Pular para o conteúdo principal

Outro Papos indica Little V Mills

 O belo também é harmonia musical, então, indicar o canal de um metaleiro que não somente faz covers de anime songs (anisongs) como também as adapta para o metal, é indicar o belo. Pode parecer estranho, mas o metal possui beleza, principalmente se o trabalho for rigoroso como o dele. Ele adapta para o heavy metal, ele canta e ainda canta em japonês. E a  beleza no heavy metal é multifacetada, indo desde o visual rebelde até a exuberância teatral, sempre refletindo a diversidade e a criatividade desse gênero musical.

Capítulo inicial- Fé de mais, ou fé de menos?



Passo inicial do Fé de mais, ou fé de menos?

-----------------------------------------------------------

PASSO INICIAL - NÃO ACEITE O SOFRIMENTO



Algumas religiões podem induzi-lo a erros, por acreditarem que o sofrimento seja benéfico, já que levará a pessoa a um autoconhecimento e a um nível maior de esclarecimento. Não acredito nisso! É como se nos comparassem a personagens como o Goku (Dragon Ball Z) que, no calor de uma batalha perdida, emanam a energia necessária para vencer o problema, tornando-se seres maiores e melhores. Não somos assim. Eis algumas formas de enganação comuns:


Comparam nossa vida com algum metal.

Essa metáfora é uma das mais comuns. O metal necessita de ser forjado através de um intenso calor para ganhar forma, assim como a pessoa necessita das lutas diárias para forjar a sua alma e a sua personalidade. Não somos metal, embora o tenhamos na nossa constituição física; e a nossa personalidade não tem propriedades sequer parecidas com a dos metais. Essa metáfora é enganosa, pois muitas lutas diárias, de tão intensas, acabam por ceifar vidas, que não resistem à dor e ao sofrimento. Não devemos aceitar o sofrimento como algo que vai nos polir. Nunca vi o sofrimento me fazer algum bem. O que vai polir o caráter e a alma são o conhecimento e a sabedoria, que vêm da educação. É saber como proceder, fixando os ensinamentos através do coração.


Dizem que o sofrimento é um carma a ser levado, e que não há outro jeito.

Sim e não. Como toda falácia, começa com uma verdade, mas termina com uma enganação. O sofrimento, se for de caráter físico, como uma doença crônica, deve ser levado como carma, mas sempre há um jeito de reduzir seus efeitos. Assim é com o carma. Eu tenho Tireoidite de Hashimoto e não possui cura, mas tratamento. Quando a dosagem do remédio é eficaz, eu nem sinto o problema. O mesmo com o sofrimento. Não o aceite como uma cruz que deve carregar pela vida. Sempre haverá um modo de eliminá-lo, reduzi-lo ou contorná-lo. Como o remédio que faz efeito, eu reduzo o sofrimento causado pela tireoidite. Sempre tente eliminar ou reduzir o sofrimento, de maneira consciente e benéfica. Não se acomode com o que é dito, mas lute pelo seu bem-estar.


Que nossos inimigos são, na verdade, nossos aliados que enxergam nossos defeitos e nos ajudam a superar erros através do sofrimento.

Mais uma tentativa de distorcer uma realidade. Nossos inimigos nunca serão aliados, porque a visão deles nem sempre é correta. Nem sempre nos enxergam como realmente somos. E as palavras deles, com a visão distorcida, causam um sofrimento que não tem desculpa. Fui bancário e minha gerente executiva me perguntou se eu era doente. É claro que ela não se referia à Tireoidite de Hashimoto, a intenção era um ataque ao meu equilíbrio psíquico. O motivo: um atendimento errado, por parte de outros funcionários, que recaiu sobre meus ombros. Não sou doente, e nunca fui. Por ter uma visão distorcida a meu respeito, ela me causou muito mal. Portanto, não aceite o sofrimento que vem com as palavras de seus inimigos. Isso não faz bem algum. Nunca me senti bem depois de sofrimentos e perseguições.


O sofrimento é fruto do pecado.

Um mestre a quem respeito muito já afirmou: “Somos Filhos de Deus Perfeito”. Ora, se somos Filhos de Deus Perfeito, não aceite o sofrimento, que nunca expiará seus pecados através da dor. Ele, sendo Perfeito, sabe perdoar e amar. Se Ele ama e perdoa, o pecado não possui força para subjugar os filhos d’Ele. Então, novamente, não aceite o sofrimento, seja ele qual for.

Escrevo para motivar a todos. Não deixem de lutar contra o sofrimento, somente porque alguém acha que o sofrimento é bom. O sofrimento não é bom. O sofrimento nunca foi bom e nunca será. Dependendo da intensidade, o sofrimento pode, inclusive, deformar o caráter e prejudicar o desenvolvimento, por isso, levante e lute sempre. Estes são os passos que me levaram a inúmeras vitórias. Levante e lute também!   

________________________________________________________________________

Para saber aonde comprar, clique aqui.

Postagens mais visitadas deste blog

Boushoku no Berserk

Berserk of Gluttony: Uma Série Que É Meu "Pecado"! Boushoku no Berserk (Berserk of Gluttony) - Pictures - MyAnimeList.net Fate é um jovem que acreditava ter uma habilidade inútil chamada "Gula", que o mantinha constantemente faminto. Ele era um vassalo em uma casa de cavaleiros sagrados, onde era tratado com desdém, nutrindo uma paixão secreta pela cavaleira Roxy Hart. Ela destaca-se como a única guerreira nobre em um mundo dominado por cavaleiros que abusam de seu poder para oprimir o povo. Quando Fate acidentalmente mata um ladrão enquanto ajuda Roxy, ele descobre que sua habilidade de "Gula" vai além do que parecia. Esse evento o faz perceber os aspectos positivos e negativos de seu "pecado". Comprometido a proteger Roxy, ele decide usar seu poder em prol da casa daquela que sempre o tratou com humanidade e respeito. Baseada em uma novel escrita por Ichika Isshiki , com arte de fame , "Berserk of Gluttony" é serializada desde 2017,

Outros Papos indica: Japanese Noodles Udon Soba Kyoto Hyogo

 Saboreiem! Um canal dedicado à culinária japonesa! Se gostarem, se inscrevam lá!

Traduções ideológicas

Hoje, no blog, não farei recomendações, mas sim uma sugestão. Há uma controvérsia em torno de alterações indesejadas em traduções e legendas de obras japonesas. Se os próprios japoneses começassem a traduzir e legendar seus animes para o Ocidente, essas distorções poderiam ser evitadas. Pergunto-me por que, até agora, os japoneses ainda não optaram por legendarem eles mesmos e disponibilizarem à venda discos com suas obras legendadas em outros idiomas. Isso certamente eliminaria o ruído ideológico e, sem dúvida, eu seria um dos consumidores da mídia física lançada por eles, com legendas "feitas em casa". Na administração, aprendemos que devemos apresentar não apenas os problemas, mas também as soluções. Portanto, considero essa a solução para o problema das alterações ideológicas em obras orientais.