Pular para o conteúdo principal

O Corvo e a Mitologia!

CORVO E MITOLOGIA


 


“Abri então a vidraça, e eis que, com muita negaça,


Entrou grave e nobre um corvo dos bons tempos ancestrais.


Não fez nenhum cumprimento, não parou nem um momento,


Mas com ar solene e lento pousou sobre os meus umbrais,


Num alvo busto de Atena que há por sobre meus umbrais,”


 


(O Corvo de Edgar Allan Poe)


 


O corvo, em muitos países europeus, é sinônimo de tragédia e mau agouro. Para muitos é símbolo de poder e magia, assim como recitou Edgar Allan Poe. Em sites como Culto da Vida, assim ele é representado:


 


“O Corvo é prenúncio de mudança de consciência, que pode, inclusive, significar uma viagem pelo Grande Mistério ou por alguma senda situada à margem do tempo. A cor do Corvo é a cor do Vazio - o buraco negro do espaço sideral que congrega todas as energias criadoras. Significa que você conquistou por seus próprios méritos o direito de vislumbrar um pouco mais da magia da vida”.


 


E é um animal que carrega em si um mistério que influi, inclusive, em animês. Na mitologia japonesa, o poder desta ave é representado por dois seres mitológicos aqui citados:


 


TENGU


 


Tengu (Tien-Kou) ou “Cão Celestial” incialmente, eles eram considerados “demônios das montanhas” que matavam e perseguiam viajantes. A Sociedade Brasileira de Bugei assim os descreve:


 


“No Japão, ao invés do bicho-papão, são contadas às crianças estórias de tengu, que as perseguiriam. Estão presentes em várias manifestações culturais, como esculturas, máscaras, estórias infantis, lendas e, mais recentemente, nos mangás”.


 


E o site Shinobi assim complementa a descrição deste ser mitológico:


 


“Tengu é o nome dado no Japão a seres místicos semi-humanos com cabeças de aves que vivem nas montanhas isolados do resto do mundo. As lendas contam que os Tengu possuem muita sabedoria e grandes conhecimentos no manuseio da espada e outras técnicas de lutas”.


 


 


YATAGARASU


 


 


O outro ser mitológico, representado por um corvo de três patas, é o Yatagarasu. O site Japão Filia comenta sobre ele da seguinte maneira:


 


“No Leste Asiático, a mitologia da avê de três patas é o mais freqüentemente associado com sol. Na mitologia japonesa este corvo simboliza a ave do sol, mensageiro da deusa Amaterasu. O nome Yatagarasu consiste em duas palavras, sendo a primeira Yata que significa de grande tamanho e a segunda que vem de Karasu que por sua vez significa corvo em japonês. Segundo estudos, Yata é uma unidade que equivale aproximadamente a 1 metro e que era o tamanho estimado que alcançava esta lendária ave”.


 


De qualquer maneira, o corvo sempre apareceu em animações japonesas das mais diversas, pois, assim como no ocidente, na ásia ele é sinônimo de misticismo e poder. 


[youtube=http://www.youtube.com/watch?hl=en&v=ShzmzcJM7QI&gl=US]

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diego Rox e o Jardim das Borboletas

Diego Rox e o Jardim das Borboletas
Como sabem, sou inscrito do canal do Nando Moura, ou seja, sou um dos “bots” do canal. Sobre este assunto, está até engraçado. Vou escrever sobre isto antes de entrar no assunto. Os adversários que temem a verdade nos ofendem com termos que não condizem com nosso real comportamento. Ficou engraçado, porque, se juntarmos todas as ofensas em uma frase, eu acabo virando um “robô, com recurso de bot, nazista e fascista, que não gosta de odores fortes”, por isso, está engraçado ver esta situação. Fui reduzido a um robô Windows 10, que não gosta de pum.
Ao assunto. Através do vídeo do Nando, sobre o uso de bots, eu acabei conhecendo o canal do Diego Rox. Veja um vídeo abaixo. Ele parece ter uma agenda parecida com a do Nando Moura, isto é, ele é cristão, pois acredita em Deus e em Cristo, prega ação contra a corrupção, homenageia os verdadeiros heróis anônimos, é caridoso e defende a liberdade. Uma agenda que também me aproxima dele, por isso, hoje, esto…

Cavaleira ou Amazona? Veja a resposta!

Amazona ou Cavaleira?
    Em meu tempo de colégio, nas décadas de 80 e 90, nos foi ensinado que o feminino de cavaleiro seria amazona. Em uma prova, um colega marcou o feminino de cavaleiro sendo cavaleira e foi repreendido. Desta forma, fixei amazona como o feminino correto para o termo em questão, ou seja, mulher que anda a cavalo. Ao assistir Walkure Romanze, eu me deparei com a palavra cavaleira e me questionei. Inclusive, alertei-os para a forma que eu julgava correta, mas sem retorno positivo. Deste modo, fui pesquisar para ver se a expressão estaria correta.


    Nestas pesquisas, encontrei um professor que prontamente me respondeu a esta questão. O caso estava solucionado com uma bela lição que, agora, repasso a vocês. Com a palavra o professor Ari Riboldi.
    No meu tempo de estudante, no ensino primário e no ginásio, também se aprendia assim: cavaleiro (masc.), amazona (fem); cavalheiro (masc.), dama (fem.). No entanto, os dicionários registram o termo 'cavaleira' …

Será o Veredito?!

Canal Será o Veredito?!
Foi a primeira recomendação do Youtube que gostei de ter recebido. Sobre o canal: “O Direito tá na mídia! O Direito tá na moda! Um juiz de direito se torna celebridade nacional. Tribunais transmitem suas sessões ao vivo pela televisão. Os meios de comunicação não se cansam de veicular notícias jurídicas. Mas, o mundo jurídico possui formalidades que dificultam a compreensão dos seus temas pelo cidadão que não tem formação no direito. Muito se fala; pouco se explica. Por isso surgiu o "Será o Veredito!?". Um canal que traz informações sobre o direito com uma linguagem simples, clara e objetiva.”



O primeiro vídeo que vi desse canal foi uma resposta ao Bugalho. Uma resposta baseada em livros, mostrando a fonte de seu conhecimento e minando, com ótimos argumentos, a posição de seu opositor. Todos os vídeos que assisti foram assim, com a fonte de leitura em mãos. Ele já se disse de centro-direita, o que o faz ser um aliado natural da liberdade e da proprie…