Pular para o conteúdo principal

Poema: Uma rosa é símbolo de força!

Uma rosa é um símbolo,

Símbolo de sentimentos e fragilidade,

Fragilidade com a qual não concordo,

Concordo com os espinhos e com a tenacidade!

 

Tenacidade, pois como semente recai em qualquer solo,

Solo árido, ou desértico, cimento ou pedra, ela floresce,

Floresce forte e nos brinda com seu encanto,

Encanto que é o verdadeiro símbolo.

 

Símbolo de vida que supera o mais árduo terreno,

Terreno derrotado que vê tal encanto crescer,

Crescer forte, bela e cheirosa.

Cheirosa como uma princesa.

 

Princesa, este é o símbolo da vida,

Vida que supera tudo e vence,

Vence graciosamente, um verdadeiro símbolo,

Símbolo de que a vida sempre florescerá, vencerá, não importa o solo!

 

COTIDIANO

 

Eu esqueço o nome desse tipo de arquitetura poética, de construção de poemas. Quem souber o nome, e origem, me informe. Desde a época do UOL que eu faço essa pergunta, mas até agora não consegui me lembrar da resposta correta. Deve ser a idade! J A última palavra, de cada verso, repete como primeira palavra do verso seguinte! E esse poema foi inspirado em algo que vi, na Seicho-no-ie e que me fez refletir muito. Uma planta superou o concreto, além do muro de pedras, e cresceu ali, viva e forte. Naquele instante percebi que uma rosa não poderia nunca ser símbolo de fragilidade, mas de tenacidade! A imagem que ilustra este poema é semelhante a que vi no templo e melhor trabalhada, por isso a uso!

Postagens mais visitadas deste blog

Outros Papos Indica: O Cérebro que se Transforma

Norman Doidge é psiquiatra, psicanalista e pesquisador da Columbia University Center of Psychoanlytic Training and Research, em New York, e também psiquiatra da Universidade de Toronto (Canadá). Ele é o autor deste livro que indico a leitura. O livro, segundo o próprio editor, “reúne casos que detalham o progresso surpreendente de pacientes” que demonstram como o cérebro consegue ser plástico e mutável. Pacientes como Bárbara que, apesar da assimetria cerebral grave, na qual existia retardo em algumas funções e avanço em outras, conseguiu se graduar e pós-graduar. Um espanto para quem promove a teoria de que o cérebro humano é um órgão estático, com pouca ou nenhuma capacidade de se adaptar. “ Creio que a ideia de que o cérebro pode mudar sua própria estrutura e função por intermédio do pensamento e da atividade é a mais importante alteração em nossa visão desse órgão desde que sua anatomia fundamental e o funcionamento de seu componente básico, o neurônio, foram esboçados pela p

TOP 3 de séries que merecem remake!

 Existem muitas séries da década de 90, na minha opinião, que mereciam um remake (manter a obra original, apenas contando novamente a história, com a tecnologia atual disponível). Vou citar aqui 3 delas. Estas séries foram escolhidas, pois são séries que ainda mexem comigo, que ainda gosto e que ainda lembro delas como se tivesse as assistido ontem. Esse foi o critério de seleção para esse simples TOP 3, de séries da década de 90, que mereciam um remake.  Oh My Goddess A série mesmo começou em 1988, encerrando-se em 2014, contendo um total de 48 volumes. Ela entra na lista por conta do seu primeiro OVA, lançado em 1993, cabendo perfeitamente nessa lista. A animação realizada pelo studio AIC foi uma das mais belas que já vi e promoveu a criação de outras séries, sendo que a última, se não me engano, terminou em 2013, com outro OVA. Já se passaram quase 10 anos desde a sua conclusão. Um remake dessa série, contando-a do começo a o fim, seria uma ótima celebração. O mangá vendeu mais de 4

Antologia Scortecci 40 Anos!

Antologia para edição especial de aniversário de 40 anos da Scortecci editora, para a 26ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo (2022) e, enfim, para ser a edição comemorativa dos 100 anos da Semana de Arte Moderna. Como as poesias já fazem parte desse blog, não faria sentido reescrevê-las, então, deixo aqui cópias das páginas da minha colaboração. Foi uma honra poder ter participado de tão nobre edição comemorativa. Obrigado pela oportunidade.     Primeira parte: Segunda parte: