Pular para o conteúdo principal

Convite à Felicidade



Uma coisa que aprendi é que a leitura dignifica o espírito, pois torna o coração sábio. Um coração sábio é fundamental para se desenvolver um espírito aguçado, forte e determinado. O livro ensina ao que lê, assim como um professor. Nesse sentido, devemos buscar a leitura que melhor simboliza nossas raízes e preceitos lógicos, para alimentá-los com o que há de melhor.


São estes alguns pontos fundamentais sobre a leitura. Com base nisso, pensei em indicar uma leitura que está me ajudando muito. Como sabem, tenho enfrentado alguns problemas de saúde e tenho exercitado minha leitura com livros sobre culinária, nutrição e livros semelhantes. Entretanto, o que indico agora é um conforto ao espírito.


Convite à Felicidade, volume 2, de Masaharu Taniguchi é um livro leve que comporta muito da filosofia vivida pela Seicho-no-ie. São 365 breves passagens, em apenas 137 páginas, que demonstram como a visão de mundo pode alterar a vida de uma pessoa. Inicialmente escrito em 1959, já estando na sua 14ª edição no Brasil, o livro continua sendo tão agradável quanto uma brisa refrescante em um dia quente.


Em suas páginas, Taniguchi evoca o melhor modo de se viver, que é considerando a mente como criadora de tudo. Exercitando este pensamento diariamente, somos compelidos a enxergar as coisas como boas, naturais e benéficas. Se existe o mal, ele é apenas uma ilusão da mente que ainda dorme. Em suas próprias palavras, "todos os tormentos são curados quando a mente se volta para Deus, da mesma forma que a treva se apaga ao se voltar para a luz".


A primeira parte do livro, em especial, é um grande resumo do que prega a filosofia da Seicho-no-ie. Vou explicar um pouco. Masaharo Taniguchi a criou como uma filosofia de vida, mas o Ministério da Cultura (Japão) a inseriu como religião. Desta forma, os conceitos apresentados no livro demonstram um pouco desta mistura entre filosofia e religião. Já nas primeiras páginas, somos apresentados aos conceitos de Kami, Espírito e Matéria. Como Deus, sendo a Mente Universal, transmuta a matéria (do nada ao tudo).  É uma leitura interessante sobre o pensamento religioso asiático.


Atenção, embora uma brisa refrescante possa reconfortar em um dia quente, ela também pode incomodar. O livro, assim como o símbolo que usei para defini-lo, demonstra isso claramente.  Certos trechos incomodam, pois referem-se a conceitos que não são de domínio da filosofia e nem tampouco da religião, mas da ciência e, embora seja interessante ver como o autor os relaciona, incomodou-me um pouco. Também não concordo quando Taniguchi afirma que a mente é tudo, pois se o fosse, e nossos pensamentos alcançassem o poder que ele diz, eu seria uma pessoa completamente diferente, bem como a minha vida, então, não acredito em todo esse poder que ele alega que a mente possui. Logicamente, acredito, sim, na força do pensamento e na força de vontade que muda destinos, embora não na mesma proporção que encontrei no livro.


A conclusão que cheguei é que este livro é um doce alento se interpretado na medida certa. O livro também é um bom promotor do otimismo, do bom pensamento e da busca pela felicidade verdadeira, isto é, aquela felicidade que não se embasa em coisas materiais, mas na sensação de estar vivo, nos sentimentos e pensamentos que promovem mudanças. "A verdadeira alegria do homem não é o prazer sentido no corpo. A sua verdadeira alegria  é a alegria sentida ao vivificar Deus que habita o seu íntimo."




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diego Rox e o Jardim das Borboletas

Diego Rox e o Jardim das Borboletas
Como sabem, sou inscrito do canal do Nando Moura, ou seja, sou um dos “bots” do canal. Sobre este assunto, está até engraçado. Vou escrever sobre isto antes de entrar no assunto. Os adversários que temem a verdade nos ofendem com termos que não condizem com nosso real comportamento. Ficou engraçado, porque, se juntarmos todas as ofensas em uma frase, eu acabo virando um “robô, com recurso de bot, nazista e fascista, que não gosta de odores fortes”, por isso, está engraçado ver esta situação. Fui reduzido a um robô Windows 10, que não gosta de pum.
Ao assunto. Através do vídeo do Nando, sobre o uso de bots, eu acabei conhecendo o canal do Diego Rox. Veja um vídeo abaixo. Ele parece ter uma agenda parecida com a do Nando Moura, isto é, ele é cristão, pois acredita em Deus e em Cristo, prega ação contra a corrupção, homenageia os verdadeiros heróis anônimos, é caridoso e defende a liberdade. Uma agenda que também me aproxima dele, por isso, hoje, esto…

Cavaleira ou Amazona? Veja a resposta!

Amazona ou Cavaleira?
    Em meu tempo de colégio, nas décadas de 80 e 90, nos foi ensinado que o feminino de cavaleiro seria amazona. Em uma prova, um colega marcou o feminino de cavaleiro sendo cavaleira e foi repreendido. Desta forma, fixei amazona como o feminino correto para o termo em questão, ou seja, mulher que anda a cavalo. Ao assistir Walkure Romanze, eu me deparei com a palavra cavaleira e me questionei. Inclusive, alertei-os para a forma que eu julgava correta, mas sem retorno positivo. Deste modo, fui pesquisar para ver se a expressão estaria correta.


    Nestas pesquisas, encontrei um professor que prontamente me respondeu a esta questão. O caso estava solucionado com uma bela lição que, agora, repasso a vocês. Com a palavra o professor Ari Riboldi.
    No meu tempo de estudante, no ensino primário e no ginásio, também se aprendia assim: cavaleiro (masc.), amazona (fem); cavalheiro (masc.), dama (fem.). No entanto, os dicionários registram o termo 'cavaleira' …

Será o Veredito?!

Canal Será o Veredito?!
Foi a primeira recomendação do Youtube que gostei de ter recebido. Sobre o canal: “O Direito tá na mídia! O Direito tá na moda! Um juiz de direito se torna celebridade nacional. Tribunais transmitem suas sessões ao vivo pela televisão. Os meios de comunicação não se cansam de veicular notícias jurídicas. Mas, o mundo jurídico possui formalidades que dificultam a compreensão dos seus temas pelo cidadão que não tem formação no direito. Muito se fala; pouco se explica. Por isso surgiu o "Será o Veredito!?". Um canal que traz informações sobre o direito com uma linguagem simples, clara e objetiva.”



O primeiro vídeo que vi desse canal foi uma resposta ao Bugalho. Uma resposta baseada em livros, mostrando a fonte de seu conhecimento e minando, com ótimos argumentos, a posição de seu opositor. Todos os vídeos que assisti foram assim, com a fonte de leitura em mãos. Ele já se disse de centro-direita, o que o faz ser um aliado natural da liberdade e da proprie…