quarta-feira, 7 de março de 2018

Intervenção Federal no Rio




Quando o mal se erguer contra o indefeso;
Que a arma da justiça o defenda, que ele saia ileso.
Os punhos cerrados contra a violência parece ser uma contradição;
Não é! Não existe diálogo contra o crime e a contravenção.

Eles matam, pois a vítima está desarmada;
Não existe chance de resistir a esta investida desalmada;
Eles riem da justiça. A consideram fraca.
A população sofre com isto. Raca!

Que a justiça se fortaleça!
Que a lei se engrandeça!
Que o crime estremeça!
Que a população veja o resultado depressa!

Quando o mal se erguer contra o indefeso;
Que a arma da justiça o defenda, que ele saia ileso.
Salve, nossos soldados!
Obrigado pelo combate, honrados!

Aqui vai um desabafo contra o “mimimi” da OAB, que tem se posicionando contra a intervenção federal no Rio de Janeiro. Aqui, aonde moro, eu tenho cadastro com foto e documentos registrados junto à portaria. Então, todos os moradores daqui tiveram que tirar foto e deixar documentos de identificação. É assim que se controla a segurança de um ambiente: identificando moradores. Não há nada de ruim nisso. Deixa de choro! Ailton Benedito[1], procurador da República no MPF, escreveu em sua conta no Twitter: “OAB do RJ afirma que a identificação dos moradores das favelas pelo Exército é inconstitucional. Mas inconstitucional, ilegal, criminosa é a submissão daquela população a ameaças, a violências, ao terrorismo de organizações paramilitares do crime. Sobre isso, a OAB se cala”.

Deixo abaixo um vídeo da série Gate, só para inserir um anime mesmo. É aquele vídeo que já coloquei aqui no  blog várias vezes. É o exemplo perfeito da ação do exército, quando vê um cidadão indefeso. Eles agem em defesa do povo!


[1] Conta no Twitter: https://twitter.com/AiltonBenedito