Pular para o conteúdo principal

O Povo e a Constituição

A multidão e a Constituição de 1988

“Eu não estou aqui subordinado à multidão, estou subordinado à Constituição.” (Ministro Barroso em 12/09/2013 – Sessão Plenária de quinta-feira).

     Confesso que esta foi uma frase que me instigou profundamente, pois mexeu com duas palavras que sempre andaram juntas: povo e constituição. E é algo que possui raízes definidas e diversas terminologias. Vamos entender melhor este pensamento?



     Vamos começar pelo mais simples, que é a interpretação gramatical do verbete “multidão”. A “multidão”, segundo dicionário online deportuguês, é “Ajuntamento de pessoas ou de coisas. Montão, grande número. O povo, o populacho”.  Podemos entender que uma multidão é uma parcela grande de pessoas reunidas, que representam o povo, ou parte de um povo. Isso é importante, para os parágrafos seguintes, pois é do povo que emana o poder conforme será demonstrado. Já o povo é um grupo de pessoas que compartilha a mesma língua, território e costumes (orais e escritos).

    Agora, um pouco de história. O movimento “Diretas Já” nos leva a conhecer mais de um movimento popular pois, segundo o Brasil Escola: “Reconhecida como uma das maiores manifestações populares já ocorridas no país, a “Diretas Já!” foi marcada por enormes comícios onde figuras perseguidas pela ditadura militar, membros da classe artística, intelectuais e representantes de outros movimentos, militavam pela aprovação do projeto de lei. Em janeiro de 1984, cerca de 300.000 pessoas se reuniram na Praça da Sé, em São Paulo. Três meses depois, um milhão de cidadãos tomou o Rio de Janeiro. Algumas semanas depois, cerca de 1,7 milhão de pessoas se mobilizaram em São Paulo”. (Texto corrigido por mim)

    Em 1988, criou-se a nova Constituição da República Federativa do Brasil, que é a que está em vigor até hoje e que, segundo o site do Planalto, foi assim originada: “No Brasil, a Constituição de 1988 foi elaborada pelo Congresso Constituinte, composto por deputados e senadores eleitos democraticamente em 1986 e empossados em fevereiro de 1987”. Aqui temos outra palavra essencial para tentar entender esta história: Poder Constituinte. O Poder Constituinte pode ser Originário ou Derivado. Vamos nos apegar unicamente ao termo Poder Constituinte. O professor EsdrasDantas de Souza assim define:

“Poder constituinte é a manifestação soberana da suprema vontade política de um povo, social e juridicamente organizado” (Prof. Esdras Dantas:2009)


    O Preâmbulo da Constituição de 1988 assim se inicia: “Nós, representantes do povo brasileiro...” e, mais adiante, no Título I- Dos Princípios Fundamentais, no artigo 1º, no parágrafo único, também está definido: “Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição.

    Ora, a multidão, a que se refere o ministro Barroso, é o povo do qual emana o poder. O povo que motivou a “Diretas Já”, cuja existência permite a força da Norma Constitucional. O povo que, segundo Presidente da OAB (Marcus Vinícius Furtado Côelho), é o Senhor da Constituição, como ele afirma em entrevista, ao Estadão, em 26 de junho de 2013, ipsis litteris: “O Brasil não aceita o argumento de que o povo é despreparado para votar. O povo deve ser consultado porque é o senhor da Constituição, o senhor do Estado".

    Então, se a Constituição é, e está, subordinada ao poder do povo, sendo este o senhor do Estado, bem como a multidão é o povo nas ruas pedindo justiça, logo, entende-se que tanto o ministro Barroso, como todos os demais ministros do STF, estão em subordinação ao povo (multidão) quer de forma direta, quer de forma indireta.

Imagens Históricas- Perfil do Facebook
Poema abaixo retirado do site Citador define a visão do poeta sobre o poder do povo! 

Porque o Povo Diz VerdadesPorque o povo diz verdades, 
Tremem de medo os tiranos, 
Pressentindo a derrocada 
Da grande prisão sem grades 
Onde há já milhares de anos 
A razão vive enjaulada. 

(...) 

António Aleixo, in "Este Livro que Vos Deixo..."



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diego Rox e o Jardim das Borboletas

Diego Rox e o Jardim das Borboletas
Como sabem, sou inscrito do canal do Nando Moura, ou seja, sou um dos “bots” do canal. Sobre este assunto, está até engraçado. Vou escrever sobre isto antes de entrar no assunto. Os adversários que temem a verdade nos ofendem com termos que não condizem com nosso real comportamento. Ficou engraçado, porque, se juntarmos todas as ofensas em uma frase, eu acabo virando um “robô, com recurso de bot, nazista e fascista, que não gosta de odores fortes”, por isso, está engraçado ver esta situação. Fui reduzido a um robô Windows 10, que não gosta de pum.
Ao assunto. Através do vídeo do Nando, sobre o uso de bots, eu acabei conhecendo o canal do Diego Rox. Veja um vídeo abaixo. Ele parece ter uma agenda parecida com a do Nando Moura, isto é, ele é cristão, pois acredita em Deus e em Cristo, prega ação contra a corrupção, homenageia os verdadeiros heróis anônimos, é caridoso e defende a liberdade. Uma agenda que também me aproxima dele, por isso, hoje, esto…

Cavaleira ou Amazona? Veja a resposta!

Amazona ou Cavaleira?
    Em meu tempo de colégio, nas décadas de 80 e 90, nos foi ensinado que o feminino de cavaleiro seria amazona. Em uma prova, um colega marcou o feminino de cavaleiro sendo cavaleira e foi repreendido. Desta forma, fixei amazona como o feminino correto para o termo em questão, ou seja, mulher que anda a cavalo. Ao assistir Walkure Romanze, eu me deparei com a palavra cavaleira e me questionei. Inclusive, alertei-os para a forma que eu julgava correta, mas sem retorno positivo. Deste modo, fui pesquisar para ver se a expressão estaria correta.


    Nestas pesquisas, encontrei um professor que prontamente me respondeu a esta questão. O caso estava solucionado com uma bela lição que, agora, repasso a vocês. Com a palavra o professor Ari Riboldi.
    No meu tempo de estudante, no ensino primário e no ginásio, também se aprendia assim: cavaleiro (masc.), amazona (fem); cavalheiro (masc.), dama (fem.). No entanto, os dicionários registram o termo 'cavaleira' …

Será o Veredito?!

Canal Será o Veredito?!
Foi a primeira recomendação do Youtube que gostei de ter recebido. Sobre o canal: “O Direito tá na mídia! O Direito tá na moda! Um juiz de direito se torna celebridade nacional. Tribunais transmitem suas sessões ao vivo pela televisão. Os meios de comunicação não se cansam de veicular notícias jurídicas. Mas, o mundo jurídico possui formalidades que dificultam a compreensão dos seus temas pelo cidadão que não tem formação no direito. Muito se fala; pouco se explica. Por isso surgiu o "Será o Veredito!?". Um canal que traz informações sobre o direito com uma linguagem simples, clara e objetiva.”



O primeiro vídeo que vi desse canal foi uma resposta ao Bugalho. Uma resposta baseada em livros, mostrando a fonte de seu conhecimento e minando, com ótimos argumentos, a posição de seu opositor. Todos os vídeos que assisti foram assim, com a fonte de leitura em mãos. Ele já se disse de centro-direita, o que o faz ser um aliado natural da liberdade e da proprie…