Pular para o conteúdo principal

Outro Papos indica Little V Mills

 O belo também é harmonia musical, então, indicar o canal de um metaleiro que não somente faz covers de anime songs (anisongs) como também as adapta para o metal, é indicar o belo. Pode parecer estranho, mas o metal possui beleza, principalmente se o trabalho for rigoroso como o dele. Ele adapta para o heavy metal, ele canta e ainda canta em japonês. E a  beleza no heavy metal é multifacetada, indo desde o visual rebelde até a exuberância teatral, sempre refletindo a diversidade e a criatividade desse gênero musical.

Considerações sobre produções japonesas para o ocidente!

 

Considerações sobre produções japonesas para o ocidente

 

Há muito tempo existe um certo entendimento no Japão de que suas obras devem ser “ocidentalizadas” para atingirem a América como um todo. Não sei ao certo como isso começou, mas acredito que tenha sido através de conversas com distribuidoras desde a época de Macross (1980), ou, até mesmo antes, com Gatchaman (1970), em que, não entendendo como funcionavam as produções japonesas, e acreditando que os americanos não gostariam do produto do jeito em que foi criado, resolveram comprar os direitos das séries e alterá-las ao seu bel-prazer. E o japonês comprou isso como verdade até hoje. Que o produto feito para o público japonês não venderia em terreno ocidental, sem que o produto (filme ou série) passasse por um processo de “ocidentalização”, isto é, transformação de sua matéria-prima (cenas, música, roteiro, tradução) para o que seria o “gosto ocidental”. O "gosto ocidental" aqui também está equivocado, pois remete a uma "regionalização" de um produto que não foi criado no ocidente e, portanto, não necessita dessa tal "regionalização". É como trocar sushi por crepe, ou karatê por capoeira. 


 


E esse pensamento nos “presenteou” com “pérolas” de gosto terrível desde a época de Gatchaman, com diversas alterações esquisitas, até os dias de hoje, com adaptações horrendas de séries grandiosas. O que fizeram com Death Note (Netflix), Dragon Ball (aquele Evolution), e, mais recentemente, com Cavaleiros do Zodíaco (Netflix novamente?), nos mostra que esse negócio está errado há muito tempo. O próprio conceito de “ocidentalização” já começa errado, pois o que faz sucesso e nós, ocidentais, adoramos e compramos é justamente o produto legítimo (japonês).


 


Acredito que o termo “ocidentalização” já é um termo preconceituoso que as empresas japonesas deveriam abandonar. A aceitação do público para as obras japonesas legítimas promove a correta propagação da cultura japonesa para o mundo. É através das produções intocadas pelo processo de ocidentalização que podemos conhecer a cultura japonesa como um todo e é uma cultura aceita e amada. A cerimônia do chá, o bushidô, o ninjutsu, a ikebana, o origami, os florais, o respeito pela tradição, a foça da amizade, tudo isso, e muito mais, é o que amamos na cultura japonesa e aceitamos com honra e respeito. Dessa forma, qualquer processo que tire de um produto a sua cultura é um processo preconceituoso. Afinal, que mal há em chamar Saori de Saori? Qual é o pecado em ter um herói que carregue a bandeira do Japão em seu kimono? Lógico que estamos nos referindo ao ocidente que não possui grandes mágoas do Japão. Não me refiro à Coréia ou China, que possuem grandes feridas históricas para com a Terra do Sol Nascente. E, aqui, coloco algo que não está relacionado, mas eu venho notando há algum tempo, que são alterações bobas de legenda, tais como a irmã chamar o personagem de irmão e a legenda adotar o nome do personagem como se fosse isso que estivesse sendo dito. Qual o problema de uma irmã chamar o irmão de irmão?


 


Por fim, é isso, o processo de ocidentalização deve ser abandonado, pois é um processo que causa tragédias culturais. Deixem o produto japonês como foi criado e deixe que o produto nos traga a cultura japonesa legítima. O grande e já falecido ex-primeiro-ministro Shinzo Abe já havia nomeado mangás e animês como embaixadores da cultura japonesa, então, “ocidentalizar” qualquer produto é ir contra a força legítima de seus embaixadores. Abandonem esse conceito o quanto antes é o que eu estou recomendando.  

Postagens mais visitadas deste blog

Boushoku no Berserk

Berserk of Gluttony: Uma Série Que É Meu "Pecado"! Boushoku no Berserk (Berserk of Gluttony) - Pictures - MyAnimeList.net Fate é um jovem que acreditava ter uma habilidade inútil chamada "Gula", que o mantinha constantemente faminto. Ele era um vassalo em uma casa de cavaleiros sagrados, onde era tratado com desdém, nutrindo uma paixão secreta pela cavaleira Roxy Hart. Ela destaca-se como a única guerreira nobre em um mundo dominado por cavaleiros que abusam de seu poder para oprimir o povo. Quando Fate acidentalmente mata um ladrão enquanto ajuda Roxy, ele descobre que sua habilidade de "Gula" vai além do que parecia. Esse evento o faz perceber os aspectos positivos e negativos de seu "pecado". Comprometido a proteger Roxy, ele decide usar seu poder em prol da casa daquela que sempre o tratou com humanidade e respeito. Baseada em uma novel escrita por Ichika Isshiki , com arte de fame , "Berserk of Gluttony" é serializada desde 2017,

Outros Papos indica: Japanese Noodles Udon Soba Kyoto Hyogo

 Saboreiem! Um canal dedicado à culinária japonesa! Se gostarem, se inscrevam lá!

Traduções ideológicas

Hoje, no blog, não farei recomendações, mas sim uma sugestão. Há uma controvérsia em torno de alterações indesejadas em traduções e legendas de obras japonesas. Se os próprios japoneses começassem a traduzir e legendar seus animes para o Ocidente, essas distorções poderiam ser evitadas. Pergunto-me por que, até agora, os japoneses ainda não optaram por legendarem eles mesmos e disponibilizarem à venda discos com suas obras legendadas em outros idiomas. Isso certamente eliminaria o ruído ideológico e, sem dúvida, eu seria um dos consumidores da mídia física lançada por eles, com legendas "feitas em casa". Na administração, aprendemos que devemos apresentar não apenas os problemas, mas também as soluções. Portanto, considero essa a solução para o problema das alterações ideológicas em obras orientais.