Pular para o conteúdo principal

Thundercats 2011- Remake ou Spinoff?


Thundercats- 2011
Seria um remake ou um spinoff?





    Sei que é uma produção americana, em conjunto com estúdio japonês 4ºC, mas vale a análise, pois nunca as restringi realizando, inclusive, as de séries de terror (The Walking Dead) e livros em geral. Escrevo isso para esclarecer que basta cair no meu conhecimento, e ter algo atraente na produção, para estar por aqui.


    As diferenças entre a produção clássica, e a nova roupagem dos Thundercats, é tão gritante que não se deve pensar em uma forma de remake da história de 1983, mas em um spinoff. Um remake, ao meu ver, não deve alterar tão substancialmente a história original. Nildo Viana, no link acima, já nos esclarece que um remake não é uma alteração drástica no enredo ou em outros elementos significativos.


“No entanto, se houver muitas mudanças, então não será apenas um remake, mas uma nova versão, um novo filme, no qual o primeiro serve (ou nem sequer serve) como inspiração.”


     Faço uma comparação com edições de livros, para que fique clara essa minha definição. Ao realizar um livro, editando-o, é necessário criar para ele um ISBN que sirva como base para sua identificação em todo o mundo, porém, se houver uma nova edição, e o livro tiver alterado mais de 20% de seu conteúdo, é necessário um novo ISBN. Criando uma simples analogia para o caso de remakes e spinoffs considero remake a obra que não alterar mais de 20% do conteúdo original e um spinoff é aquela obra que alterou mais de 20% do conteúdo do original.


    Thundercats 2011 possui diversos elementos, tão diferentes do original, que considero esta produção um spinoff e exemplifico aqui esta minha consideração mostrando elementos de design de personagens e de enredo que são diferentes da série clássica. Possui spoilers!



Elementos da história (SPOILER)



    Thundera não é um planeta moribundo, prestes a explodir em uma super-nova, mas um planeta bem saudável. Possui diversas regiões já mostradas. Thunderianos são um povo militarmente constituído, com inimigos territoriais. Uma realidade do tipo “capa & espada” como nos mostra RPGs do gênero. Lion-o e Tygra são irmãos (adotivos). Mumm-ra não é um feiticeiro do Terceiro Mundo, mas uma ameaça Thunderiana e que criou a pedra que confere poder à Espada Justiceira.




    Talvez a diferença mais gritante seja a do personagem principal. Diferentemente da versão clássica, que nos leva a conhecer um Lion-o que havia envelhecido, acidentalmente, durante a sua viagem para escapar da moribunda Thundera, o Lion-o desta nova versão cresce naturalmente. Isso causou mais impacto, pois havia uma desculpa para a imaturidade de Lion-o, na versão de 1983, entretanto, embora este novo Lion-o seja mais pensativo e conhecedor de seu meio, ele também é imaturo e causa diversas confusões. Tornou-se um personagem meio difícil, para mim, de se gostar. Além disso, Lion-o e Tygra brigam em demasia, dando a entender que Tygra sente uma certa inveja de seu irmão e “Senhor dos Thundercats”. Há uma clara divergência de opinião entre eles.


    Existem outras diferenças entre as duas obras, tais como Cheetara ser uma clériga ao comando de Jaga, Panthro e Lynx serem generais do exército do pai de Lion-O, mas quero passar adiante e mostrar as características de design que diferem entre as obras.  



Design da obra


    A obra possui diferenças entre as versões de 1983 e de 2011. Começando pelo Lion-O novamente. Em 1983, mesmo hibernando toda a sua juventude, criou-se um guerreiro forte. Já a versão de 2011, exercitando-se ao extremo, nem chega perto do físico de sua versão passada.





    Outra personagem com uma alteração gritante é a Cheetara. De uma mulher madura, para uma sensual e jovem  guerreira. Mais feminina, inclusive no olhar, ela está bem mais simpática!




    Nesta nova versão, os personagens possuem rabos. Sim, são felinos em quase todo o aspecto físico de seu design. Achei isso legal, pois trouxe nova vida ao character design.




    O símbolo dos Thundercats é uma joia vermelha, sem o grande logo de um felino negro aparecendo, como na versão de 1983. Disso eu não gostei.




    Poderia, também, comentar o rabo de cavalo, ao estilo samurai, de Panthro, ou a roupa militar usada pelo Tygra, mas acho que provei meu ponto quanto às alterações realizadas que perfazem mais de 20% da obra.





Conclusão



    A nova obra prova que não é um remake, mas um spinoff. Agora vem a pergunta: e é bom? Ambas as obras possuem seus pontos fortes e fracos. Mas a versão antiga ainda se apresenta com um enredo melhor. Elas possuem, em seus enredos principais, chaves em comum: um jovem que tem que descobrir um novo mundo, ser líder de um grupo de sobreviventes, crescer em sentimentos e aprender a conviver. Isso é fato comum entre as obras. Todavia, a direção de 1983 parece ser mais segura e competente que a de 2011. A espada tinha uma justificativa, ela era a segurança do jovem Lion-o. Quando aquele símbolo aparecia, nos céus do terceiro mundo, em 1983, e a aquela música clássica começava a tocar, com uma animação frenética, sabíamos que o clímax havia chegado. Era tudo muito bem sincronizado com um enredo muito bom. A versão de 2011 perdeu muito dessa eficiência. Também chocou-me ao afirmar que Mumm-Ra comandava todos os animais da história e que o "Olho de Thundera" nem era de Thundera. 




    Se vale? Como remake não! Nem se incomodem em assistir. Como spinoff, de uma realidade alternativa, vale muito! Vale cada segundo de exibição! Benditos sejam os roteiristas que usaram o termo “realidade alternativa” para ficção científica, pois, com isso, muitas obras se salvaram.     

Comentários

  1. Pra que tanta pesquisa para tentar rotular as coisas?
    TC2011 não é nem remake nem spinoff.
    É classificada por todos como um reboot.
    Mas como se passa exatamente no mesmo terceiro planeta, porém centenas de anos após os primeiros felinos chegarem e derrotarem Mun-Ra, seria simplesmente uma sequel. Os personagens que vemos são reencarnações dos heróis originais, que em função da proximidade do cumprimento das profecias se reuniram para combater o mal.
    As características de personalidades foram bem escolhidas e atualizadas para identificação com o adolescente atual.E consegue passar a moral da estória sem precisar usar aquele infalível epílogo com aquela musiquinha chata.

    O ep 4 - A canção dos Petalars, é meu predileto. Ninguém consegue deixar de pensar na insignificância do ser humano ao ver Lion travar amizade com um ser cujo ciclo de vida é apenas um dia, e que em sua noção de tempo nos vê como nós vemos as sequoias.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá! Rotular é necessário, pois é um processo para se entender alguma coisa. Todo elemento necessita de pesquisa, desde uma simples chupeta, até o universo como um todo. O homem só vai se entender, como ser em evolução, se conseguir pesquisar (rotular) tudo que lhe represente. Estudos de comunicação são necessários para que possamos entender o que está sendo passado adiante e sendo deixado para outras gerações. Eu te agradeço o complemento ao texto aqui escrito. Realmente, TC 2011 pode ser considerado um reboot da série, com certeza, mas ainda prefiro definir como spinoff, pois um reboot dá a entender um processo de reinício, e isso significaria que a série clássica não mais existiria na cronologia da história. Ao definir como spinoff, eu deixo a série clássica intacta e abro espaço para que estas histórias novas possam ser contadas, sem a sensação de perda de suas raízes. Também achei interessante o capítulo 4. Obrigado pela contribuição ao texto! :)

      Excluir
  2. Realmente para quem assistiu a todos os episódios da serie original essa nova serie causa confusão e um pouco de decepção, seja encarada como Reboo,Remake ou seja oq for houve mudanças que foram drásticas demais e é claramente perceptível que se importaram apenas com o publico mais jovem ou com aqueles que não conheciam a serie original, chega a ser ridículo sobre Mumm-Ra ja ser uma ameaça em thundera e por ter criado a pedra que da poder a espada justiceira, se tem algo de bom nesse novo desenho foi de conheçer o pai de Lion e Jaga, ver Lynx tb foi legal pq se me lembra bem ele parece em um episódio da serie original, ou seja tem pontos bons a serie nova como os traços (os robos e tudo mais em HD é maravilhoso) mais realmente peca por terem viajado em algumas coisas, ao meu ver o certo seria alguns episódios com eles em thundera ate a destruição e ai sim enviados ao terceiro mundo onde começariam a enfrentar Mumm-Ra etc.. a partir poderiam viajar um pouco na maionese com a historia.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Olá! Comentários com ofensas não serão permitidos. Todos os comentários serão moderados.

Postagens mais visitadas deste blog

Diego Rox e o Jardim das Borboletas

Diego Rox e o Jardim das Borboletas
Como sabem, sou inscrito do canal do Nando Moura, ou seja, sou um dos “bots” do canal. Sobre este assunto, está até engraçado. Vou escrever sobre isto antes de entrar no assunto. Os adversários que temem a verdade nos ofendem com termos que não condizem com nosso real comportamento. Ficou engraçado, porque, se juntarmos todas as ofensas em uma frase, eu acabo virando um “robô, com recurso de bot, nazista e fascista, que não gosta de odores fortes”, por isso, está engraçado ver esta situação. Fui reduzido a um robô Windows 10, que não gosta de pum.
Ao assunto. Através do vídeo do Nando, sobre o uso de bots, eu acabei conhecendo o canal do Diego Rox. Veja um vídeo abaixo. Ele parece ter uma agenda parecida com a do Nando Moura, isto é, ele é cristão, pois acredita em Deus e em Cristo, prega ação contra a corrupção, homenageia os verdadeiros heróis anônimos, é caridoso e defende a liberdade. Uma agenda que também me aproxima dele, por isso, hoje, esto…

Cavaleira ou Amazona? Veja a resposta!

Amazona ou Cavaleira?
    Em meu tempo de colégio, nas décadas de 80 e 90, nos foi ensinado que o feminino de cavaleiro seria amazona. Em uma prova, um colega marcou o feminino de cavaleiro sendo cavaleira e foi repreendido. Desta forma, fixei amazona como o feminino correto para o termo em questão, ou seja, mulher que anda a cavalo. Ao assistir Walkure Romanze, eu me deparei com a palavra cavaleira e me questionei. Inclusive, alertei-os para a forma que eu julgava correta, mas sem retorno positivo. Deste modo, fui pesquisar para ver se a expressão estaria correta.


    Nestas pesquisas, encontrei um professor que prontamente me respondeu a esta questão. O caso estava solucionado com uma bela lição que, agora, repasso a vocês. Com a palavra o professor Ari Riboldi.
    No meu tempo de estudante, no ensino primário e no ginásio, também se aprendia assim: cavaleiro (masc.), amazona (fem); cavalheiro (masc.), dama (fem.). No entanto, os dicionários registram o termo 'cavaleira' …

Será o Veredito?!

Canal Será o Veredito?!
Foi a primeira recomendação do Youtube que gostei de ter recebido. Sobre o canal: “O Direito tá na mídia! O Direito tá na moda! Um juiz de direito se torna celebridade nacional. Tribunais transmitem suas sessões ao vivo pela televisão. Os meios de comunicação não se cansam de veicular notícias jurídicas. Mas, o mundo jurídico possui formalidades que dificultam a compreensão dos seus temas pelo cidadão que não tem formação no direito. Muito se fala; pouco se explica. Por isso surgiu o "Será o Veredito!?". Um canal que traz informações sobre o direito com uma linguagem simples, clara e objetiva.”



O primeiro vídeo que vi desse canal foi uma resposta ao Bugalho. Uma resposta baseada em livros, mostrando a fonte de seu conhecimento e minando, com ótimos argumentos, a posição de seu opositor. Todos os vídeos que assisti foram assim, com a fonte de leitura em mãos. Ele já se disse de centro-direita, o que o faz ser um aliado natural da liberdade e da proprie…