em 2014”. Resolvi, após ler, que queria escrever sobre isso em dois momentos. Serão duas atualizações para o blog com o título “Crise Brasileira”. Nesse primeiro momento, um texto opinativo sobre a crise gráfica. No segundo momento, um texto mais genérico.

Como escritor que trabalhou com diversas editoras, que já foi membro da Câmara Brasileira do Livro, e que edita com certa frequência, eu tenho contato e simpatia pela indústria gráfica. Como vocês sabem, desde o meu texto sobre a crise da indústria de animês e mangás- “A decadência do mercado de animês e mangás no Brasil! Apontando possíveis soluções!”, que eu aponto o problema e tento dar uma contribuição para solucionar o dilema. Quero fazer o mesmo aqui.



Os Dados


O primeiro ponto a ser observado é que não houve um aumento no número total de estabelecimentos no país desde 2012. Desde 2012, também, que os parques gráficos estão diminuindo a mão de obra contratada. Nesse ponto, pensei que poderiam estar investindo em maquinários com a finalidade de reduzir a mão de obra e aumentar a produtividade. Os números de investimentos realizados mostram que não é bem assim. Em 2014, o investimento no setor não chegou nem perto da marca dos anos anteriores. Já a balança comercial está negativa desde 2010, pois tem-se importado mais que exportado, ou seja, tem saído mais dólar do que entrado.




O texto complementa o quadro ao afirmar que: “No acumulado de 2014, a indústria gráfica brasileira registrou queda de 2% na produção física em relação a 2013. O cálculo é da Associação Brasileira da Indústria Gráfica, com base em dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)”, concluindo que: “De maneira geral, o quadro não autoriza otimismos. A depreciação cambial continuará levando à retração no curto prazo e não há perspectiva de aumento da massa real de salário, fator determinante para o desempenho do setor. A projeção é de novo encolhimento para 2015, com recuo de 1,1% na produção”, diz Ceregato.”



Soluções


Não existe ineditismo no que vou escrever, pois são práticas já usadas, mas são soluções de fato. Na verdade, durante uma crise, temos que nos concentrar no básico, pois é ele que nos sustenta. Nesse sentido, divido a solução para grandes e pequenas empresas.


Para Grandes Empresas

Como podem ver, os dados do setor mostram um pessimismo quanto à realidade brasileira. E as palavras finais, com o medo da crise hídrica, ampliam o sentimento de negatividade, ao afirmar que: “Como agravantes, ele aponta os riscos de racionamento de água e de energia, além da ameaça de um efeito cascata do descrédito da Petrobras sobre a economia do País. Mas também acredita que a depreciação cambial será positiva no médio prazo, melhorando a competitividade e o potencial exportador da indústria gráfica, desde que o governo mantenha a disciplina fiscal e monetária para não pressionar a inflação.” Contudo, nesse trecho final, existe uma possibilidade para se vencer. 

O dólar está fechando acima dos R$3,00, ou seja, exportar produtos é uma saída para tornar-se competitivo. Saem produtos e entra dinheiro, contribuindo positivamente para a balança comercial do setor e do Brasil. É claro que, desde 2010, que a balança do setor não fica positiva, mas a estratégia da venda no exterior pode ser uma solução. Se for dono de um grande parque gráfico, foque-se em contratos no exterior. Garanta a produção com contratos internacionais.

Outra dica: não pegue financiamento, pois o governo ainda está com a tendência e necessidade de elevar (e manter) os juros, mas tente diversificar a produção. Fábio Sarje (presidente da Abigraf, seccional de Ribeirão Preto) indica que um setor da indústria está indo bem, que é o de comunicação visual (aqui) então, se houver a possibilidade de diversificar a produção e ingressar em mais de um setor dessa indústria, sem a necessidade de se pegar investimento, faça isso. Quanto mais diversificada for uma produção, mais difícil se torna o retorno negativo.


Para Pequenas Empresas

Caso seja dono de um pequeno parque gráfico, sem condições de competir em licitações e com empresas estrangeiras, o foco se dará no mercado interno e na internet. Nesse ponto, o foco deve ser o consumidor de seu produto. Venho com o exemplo de uma gráfica que criou uma associação de escritores. Com a quantidade certa de associados, a gráfica produz muitas antologias por ano. Isso dá ao parque gráfico o sustento necessário. Através da internet, a gráfica pode se associar a outros escritores e sindicatos em língua portuguesa ao redor do mundo, aumentando a possibilidade de vender seus produtos. Associar-se a sindicatos e grupos literários fará com que o parque gráfico não fique parado.


Quando escrito em chinês a palavra crise compõe-se de dois caracteres: um representa perigo e o outro representa oportunidade.- John Kennedy (UOL)

Postagens mais visitadas deste blog

Ghost in the Shell

Máquinas vivas; Um fantasma surge; O homem virtual. Ghost in the Shell está mais próximo do que pensamos! 

Boushoku no Berserk

Berserk of Gluttony: Uma Série Que É Meu "Pecado"! Boushoku no Berserk (Berserk of Gluttony) - Pictures - MyAnimeList.net Fate é um jovem que acreditava ter uma habilidade inútil chamada "Gula", que o mantinha constantemente faminto. Ele era um vassalo em uma casa de cavaleiros sagrados, onde era tratado com desdém, nutrindo uma paixão secreta pela cavaleira Roxy Hart. Ela destaca-se como a única guerreira nobre em um mundo dominado por cavaleiros que abusam de seu poder para oprimir o povo. Quando Fate acidentalmente mata um ladrão enquanto ajuda Roxy, ele descobre que sua habilidade de "Gula" vai além do que parecia. Esse evento o faz perceber os aspectos positivos e negativos de seu "pecado". Comprometido a proteger Roxy, ele decide usar seu poder em prol da casa daquela que sempre o tratou com humanidade e respeito. Baseada em uma novel escrita por Ichika Isshiki , com arte de fame , "Berserk of Gluttony" é serializada desde 2017,

Ciclos de revolução: A Quarta Revolução!

Ciclos de Revolução: A Quarta Revolução Revisão: ChatGPT Estamos vivenciando a quarta revolução industrial/tecnológica, e muito tem sido discutido sobre os potenciais danos que esta revolução pode causar ao tecido social, incluindo desemprego e outras adversidades. Procuro refletir sobre o futuro com base no passado, observando no presente os mesmos receios que nossos antepassados enfrentaram nas três revoluções industriais anteriores. Começo com uma conversa que tive com uma taxista, para então discorrer sobre algumas das revoluções passadas. Durante uma parada em uma lanchonete que estava instalando terminais de autoatendimento no último ano, tive uma conversa: “Taxista: --- Estão instalando essas máquinas para substituir trabalho humano. Muitos caixas estão perdendo seus empregos. Isso é o capitalismo! Eu: --- Por outro lado, a tecnologia, ao eliminar um posto de trabalho (caixa de atendimento), cria outras necessidades. A lanchonete precisará de profissionais para manutenção de sof