sábado, 30 de novembro de 2013

Apocalipse: Brasília é um livro tipo "Filme B"

    Primeiramente, esta atualização não é aconselhável para menores. Se você for menor de idade, termine de ler aqui. Tem um comercial do Sy-Fy Original Movies que é mais ou menos assim: “Grandes atuações, grandes orçamentos, grandes cenários... você não verá nada disso aqui”! Esse é o espírito dos Filmes B, filmes de baixo orçamento, como os do grande diretor e produtor Roger Corman. Estes filmes possuem uma gama incrível de fãs e são denominados das mais diversas formas.




    Filme B é uma expressão que foi criada em Hollywood para filmes produzidos da seguinte maneira: “Originalmente, os filmes B eram produzidos pela unidade secundária dos grandes estúdios, que, nas décadas de 30 e 40, dividiam suas operações. Na unidade A, eram feitos apenas os filmes de destaque, onde brilhavam os maiores astros. As fitas que saíam da unidade B dos grandes estúdios não tinham estrelas, embora nem sempre o orçamento fosse baixo. (...) A partir dos anos 50, surgiram estúdios empenhados em fazer cinema com baixo orçamento, criando fitas que tinham temas fantásticos e apelativos e que eram exibidos em cinemas modestos. Produções com essas características — como o clássico de horror A Noite dos Mortos Vivos (1968) — acabaram sendo rotuladas como filmes B, embora essa expressão tenha nascido para definir outro período específico da história do cinema americano”. (MundoEstranho)


    A expressão “Filme B”, então, tornou-se símbolo de produções trash. Foi pensando nestes elementos, que caracterizam os “Filmes B” que tanto amo, que criei, anos atrás, a minha própria história chamada Apocalipse: Brasília. A sinopse é esta: Apocalipse: Brasília é um livro que conta, com toques da narrativa visual de animê (desenho japonês), a história do Apocalipse, livro bíblico de inspiração. Neste livro, Deus retornou, em nossa época contemporânea, para buscar a sua Igreja, e deixou nessa terra alguns escolhidos, que receberão poderes de acordo com as cartas das igrejas do Apocalipse, para defenderem o povo, que aqui fica, em sua jornada para uma nova terra destinada para a sua proteção: Brasília. A estrutura do enredo toca em pontos importantes da descritiva apocalíptica, mesclando-a com a profecia da criação de Brasília, dita por Dom Bosco, e estes leves toques de animê. Tudo para que o livro possa ser jovem, atual e interessante. Ainda, como sou admirador de filmes de terror, o livro nos traz referências aos filmes B, como os de Roger Corman. Espero que tenha conseguido um pouco disso: um livro inspirado em filmes B e animês.

Capa do Livro



    Sobre os animês, eu escolhi seguir uma narrativa rápida, clara e simples, ou seja, uma narrativa semelhante aos de animês shonen. Aqui não teremos descrições longas e cansativas, mas ações rápidas e visualmente fortes, com um pouco de sangue também.  Também, escolhi seguir o modelo japonês de heróis com passados sombrios, que necessitem enfrentar o lado sombrio de suas almas para evoluir.


Não recomendo o livro para menores de idade, mas se você  se interessou? O livro, agora, está disponível para venda no site da Perse. Clique aqui para ver e comprar.