Pular para o conteúdo principal

O Judiciário ao alcance de todos!


O Judiciário ao alcance de todos



Estamos vivendo um tempo especial em nossa justiça, no qual os juízes estão determinando os rumos de nossa política. Muitos juízes comprometem-se com a verdade e as leis, como Moro e os desembargadores do TRF 4, que estão mantendo o rigor das sentenças para os grandes corruptos e corruptores do Brasil. Eles são um orgulho para o Brasil.

Já outros, como ministros do STF, estão arruinando a Constituição Federal como, por exemplo, Fachin ignorando a súmula 691:

“Não compete ao Supremo Tribunal Federal conhecer de habeas corpus impetrado contra decisão do Relator que, em habeas corpus requerido a tribunal superior, indefere a liminar.

Data de Aprovação
Sessão Plenária de 24/09/2003

Fonte de Publicação
DJ de 09/10/2003, p. 5; DJ de 10/10/2003, p. 5; DJ de 13/10/2003, p. 5.”

Ou, como lembram, Lewandowski, presidindo a sessão de julgamento do impeachment da Dilma, que manteve seus direitos políticos, contrariando a lei 1079/50 que versa no “art. 2º Os crimes definidos nesta lei, ainda quando simplesmente tentados, são passíveis da pena de perda do cargo, com inabilitação, até cinco anos, para o exercício de qualquer função pública, imposta pelo Senado Federal nos processos contra o Presidente da República ou Ministros de Estado, contra os Ministros do Supremo Tribunal Federal ou contra o Procurador Geral da República”.

Esta nova era do judiciário mais atuante, para o nosso bem, ou para o nosso mal, mostrou-me que alguns jornalistas e comentaristas estão muito perdidos nas questões técnicas que envolvem a interpretação dos procedimentos, sentenças e andamentos. Então, este texto é para aqueles que precisam comentar, escrever ou divulgar julgamentos, mas ficam perdidos no meio de tanta questão necessária.

O livro “O judiciário ao alcance de todos” foi escrito por Rodrigo Collaço, em 2005, e editado pela Ediouro. Collaço, na época, era presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) e percebeu a dificuldade que os comunicadores tinham de acompanhar, e transcrever para o público, o que estava acontecendo dentro dos tribunais. Atuando na “Campanha Nacional Pela Simplificação Da Linguagem Jurídica”, ele criou um livreto de fácil leitura, com o básico sobre o judiciário e seu funcionamento.

Ele define as funções dos tribunais, procedimentos, recursos, atribuições e, também, um pequeno glossário com termos mais comuns usados em latim nas decisões. Ao acompanhar o julgamento do Lula, quando a sentença foi confirmada por unanimidade, o leitor deste pequeno livro já saberia o que estava por vir, pois, na página 27, ele discursa sobre o embargo de declaração, “que é o instrumento de que a parte se vale para pedir, ao magistrado ou tribunal prolator de uma dada decisão, que a esclareça em seus pontos obscuros. Ou a complete, quando omissa. Ou, finalmente, que lhe repare ou elimine eventuais contradições que porventura contenha”.  

E é uma leitura rápida, pois o livro não tem tamanho e nem volume, pois, além de ser pequeno, ele possui apenas 76 páginas. Alguns poderão dizer que o livro, por ser tão pequeno, não serviria para esclarecer ao jornalista questões mais complicadas. De fato, este livro é um pequeno passo para que o jornalista entenda mais do universo jurídico, mas ele não vai te dar todas as questões. Entretanto, acredito que é uma ferramenta útil ao que inicia neste mundo. Como diz no subtítulo, “noções básicas de juridiquês”, o livro vai te dar uma base para que você inicie o entendimento. Cabe a você procurar, mais tarde, outras orientações. Eu mesmo fiz 4 semestres de Direito, depois de me formar em Comunicação Social.

O ponto negativo desta primeira edição, que tenho em mãos, é que o capítulo sobre serviços, com endereço virtual dos tribunais e telefones, está desatualizado. Isso é óbvio, pois esta edição é, como já afirmei, de 2005.

Caso desejem uma cópia, o site da AMB[1] orienta que “exemplares do livro ‘O Judiciário ao Alcance de Todos – Noções Básicas de Juridiquês’ podem ser solicitados no site da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) por todos os jornalistas e demais interessados em acabar com o juridiquês. Para solicitar a publicação, basta clicar no banner que está no menu lateral da direita, na página inicial do portal ou clicar aqui”. Acredito que ainda possuam cópias do livro, ou o mesmo em pdf.  




[1] AMB: http://www.amb.com.br/solicite-um-exemplar-do-livro-o-judiciario-ao-alcance-de-todos/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diego Rox e o Jardim das Borboletas

Diego Rox e o Jardim das Borboletas
Como sabem, sou inscrito do canal do Nando Moura, ou seja, sou um dos “bots” do canal. Sobre este assunto, está até engraçado. Vou escrever sobre isto antes de entrar no assunto. Os adversários que temem a verdade nos ofendem com termos que não condizem com nosso real comportamento. Ficou engraçado, porque, se juntarmos todas as ofensas em uma frase, eu acabo virando um “robô, com recurso de bot, nazista e fascista, que não gosta de odores fortes”, por isso, está engraçado ver esta situação. Fui reduzido a um robô Windows 10, que não gosta de pum.
Ao assunto. Através do vídeo do Nando, sobre o uso de bots, eu acabei conhecendo o canal do Diego Rox. Veja um vídeo abaixo. Ele parece ter uma agenda parecida com a do Nando Moura, isto é, ele é cristão, pois acredita em Deus e em Cristo, prega ação contra a corrupção, homenageia os verdadeiros heróis anônimos, é caridoso e defende a liberdade. Uma agenda que também me aproxima dele, por isso, hoje, esto…

Cavaleira ou Amazona? Veja a resposta!

Amazona ou Cavaleira?
    Em meu tempo de colégio, nas décadas de 80 e 90, nos foi ensinado que o feminino de cavaleiro seria amazona. Em uma prova, um colega marcou o feminino de cavaleiro sendo cavaleira e foi repreendido. Desta forma, fixei amazona como o feminino correto para o termo em questão, ou seja, mulher que anda a cavalo. Ao assistir Walkure Romanze, eu me deparei com a palavra cavaleira e me questionei. Inclusive, alertei-os para a forma que eu julgava correta, mas sem retorno positivo. Deste modo, fui pesquisar para ver se a expressão estaria correta.


    Nestas pesquisas, encontrei um professor que prontamente me respondeu a esta questão. O caso estava solucionado com uma bela lição que, agora, repasso a vocês. Com a palavra o professor Ari Riboldi.
    No meu tempo de estudante, no ensino primário e no ginásio, também se aprendia assim: cavaleiro (masc.), amazona (fem); cavalheiro (masc.), dama (fem.). No entanto, os dicionários registram o termo 'cavaleira' …

Será o Veredito?!

Canal Será o Veredito?!
Foi a primeira recomendação do Youtube que gostei de ter recebido. Sobre o canal: “O Direito tá na mídia! O Direito tá na moda! Um juiz de direito se torna celebridade nacional. Tribunais transmitem suas sessões ao vivo pela televisão. Os meios de comunicação não se cansam de veicular notícias jurídicas. Mas, o mundo jurídico possui formalidades que dificultam a compreensão dos seus temas pelo cidadão que não tem formação no direito. Muito se fala; pouco se explica. Por isso surgiu o "Será o Veredito!?". Um canal que traz informações sobre o direito com uma linguagem simples, clara e objetiva.”



O primeiro vídeo que vi desse canal foi uma resposta ao Bugalho. Uma resposta baseada em livros, mostrando a fonte de seu conhecimento e minando, com ótimos argumentos, a posição de seu opositor. Todos os vídeos que assisti foram assim, com a fonte de leitura em mãos. Ele já se disse de centro-direita, o que o faz ser um aliado natural da liberdade e da proprie…