Pular para o conteúdo principal

Reforma Tributária


Reforma Tributária 2017



A reforma tributária é necessária. Não quer dizer aumento de impostos, mas significa tentar uma melhora da arrecadação para a máquina pública. Diferente do que pensa o Contente (ConTv),  a arrecadação de impostos tem a função de manter o Estado em funcionamento. Sem impostos não teríamos, por exemplo, um exército para defender nossas fronteiras, ou escolas e hospitais para os mais necessitados. Em síntese, “O tributo é toda a prestação precuniária compulsória, em moeda (ou cujo valor pode ser expresso em valor monetário) instituída em lei e cobrada mediante atividade administrativa plenamente vinculada (conceito legal[1])”, portanto, imposto não é roubo, mas é roubado.

E esse é um problema, quando a máquina  pública é muito grande. Assim como uma pessoa magra, teoricamente, come pouco e uma pessoa obesa, teoricamente, come muito, assim é o Estado. Um Estado grande precisa de mais impostos para se manter e gasta mais. Um Estado que gasta mais, puxa a inflação para cima e atrapalha o crescimento. O Estado precisa de mais arrecadação. A arrecadação vem do povo e do ciclo econômico que, em determinado ponto, retrai por causa do imposto (peso morto).  É um ciclo vicioso. É por isso que defendo um Estado mínimo, que só interfira em áreas básicas: segurança, educação e saúde.

A reforma tributária, segundo Graciliano Toni (FIESP), vai estar sintonizada com a otimização da arrecadação, isto é, “Hauly chamou de reengenharia, reconstrução, a mudança no sistema tributário. “Nosso objetivo é usar o sistema tributário para gerar emprego e renda.” Burocracia, corrupção, sonegação, incentivos e sonegação prejudicam a economia, afirmou.” Para tanto, alguns tributos saem de cena e outros entram. Veja imagem abaixo que resume a proposta e clique para ampliar.



O que me deixou um pouco preocupado foi a possibilidade de recriação da CPMF. Adolfo Sachsida (leia) é técnico de planejamento e pesquisa no IPEA, ele afirma e eu destaco:

Do ponto de vista econômico, a qualidade de um imposto é medida por três fatores: a) facilidade e custo da arrecadação; b) montante arrecadado; e c) peso morto associado ao imposto. A CPMF tinha bom desempenho nos itens “a” e “b”, mas é um desastre no item mais importante, o item “c”. A CPMF distorce demais as transações financeiras, com impactos diretos sobre a taxa de juros da economia. Dessa maneira, antes de qualificarmos um imposto como sendo “bom” é fundamental que chequemos as distorções que o mesmo gera na economia”.

O autor da proposta afirmou, em fevereiro deste ano, para a revista Época, que o ponto principal da reforma seria a criação do IVA, então, ao que tudo indica, a CPMF poderá ser descartada. Vamos torcer por isso.

Conclusão

Em resumo, essa proposta, se não está prefeita, vem contribuir para melhorar a arrecadação. Apesar da carga tributária continuar no patamar dos 35% do PIB, eu torço para que o aumento na eficiência da arrecadação venha a trazer prosperidade. Precisamos colocar o Brasil nos trilhos e evitar que sejamos uma Venezuela no futuro. .



Desabafo

 Sim, Temer deveria ter sido afastado, mas, isso não ocorreu, porque ele é extremamente habilidoso como político. Devemos, no entanto, como já afirmei, desassociar a imagem das reformas da imagem dele. Independentemente do presidente, as reformas devem continuar acontecendo, pois são importantes para diminuir o desemprego, gerar renda, crescimento e valor para o povo. A única reforma que me parece prejudicial para o Brasil é a reforma política, pois tem muita coisa errada acontecendo lá. As demais reformas são bem positivas.


Se servir de alento, Temer será investigado após a conclusão de seu mandato. Assim espero.  





[1] Tributo - Direito e Leis. Disponível em:
<http://www.direitoeleis.com.br/index.php?title=Tributo&oldid=4979>. Acesso em: 4 de agosto de 2017.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diego Rox e o Jardim das Borboletas

Diego Rox e o Jardim das Borboletas
Como sabem, sou inscrito do canal do Nando Moura, ou seja, sou um dos “bots” do canal. Sobre este assunto, está até engraçado. Vou escrever sobre isto antes de entrar no assunto. Os adversários que temem a verdade nos ofendem com termos que não condizem com nosso real comportamento. Ficou engraçado, porque, se juntarmos todas as ofensas em uma frase, eu acabo virando um “robô, com recurso de bot, nazista e fascista, que não gosta de odores fortes”, por isso, está engraçado ver esta situação. Fui reduzido a um robô Windows 10, que não gosta de pum.
Ao assunto. Através do vídeo do Nando, sobre o uso de bots, eu acabei conhecendo o canal do Diego Rox. Veja um vídeo abaixo. Ele parece ter uma agenda parecida com a do Nando Moura, isto é, ele é cristão, pois acredita em Deus e em Cristo, prega ação contra a corrupção, homenageia os verdadeiros heróis anônimos, é caridoso e defende a liberdade. Uma agenda que também me aproxima dele, por isso, hoje, esto…

Cavaleira ou Amazona? Veja a resposta!

Amazona ou Cavaleira?
    Em meu tempo de colégio, nas décadas de 80 e 90, nos foi ensinado que o feminino de cavaleiro seria amazona. Em uma prova, um colega marcou o feminino de cavaleiro sendo cavaleira e foi repreendido. Desta forma, fixei amazona como o feminino correto para o termo em questão, ou seja, mulher que anda a cavalo. Ao assistir Walkure Romanze, eu me deparei com a palavra cavaleira e me questionei. Inclusive, alertei-os para a forma que eu julgava correta, mas sem retorno positivo. Deste modo, fui pesquisar para ver se a expressão estaria correta.


    Nestas pesquisas, encontrei um professor que prontamente me respondeu a esta questão. O caso estava solucionado com uma bela lição que, agora, repasso a vocês. Com a palavra o professor Ari Riboldi.
    No meu tempo de estudante, no ensino primário e no ginásio, também se aprendia assim: cavaleiro (masc.), amazona (fem); cavalheiro (masc.), dama (fem.). No entanto, os dicionários registram o termo 'cavaleira' …

Será o Veredito?!

Canal Será o Veredito?!
Foi a primeira recomendação do Youtube que gostei de ter recebido. Sobre o canal: “O Direito tá na mídia! O Direito tá na moda! Um juiz de direito se torna celebridade nacional. Tribunais transmitem suas sessões ao vivo pela televisão. Os meios de comunicação não se cansam de veicular notícias jurídicas. Mas, o mundo jurídico possui formalidades que dificultam a compreensão dos seus temas pelo cidadão que não tem formação no direito. Muito se fala; pouco se explica. Por isso surgiu o "Será o Veredito!?". Um canal que traz informações sobre o direito com uma linguagem simples, clara e objetiva.”



O primeiro vídeo que vi desse canal foi uma resposta ao Bugalho. Uma resposta baseada em livros, mostrando a fonte de seu conhecimento e minando, com ótimos argumentos, a posição de seu opositor. Todos os vídeos que assisti foram assim, com a fonte de leitura em mãos. Ele já se disse de centro-direita, o que o faz ser um aliado natural da liberdade e da proprie…