Pular para o conteúdo principal

Heróis

Heróis


 




    Depois de traçar, rapidamente, elementos em animês de horror, elementos da cultura japonesa e religiosidade (com especial atenção ao cristianismo), agora vou inserir noções sobre a construção de heróis em animês. Sim, uso noções porque acredito que não cabe a um blog escrever teses completas. Blogs são para leitura rápida. Se um texto excede 3 páginas já não atrai a atenção dos visitantes que buscam informação rápida e concisa. Ao escrever sobre a crise do mercado de animês e mangás recebi um comentário no blog de uma pessoa que não o leu e se achou no direito de ofender. Acredito que se o texto possuir mais de três páginas, muitas pessoas simplesmente vão atrás de outro blog com informações mais resumidas.


 


    Um enredo de ação deve possuir um herói que guie a ação e seja responsável pelo desenrolar da narrativa com suas ações e diálogos. A figura do herói pode ser substituída pela figura do anti-herói ou do vilão. Exemplos de enredos, em comédia, que substituem os heróis pelos vilões: Megamente e Meu Malvado Favorito. Eles começam como vilões e vão sendo humanizados aos poucos, até que no final eles se tornam o protótipo do herói. Também existem histórias que se voltam aos vilões de maneira a não descaracterizar o personagem, como em Thor e Loki: Blood Brothers, entretanto, em vias de regra, heróis sempre vão conduzir a história e eles podem ser dos seguintes tipos:


 


Idealistas: Possui um bom coração e o poder de mudar as situações. Idealistas não precisam de uma motivação maior para entrar em ação, pois eles simplesmente agem porque é o certo. Deste tipo temos, no ocidente, o Super-Homem. Não há nele um trauma que o motiva, mas uma ideia de que o homem pode evoluir e ele será o guardião da humanidade até não ser mais necessário. O Batman até o chama de “escoteiro” por causa desse tipo de conduta. Na Ásia temos Astro Boy. Os Cavaleiros do Zodíaco possuem um ideal também, que é o de proteger Athena e o Santuário. Embora alguns comecem como o tipo vingador, ou meramente profissional (veja abaixo), todos acabam aceitando um ideal movido pela Saori/Sasha e começam a agir porque é o certo.


 


Vingadores: estes só se mexeram porque foram provocados a isso por um trauma. São os tipos mais comuns. Como Peter Parker que teve o tio assassinado durante um assalto, ou Frank Castle que teve a família morta, assim como o Bruce Wayne. Eles só começam a agir após algo traumático acontecer a eles. Em animês e mangás temos um monte destes e cito apenas um: Kenshin Himura que se envolveu em uma guerra civil após as pessoas que cuidavam dele serem mortas na sua frente.


 


Profissionais: estes estão meramente cumprindo sua obrigação. São imbuídos a uma tarefa e a cumprem da melhor forma possível. Spectreman é um exemplo de profissional que veio apenas cumprir uma missão. Não veio por vontade própria, e nem foi movido por um trauma, ele simplesmente veio até a Terra para exercer sua função e aceitar as ordens dos Dominantes.


 


Mercenários: sim, heróis mercenários são aqueles que só fazem o bem se receberem algo em troca. O Gladiador Dourado, do desenho da Liga da Justiça, viajou do futuro, ao nosso tempo, apenas para lucrar um dinheiro combatendo o crime e se tornando famoso.  Desse tipo temos também Lupin the Third que só aceita fazer o bem se ganhar algo em troca. Como exemplo, em Castelo de Cagliostro, Lupin só ajuda uma garota em fuga porque a achou bonita e quis casar com ela.


 


    Com estas pequenas descrições, já podemos caracterizar a maioria dos heróis criados. Os heróis podem migrar de uma classificação a outra de maneira livre, isto é, um profissional pode se tornar um vingador (Black Cat)  e assim por diante.  Mas há um processo interessante na construção da personalidade dos heróis do tipo vingador: o trauma. Eu ia falar sobre isso, quando mencionasse o capítulo 25 de Sket Dance, mas vou resumir tudo e colocar aqui para não ter que criar um outro texto sobre isso.


 


Contêm SPOILERS de Sket Dance 25, então não leia o texto abaixo.


 


Trauma


 


     O personagem passa por uma situação traumática, ele introjeta esta situação ambiente e, em casos extremos, como o do Switch, o personagem acaba reprimindo a sua própria personalidade e assumindo a personalidade da pessoa querida que morrera de forma violenta. Um transtorno violento de personalidade. O interessante no Switch é ver que ele assume a identidade do personagem de forma idealizada, ou seja, aquela imagem representada pelo Switch não é a representação real do irmão morto, mas como ele via o irmão. O irmão não era um otaku retraído que adorava animês, mas um colegial normal que adorava sistemas da informação. É interessante ver como o Switch percebia o irmão e como ele lidou de forma traumática com a morte do mesmo.    

Comentários

  1. Excelente texto! As informações são bem claras e a leitura agradável. Essas classificações(vingadores, profissionais, ..) foram feitas por você? Ficaram ótimas...
    Quando diz: "os heróis podem migrar de uma classificação a outra de maneira livre," é realmente muito interessante. Nota-se isso, claramente, em algumas histórias.

    ResponderExcluir
  2. Olá! As nomeações (idealistas, mercenários e outros) foram criadas de acordo com as raízes do comportamento e personalidades dos personagens. :) Alguns destes personagens tem, em seu nickname, a classificação já embutida, ou seja, vemos o Frank Castle assumir como nome de guerra - Justiceiro- que é outra denominação para Vingadores. Já o grupo Vingadores também o usa para definir sua história e comportamento. Então, usei os mais comuns para determinar a classificação. Nem preciso citar que existe um personagem chamado Mercenário e ele é a determinação do background de outros que foram criados no mesmo sentido. Outro exemplo é a Liga da Justiça, pois justiça é um termo de classificação que coloco como idealista (ideal de justiça). :) Os nomes dos heróis e grupos já determinam sua classificação neste quesito. É coisa de dicionário. Cada um deles segue a significação do dicionário de sua palavra correspondente. Então, também usei a determinação destas palavras no dicionário para defini-los como tal. :) Espero ter ajudado! :)

    ResponderExcluir
  3. Isso daria uma excelente pesquisa para monografia, sabia!
    Já até imaginei até o título:
    "A influência dos desenhos na educação infantil".
    Já pensou em dar palestras em escolas sobre o que você tanta ama: mangás, animês, ...?
    :) *Depois vou olhar seu blog com mais calma. :)

    ResponderExcluir
  4. Olá! Eu sou muito tímido para enfrentar uma plateia. :) No curso de jornalismo fiz várias matérias e Stand Ups e nunca fiquei confortável com a situação, embora tenha sempre me saído bem. Um livro sobre isso seria legal. Pena que já tenho planos para 2011 e 2012, então, se alguém quiser pegar o tema fique livre hehehe! :) Fique à vontade para ler o blog! :)

    ResponderExcluir
  5. Durante um pequeno "curso sobre regras de jornalismo" que fiz, o editor pediu sugestões de pauta. E eu sugeri fazer uma matéria com sobre o tema que citei. Porque tanto adultos como crianças muitas vezes imitam seus pesonagens, se paixonam por eles, e por aí vai... Só que o editor me ignorou...kkk
    Na mesma semana, a TV globo fez uma belíssima matéria com o tema parecido com o meu.kkk
    Aí eu fui falar com o editor, eu não poderia deixar passar isso né. :)

    ResponderExcluir
  6. É bacana! Quando é época de convenções (Anime Friends por exemplo) existem várias competições e concursos. Sempre chove matérias sobre isso nessas épocas! :)

    ResponderExcluir
  7. Olá!

    Olha o que acabei de descobrir: Lançaram botas da Nike dos Cavaleiros do Zodíaco!!!! Lembrei de você XD
    Pesquisa no Google que tem fotos e maiores informações...
    Agora falta o restante das armaduras para nos sentirmos iguais a nossos heróis kkk

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Olá! Comentários com ofensas não serão permitidos. Todos os comentários serão moderados.

Postagens mais visitadas deste blog

Diego Rox e o Jardim das Borboletas

Diego Rox e o Jardim das Borboletas
Como sabem, sou inscrito do canal do Nando Moura, ou seja, sou um dos “bots” do canal. Sobre este assunto, está até engraçado. Vou escrever sobre isto antes de entrar no assunto. Os adversários que temem a verdade nos ofendem com termos que não condizem com nosso real comportamento. Ficou engraçado, porque, se juntarmos todas as ofensas em uma frase, eu acabo virando um “robô, com recurso de bot, nazista e fascista, que não gosta de odores fortes”, por isso, está engraçado ver esta situação. Fui reduzido a um robô Windows 10, que não gosta de pum.
Ao assunto. Através do vídeo do Nando, sobre o uso de bots, eu acabei conhecendo o canal do Diego Rox. Veja um vídeo abaixo. Ele parece ter uma agenda parecida com a do Nando Moura, isto é, ele é cristão, pois acredita em Deus e em Cristo, prega ação contra a corrupção, homenageia os verdadeiros heróis anônimos, é caridoso e defende a liberdade. Uma agenda que também me aproxima dele, por isso, hoje, esto…

Cavaleira ou Amazona? Veja a resposta!

Amazona ou Cavaleira?
    Em meu tempo de colégio, nas décadas de 80 e 90, nos foi ensinado que o feminino de cavaleiro seria amazona. Em uma prova, um colega marcou o feminino de cavaleiro sendo cavaleira e foi repreendido. Desta forma, fixei amazona como o feminino correto para o termo em questão, ou seja, mulher que anda a cavalo. Ao assistir Walkure Romanze, eu me deparei com a palavra cavaleira e me questionei. Inclusive, alertei-os para a forma que eu julgava correta, mas sem retorno positivo. Deste modo, fui pesquisar para ver se a expressão estaria correta.


    Nestas pesquisas, encontrei um professor que prontamente me respondeu a esta questão. O caso estava solucionado com uma bela lição que, agora, repasso a vocês. Com a palavra o professor Ari Riboldi.
    No meu tempo de estudante, no ensino primário e no ginásio, também se aprendia assim: cavaleiro (masc.), amazona (fem); cavalheiro (masc.), dama (fem.). No entanto, os dicionários registram o termo 'cavaleira' …

Será o Veredito?!

Canal Será o Veredito?!
Foi a primeira recomendação do Youtube que gostei de ter recebido. Sobre o canal: “O Direito tá na mídia! O Direito tá na moda! Um juiz de direito se torna celebridade nacional. Tribunais transmitem suas sessões ao vivo pela televisão. Os meios de comunicação não se cansam de veicular notícias jurídicas. Mas, o mundo jurídico possui formalidades que dificultam a compreensão dos seus temas pelo cidadão que não tem formação no direito. Muito se fala; pouco se explica. Por isso surgiu o "Será o Veredito!?". Um canal que traz informações sobre o direito com uma linguagem simples, clara e objetiva.”



O primeiro vídeo que vi desse canal foi uma resposta ao Bugalho. Uma resposta baseada em livros, mostrando a fonte de seu conhecimento e minando, com ótimos argumentos, a posição de seu opositor. Todos os vídeos que assisti foram assim, com a fonte de leitura em mãos. Ele já se disse de centro-direita, o que o faz ser um aliado natural da liberdade e da proprie…