Pular para o conteúdo principal

Fanfic Death Note: Capítulo 1 (Páginas 2 e 3)



Meru conversa consigo mesmo. --- Ela está nervosa! --- fala quase balbuciando e, imediatamente, responde a si mesmo --- Eu sei!

 

Naomi não gosta muito daquilo.  Ela abre a bolsa com cuidado, e tateia à procura da arma. Kenshin repara e sorri. Era novamente aquele sorriso que indicava profunda tristeza, mas trazia tranqüilidade. Eles chegam até o 20º andar. A porta se abre e Naomi percebe que é um andar inteiro somente para ele. O jovem sai do elevador com tranqüilidade e com as mãos no bolso. Outro jovem se aproxima dele. Ambos conversam.

 

Meru ---Eu fui bom hoje! Consegui fazer algo bom! --- sorri com mais alegria agora.

 

O garoto sorri de volta e olha para Naomi, que ainda está parada dentro do elevador. Ele se curva e diz.

 

Pietro --- Saudações! Sinta-se à vontade na casa de meu mestre. Pode entrar. --- Pietro é um jovem alto, bonito, com cabelos longos, castanhos e olhos azuis. Olhos tão azuis e penetrantes quanto o próprio céu.

 

Naomi sai do elevador e caminha em direção a uma poltrona. Todo o apartamento parece feito no estilo Art Decô, com cores escuras, mas janelas amplas. Kenshin senta-se em um sofá.  Pietro serve-lhe uma taça de vinho e oferece outra para Naomi, que recusa!

 

Meru ---Primeiro, vamos falar de determinismo. Você sabe o que é isso? --- indaga.

 

Naomi ---A pessoa faz exatamente aquilo que tinha de fazer e não poderia fazer outra coisa. A determinação de seus atos pertence à força de certas causas, externas e internas. O determinismo seria isso. --- completa Naomi --- É a falta de liberdade de escolha.

 

Meru ---Exato! Isso é a força elementar de um Death Note.--- O jovem é interrompido.

 

Naomi --- Death Note?

 

Meru --- É uma espécie de carderno que um Shiningami usa. Ao ter o nome escrito nele, a pessoa morre! O Homem possui um determinismo em seu futuro, pois foi-lhe dado uma data de nascimento e uma data de morte. O Death Note interfere nesse determinismo, alterando o destino da pessoa. Aliás, ao se escrever o nome de uma pessoa no Death Note, se não for estabelecida a causa da morte, ela será sempre de ataque cardíaco.

 

Naomo se lembra de Yagami escrevendo o nome dela em um pedaço de papel e da morte de seu amado noivo Raye Penber, que morrera de um ataque cardíaco.

 

Meru lendo os pensamentos de Naomi diz ---Sim, você está certa! Kira, ao escrever seu nome naquele pedaço de papel, retirado de um Death Note, interferiu no determinismo de sua morte. Assim como foi feito com o seu noivo. A única diferença é que Kira determinou a causa de sua morte, ao contrário do que fez com teu amado.

 

Ele faz uma pausa para beber do vinho em sua taça e , com um gole só, verte todo o vinho. Gesticulando para Pietro, Meru pede outra taça. Naomi asssite tudo enquanto pensa: “Kira tem um poder incrível. Além de estar incógnito, o que lhe dá liberdade para agir, ele não precisa nem estar na cena do crime para terminar. É o asssassino perfeito. Eu tenho que avisar ao L.”

 

Meru ---Não! A sua luta não é contra Kira. Já existe uma pessoa determinada a acabar com ele. E essa pessoa não é você e nem o L. Os fios do destino estão traçados para o Kira. Ele continuará agindo por um breve período, mas isso logo cessará. Esse será o determinismo para o indivíduo chamado Yagami!

 

 

Naomi ---E quem é você? Como o Death Note chegou à Terra? Imagino que não seja humano, pois provou inúmeras vezes que possui sabedoria e poder além das pessoas comuns.

 

Meru --- Sei de tua sede de justiça, pequena! Quer acabar com Kira, por seu amado noivo, mas não será assim. Tenho outro ponto para você. Quanto à sua pergunta, um Death Note é deixado na Terra por um Shiningami, que deve acompanhar a pessoa que o pegou, até que ela (a pessoa) morra, ou o caderno termine.  E eu, não deve se preocupar comigo...

 

Naomi ---É um Shiningami também! --- interrompe Misora, para a surpresa de Meru e Pietro--- Já deixou várias pistas: fez com que eu voltasse do mundo dos mortos. Retirou meu nome de uma página do Death Note. Além de todo o conhecimento que possui sobre Kira, e sobre as mortes. Posso estar errada, mas sei que você não é uma pessoa normal.

 

Ele sorri. Um sorriso diabólico. ---Sabia que tinha acertado ao te salvar. Será de imensa ajuda no caso que pretendo solucionar. E, sim, eu sou um Shiningami. Ou, pelo menos, fui um. Minha história eu te contarei, mas agora, pretendo me concentrar no que devemos fazer amanhã.

 

O jovem levanta do sofá. Pietro abre uma cortina atrás de seu patrão e Naomi consegue perceber um vulto de duas asas negras. Meru sorri de forma maligna. Seus olhos ficam vermelhos como sangue. Naomi também se levanta.

 

Kenshin ---Vamos descansar esse resto de manhã! Foi um dia tenso. Proíbo-te de entrar em contato com L. Ele deve seguir o destino que lhe foi traçado e você seguirá o seu. E não te preocupes, Kira também tem um destino.

 

Pietro ---O almoço será servido, pontualmente, às 13h30. Eu acompanharei a senhorita até o vosso quarto.

Postagens mais visitadas deste blog

Outros Papos Indica: O Cérebro que se Transforma

Norman Doidge é psiquiatra, psicanalista e pesquisador da Columbia University Center of Psychoanlytic Training and Research, em New York, e também psiquiatra da Universidade de Toronto (Canadá). Ele é o autor deste livro que indico a leitura. O livro, segundo o próprio editor, “reúne casos que detalham o progresso surpreendente de pacientes” que demonstram como o cérebro consegue ser plástico e mutável. Pacientes como Bárbara que, apesar da assimetria cerebral grave, na qual existia retardo em algumas funções e avanço em outras, conseguiu se graduar e pós-graduar. Um espanto para quem promove a teoria de que o cérebro humano é um órgão estático, com pouca ou nenhuma capacidade de se adaptar. “ Creio que a ideia de que o cérebro pode mudar sua própria estrutura e função por intermédio do pensamento e da atividade é a mais importante alteração em nossa visão desse órgão desde que sua anatomia fundamental e o funcionamento de seu componente básico, o neurônio, foram esboçados pela p

TOP 3 de séries que merecem remake!

 Existem muitas séries da década de 90, na minha opinião, que mereciam um remake (manter a obra original, apenas contando novamente a história, com a tecnologia atual disponível). Vou citar aqui 3 delas. Estas séries foram escolhidas, pois são séries que ainda mexem comigo, que ainda gosto e que ainda lembro delas como se tivesse as assistido ontem. Esse foi o critério de seleção para esse simples TOP 3, de séries da década de 90, que mereciam um remake.  Oh My Goddess A série mesmo começou em 1988, encerrando-se em 2014, contendo um total de 48 volumes. Ela entra na lista por conta do seu primeiro OVA, lançado em 1993, cabendo perfeitamente nessa lista. A animação realizada pelo studio AIC foi uma das mais belas que já vi e promoveu a criação de outras séries, sendo que a última, se não me engano, terminou em 2013, com outro OVA. Já se passaram quase 10 anos desde a sua conclusão. Um remake dessa série, contando-a do começo a o fim, seria uma ótima celebração. O mangá vendeu mais de 4

Antologia Scortecci 40 Anos!

Antologia para edição especial de aniversário de 40 anos da Scortecci editora, para a 26ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo (2022) e, enfim, para ser a edição comemorativa dos 100 anos da Semana de Arte Moderna. Como as poesias já fazem parte desse blog, não faria sentido reescrevê-las, então, deixo aqui cópias das páginas da minha colaboração. Foi uma honra poder ter participado de tão nobre edição comemorativa. Obrigado pela oportunidade.     Primeira parte: Segunda parte: