Pular para o conteúdo principal

Hanebado!


Hanebado!
Spoilers! Cuidado!



Sinopse Crunchyroll: “Apesar de ter muito potencial para o badminton, Ayano Hanesaki prefere evitar o esporte. Mas ao conhecer Nagisa Aragaki, uma veterana que passa cada minuto de sua vida aperfeiçoando suas jogadas, ela se sente inspirada. Motivada por seu treinador Tachibana Kentarou, Ayano e Nagisa entram em quadra, disputando partidas emocionantes contra oponentes e rivais incríveis!”

http://www.crunchyroll.com/hanebado


Uma série animada inspirada em um esporte chamado badminton. Eu não imaginei que veria uma animação assim e, muito menos, que eu gostaria tanto dela. A estrutura é diferente do que estamos acostumados com animações do gênero. Em gêneros assim, muitas vezes, acompanhamos a chegada de um personagem iniciante que vai descobrindo segredos e vai se apaixonando pelo esporte, ou a chegada de um personagem veterano que muda a cara de um time que está fadado ao fracasso. Estas são as estruturas mais comuns.

Eu nunca tinha visto a chegada de um vilão a um time. Sim, aguentem o spoiler pesado, a Ayano é uma vilã em quadra. Eu ouso colocar aqui essa revelação, pois é importante para analisar a estrutura da história e, além disso, a série já terminou. Voltando ao personagem, ela é uma espécie de Dr. Jekill e Mr. Hyde. Fora de quadra é um doce, dentro de quadra é uma louca. E a história é totalmente centrada nela e na sua rival: Nagisa. Precisei escrever isso para poder analisar o roteiro. 

Ayano, a vilã!

Freud explica!


A série começa com o primeiro combate entre Ayano e Nagisa, no qual Ayano massacra sua oponente. As lágrimas da Nagisa refletem no interior da Ayano que desiste do badminton. Nagisa parece muito ferida em seu orgulho. Depois, a  série avança no tempo e prossegue com a chegada da Ayano, meio que a contragosto, no time da Nagisa. Nesse momento, começamos a perceber o desenvolvimento psicótico dela em quadra. Para Ayano, em quadra, não basta derrotar a oponente, é necessário humilhar, rir e debochar. Uma postura anti-esportista  que se justifica pela sua criação. O diretor, sempre que pode, usa ângulos e cenas que fazem a Nagisa parecer descontrolada, fria, ausente de empatia. 

Essa postura foi fruto de um relacionamento materno conturbado. Sentindo-se frustrada por ter sido abandonada, ela desenvolve um escudo emocional que a deixa, como já escrevi, sem empatia nenhuma pelas adversárias. Nesse sentido, só poderia acontecer duas coisas com a personagem: ou alguém a ajudava a superar isso, ou ela destruiria suas colegas de esporte. E a série se prende nesse ponto em seu arco final.  



 Nagisa- a capitã!

Será que rolou um clima com o treinador? :)


Se o enredo já definia a Ayano como a vilã, ou como alguém que precisava desesperadamente de uma ajuda, era necessário seu contrapeso. A antagonista seria justamente a capitã que, no passado, havia sido humilhada em quadra pela Ayano. E o enredo a desenvolve nesse sentido. Primeiro, como alguém que precisava superar uma derrota e, depois, como alguém responsável pelo time.

Para superar a derrota, surge o novo técnico do time que a ajuda a curar seu interior e a treina para o combate final contra a Ayano, afinal, todo Luke precisa de um Yoda (hehehe).


Forças Opostas

Assim, no lado negro da força está Ayano e, no lado iluminado, Nagisa. O enredo vai trabalhando esse fato aos pouquinhos. A cada jogo, elas vão se encaminhando para este duelo final. Achei muito interessante a escolha do roteiro. Foi a primeira vez que vi uma série se focar na chegada de uma vilã, até o seu confronto final com outra personagem. Geralmente, o enredo foca-se no herói. E foi uma decisão acertada para esta história em particular, pois quebra uma rotina de eventos e se torna original. Lógico, funcionou aqui, mas uma estrutura semelhante já foi criticada por mim em Chain Chronicle. A diferença entre elas é o sentido de urgência da história central. Existia uma urgência importante que foi negada em Chain Chronicle (quem jogou vai entender o que digo) e que não foi negada em Hanebado! E as transformações e amadurecimento das personagens são o centro deste roteiro que prima por conseguir entreter com uma história sobre um esporte focando, principalmente, em apenas duas personagens. 

 Se desejar ver como terminou esse duelo, assista à animação.

A animação




O primeiro capítulo me conquistou pela animação especial. Muitos detalhes, muitas cenas com movimento, excelentes decisões de ângulos e câmeras. O badminton é um esporte com muito movimento e o diretor honrou o esporte com uma animação excelente. Acreditei que a série poderia ter uma queda de rendimento nos capítulos seguintes, porém, o diretor segurou bem a peteca (hehehe)  e entregou diversos grandes duelos.

Não somente a animação estava com uma qualidade impecável, como também os efeitos sonoros. Um bom efeito sonoro é importante para dar a sensação plena de um duelo e o diretor foi eficiente até nisso. Cada lance das raquetes parecia com imponentes canhões a desferir golpes poderosos. E, assim como desenvolviam efeitos fortes, também desenvolviam sutilezas para defesas calmas, isto é, quando necessário, o diretor inseria o efeito sonoro adequado ao lance que estávamos acompanhando. Ora uma trovoada, ora o bater de asas de um pássaro. Um trabalho genial.


Conclusão

Então, a série teve um desenvolvimento de roteiro que quebrou alguns clichês de maneira interessante. A direção acertou, em muito, na animação e nos efeitos sonoros, por isso, eu dou uma nota 10 para esta série. Infelizmente, o primeiro volume em blu-ray não vendeu bem, então, acredito que esta série ficará apenas com esta temporada. Se você se interessou, assista via Crunchyroll!    

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diego Rox e o Jardim das Borboletas

Diego Rox e o Jardim das Borboletas
Como sabem, sou inscrito do canal do Nando Moura, ou seja, sou um dos “bots” do canal. Sobre este assunto, está até engraçado. Vou escrever sobre isto antes de entrar no assunto. Os adversários que temem a verdade nos ofendem com termos que não condizem com nosso real comportamento. Ficou engraçado, porque, se juntarmos todas as ofensas em uma frase, eu acabo virando um “robô, com recurso de bot, nazista e fascista, que não gosta de odores fortes”, por isso, está engraçado ver esta situação. Fui reduzido a um robô Windows 10, que não gosta de pum.
Ao assunto. Através do vídeo do Nando, sobre o uso de bots, eu acabei conhecendo o canal do Diego Rox. Veja um vídeo abaixo. Ele parece ter uma agenda parecida com a do Nando Moura, isto é, ele é cristão, pois acredita em Deus e em Cristo, prega ação contra a corrupção, homenageia os verdadeiros heróis anônimos, é caridoso e defende a liberdade. Uma agenda que também me aproxima dele, por isso, hoje, esto…

Cavaleira ou Amazona? Veja a resposta!

Amazona ou Cavaleira?
    Em meu tempo de colégio, nas décadas de 80 e 90, nos foi ensinado que o feminino de cavaleiro seria amazona. Em uma prova, um colega marcou o feminino de cavaleiro sendo cavaleira e foi repreendido. Desta forma, fixei amazona como o feminino correto para o termo em questão, ou seja, mulher que anda a cavalo. Ao assistir Walkure Romanze, eu me deparei com a palavra cavaleira e me questionei. Inclusive, alertei-os para a forma que eu julgava correta, mas sem retorno positivo. Deste modo, fui pesquisar para ver se a expressão estaria correta.


    Nestas pesquisas, encontrei um professor que prontamente me respondeu a esta questão. O caso estava solucionado com uma bela lição que, agora, repasso a vocês. Com a palavra o professor Ari Riboldi.
    No meu tempo de estudante, no ensino primário e no ginásio, também se aprendia assim: cavaleiro (masc.), amazona (fem); cavalheiro (masc.), dama (fem.). No entanto, os dicionários registram o termo 'cavaleira' …

Será o Veredito?!

Canal Será o Veredito?!
Foi a primeira recomendação do Youtube que gostei de ter recebido. Sobre o canal: “O Direito tá na mídia! O Direito tá na moda! Um juiz de direito se torna celebridade nacional. Tribunais transmitem suas sessões ao vivo pela televisão. Os meios de comunicação não se cansam de veicular notícias jurídicas. Mas, o mundo jurídico possui formalidades que dificultam a compreensão dos seus temas pelo cidadão que não tem formação no direito. Muito se fala; pouco se explica. Por isso surgiu o "Será o Veredito!?". Um canal que traz informações sobre o direito com uma linguagem simples, clara e objetiva.”



O primeiro vídeo que vi desse canal foi uma resposta ao Bugalho. Uma resposta baseada em livros, mostrando a fonte de seu conhecimento e minando, com ótimos argumentos, a posição de seu opositor. Todos os vídeos que assisti foram assim, com a fonte de leitura em mãos. Ele já se disse de centro-direita, o que o faz ser um aliado natural da liberdade e da proprie…