Pular para o conteúdo principal

ABTA 2020- Dados do Setor!


Dados do setor- ABTA 2020

Todos os anos, eu analiso os dados do setor de canais por assinatura e banda larga. É uma tradição que começou nos tempos em que o canal Locomotion existia. É, também, uma tradição do blog começar o texto dessa forma: relembrando aspectos do passado. Para o texto de 2017, no qual eu já observava o avanço incontestável da banda larga e a retração do setor, eu escrevi em minha conclusão: “Para tentar conter essa sangria, eu recomendo aos canais por assinatura que se aliem à internet, através de maiores e melhores portais. Não busquem tentar rivalizar com a tv aberta, por audiência, ou por anunciantes. Melhorem a programação, isto é, voltem ao básico: programação sem intervalos comerciais, diversificada e disponível na internet para todos. Somente assim voltarão a crescer”.

Ano passado, eu adquiri uma nova televisão e percebi que ela já vinha com aplicativos de canais por assinatura em seu sistema de interação. A televisão em questão é uma LG, e ela já vinha com Netflix, Amazon e identificou minha assinatura e instalou automaticamente um sistema de canais da Vivo TV. Eu até me impressionei com isso. E isso é uma resposta para a crescente queda de interesse da população brasileira em assinar pacotes de televisão a cabo.

E como está indo o setor? Segundo dados obtidos pela ABTA, e que o gráfico abaixo relata, o setor vem, desde 2014, em queda, com uma leve recuperação em 2017. Entretanto, o mercado continuou em declínio nos anos seguintes. Em 2019, o setor fechou com 16 milhões de assinantes, um número que o aproximou de 2012. É realmente um marco que define o constante desinteresse do público em assinar pacotes de televisão por assinatura.



Acredito que já temos definido um parâmetro para a crise do setor, pois a decadência dos números é bem visível. Estamos vendo algo bem próximo ao que aconteceu com a grandiosa Blockbuster, que se viu engolida pelos serviços de streaming e desapareceu. Segundo o que se observa é que os serviços de streaming estão engolindo o setor.



A internet em banda larga, por sua vez, está indo muito bem no Brasil, com anos seguidos de crescimento. A liberdade para se trabalhar, se divertir e buscar informação, que a internet nos traz, está impulsionando sempre o setor a crescer. É impressionante, pois o gráfico mostra um crescimento constante desde 2002. Já são 18 anos de crescimento. E, com dados de 2019, percebemos que o Brasil já conta com 12,7 milhões de assinantes e a internet melhorou bastante. Apesar de ainda estarmos muito longe dos melhores países, a nossa internet está ficando cada vez mais rápida e segura. Segundo avaliação do site “Minha Conexão”[1], as dez capitais mais rápidas do Brasil são:

1° - Teresina - PI: 45.5Mbps
2° - Macapá - AP: 43.1Mbps
3° - Florianópolis - SC: 41.5Mbps
4° - Porto Alegre - RS: 39.8Mbps
5° - São Paulo - SP: 37.6Mbps
6° - Curitiba - PR: 37.3Mbps
7° - Belo Horizonte - MG: 36.5Mbps
8° - João Pessoa - PB: 36.3Mbps
9° - Brasília - DF: 36Mbps
10° - Fortaleza - CE: 36Mbps

Eu não lembro em que ano foi, mas a média da velocidade de internet no Brasil já foi medida abaixo de 3Mbps, então, o crescimento da velocidade está muito evidente. E isso ajuda ao setor de streaming. O crescimento da quantidade de assinantes, como se observa, está sendo seguido pelo crescimento da qualidade da velocidade em muitas regiões do país.

Conclusão

O que se conclui, em mais um ano, é que a internet está engolindo o setor, porém, diferente dos outros anos, o setor de televisão por assinatura está reagindo e usando a internet para se manter, como é  caso que observei em minha tv LG e seus aplicativos conectados. O que posso observar, nesse momento, é que, assim como o cinema não matou o teatro, a internet não matará a televisão por assinatura, mas vai fazê-la se adequar às exigências do mercado. Acredito que, em um futuro bem próximo, por exemplo, não teremos mais decodificadores para a assinatura de pacotes de canais a cabo, apenas aplicativos conectados a televisões, tablets e consoles de videogames.  


[1] Leia: <https://www.minhaconexao.com.br/ranking/>

Postagens mais visitadas deste blog

Outros Papos Indica: O Cérebro que se Transforma

Norman Doidge é psiquiatra, psicanalista e pesquisador da Columbia University Center of Psychoanlytic Training and Research, em New York, e também psiquiatra da Universidade de Toronto (Canadá). Ele é o autor deste livro que indico a leitura. O livro, segundo o próprio editor, “reúne casos que detalham o progresso surpreendente de pacientes” que demonstram como o cérebro consegue ser plástico e mutável. Pacientes como Bárbara que, apesar da assimetria cerebral grave, na qual existia retardo em algumas funções e avanço em outras, conseguiu se graduar e pós-graduar. Um espanto para quem promove a teoria de que o cérebro humano é um órgão estático, com pouca ou nenhuma capacidade de se adaptar. “ Creio que a ideia de que o cérebro pode mudar sua própria estrutura e função por intermédio do pensamento e da atividade é a mais importante alteração em nossa visão desse órgão desde que sua anatomia fundamental e o funcionamento de seu componente básico, o neurônio, foram esboçados pela p

TOP 3 de séries que merecem remake!

 Existem muitas séries da década de 90, na minha opinião, que mereciam um remake (manter a obra original, apenas contando novamente a história, com a tecnologia atual disponível). Vou citar aqui 3 delas. Estas séries foram escolhidas, pois são séries que ainda mexem comigo, que ainda gosto e que ainda lembro delas como se tivesse as assistido ontem. Esse foi o critério de seleção para esse simples TOP 3, de séries da década de 90, que mereciam um remake.  Oh My Goddess A série mesmo começou em 1988, encerrando-se em 2014, contendo um total de 48 volumes. Ela entra na lista por conta do seu primeiro OVA, lançado em 1993, cabendo perfeitamente nessa lista. A animação realizada pelo studio AIC foi uma das mais belas que já vi e promoveu a criação de outras séries, sendo que a última, se não me engano, terminou em 2013, com outro OVA. Já se passaram quase 10 anos desde a sua conclusão. Um remake dessa série, contando-a do começo a o fim, seria uma ótima celebração. O mangá vendeu mais de 4

Antologia Scortecci 40 Anos!

Antologia para edição especial de aniversário de 40 anos da Scortecci editora, para a 26ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo (2022) e, enfim, para ser a edição comemorativa dos 100 anos da Semana de Arte Moderna. Como as poesias já fazem parte desse blog, não faria sentido reescrevê-las, então, deixo aqui cópias das páginas da minha colaboração. Foi uma honra poder ter participado de tão nobre edição comemorativa. Obrigado pela oportunidade.     Primeira parte: Segunda parte: