Pular para o conteúdo principal

Antologia do Pequeno Rato

 Não é um exemplo de literatura gótica, apesar de ter animais fantásticos que falam, mas possui o sofrimento da alma da literatura gótica. É um clamor sofrido de um pequeno ser que está preso em um ambiente de experimentos e só tem no seu cientista o seu observador e, quem sabe, seu salvador. É uma metáfora para os sentimentos de traição, perda e dor de ser agredido e não ter a força necessária para reagir. Tudo isso é gótico. 

Yamada-kun to Lv999 no Koi wo Suru, My Love Story with Yamada-kun at Lv999

 

Yamada-kun to Lv999 no Koi wo Suru - Pictures - MyAnimeList.net

Atualmente, os shonen/shounen (segundo o dicionário de Oxford shounen não flexiona no plural, ou seja, permanece shounen, isto é, o shounen e os shounen) produzidos estão com histórias bem sombrias e depressivas, com exceção de obras-primas como Demon Slayer que ainda mantém os conceitos clássicos de shounen em uma dimensão magistral. Demon Slayer consegue manter os conceitos de amor, família, amizade e trabalho em equipe, esforço pessoal e espiritualidade em um nível acima da qualidade máxima dos melhores shounen já criados. Os conceitos citados eram os conceitos primordiais de um bom shounen, mas as editoras estão passando por cima desses pilares e estão apresentando obras mais tristes e depressivas, lutando contra a tradição (Jujutsu Kaisen), lutando contra conservadores (Spy x Family), lutando contra o heroísmo (O Lendário Herói Está Morto), ou, simplesmente, apresentando histórias que mostram personagens principais longe do status de heróis, sem um grande propósito na vida (Chainsaw Man). Se bem que Spy x Family ainda possui mais qualidades que defeitos. Vou comentar sobre isso na sexta-feira. Por esse motivo, tenho me apegado mais a histórias românticas e as estou assistindo com mais interesse, assim como tenho visto mais obras com “slice-of-life” (recortes da vida, ou seja, histórias que mostram o cotidiano de trabalhadores e pessoas levando uma vida normal, como em “Meu veterano é irritante” – tradução minha).

 


Nessa questão, surgiu, na temporada passada, uma obra romântica chamada “Yamada-kun to Lv999 no Koi wo Suru, My Love Story with Yamada-kun at Lv999”, que ficou conhecida no Brasil como “Minha história de amor com o Yamada”.  Série romântica classificada como A14, no estilo shoujo, que conta a história da Akane Kinoshita que, após levar um fora do namorado, que a trocou por outra garota, decide se vingar do ex-namorado em um evento offline de um jogo que ambos costumavam jogar juntos, mas acaba por conhecer Yamada, um jovem jogador prodígio que, por coincidência, está na mesma guilda que ela no jogo. Acontece que o Yamada não tem jeito com mulheres e nem se interessa por romance, bem diferente da universitária Akane (sim, ela é mais velha que ele).

 

A história desenvolve o relacionamento dos dois e, também, os relacionamentos dela com outros jogadores da mesma guilda. É a comédia romântica shoujo clássica: o evento que une o destino de duas pessoas que irão se apaixonar no futuro e a obra vai te levando a conhecer esse trajeto, que ambos irão caminhar, até que virem um casal. Com direito ao melhor que esse estilo de obra pode oferecer que é o enlace emocional e o desenvolvimento introspectivo do amor que ambos passarão até culminar propriamente dito na declaração/confissão dos sentimentos e no amor entre eles. É algo que eu acho sensacional. E essa obra é excelente ao conduzir o leitor/espectador por esse trajeto, isto é, por essa caminhada que ambos farão até o destino os unir de uma vez.

 

A obra, escrita originalmente por Mashiro, para a revista Ganma!,  que já conta com sete volumes, e que ainda continua em publicação, é interessante porque ninguém se interessaria pela trajetória do amor de dois personagens, se estes personagens não fossem queridos  e carismáticos. O ponto principal, que eu vejo, em um shoujo de sucesso, é fazer com que o leitor fique tão encantado com os personagens que acabe por torcer pela felicidade deles e Mashiro aqui consegue êxito.


 Akane é uma pessoa descontraída, cheia de trejeitos e manias que o Yamada acha estranho, mas o Yamada também possui suas manias e seu jeito frio de ser. Por conta da simpatia que o autor consegue transmitir pela Akane, para nós, eu fiquei torcendo para que a Akane conseguisse quebrar o gelo do Yamada (que é até monossilábico) e que eles pudessem ficar juntos. Ou seja, na medida que eu comecei a torcer por eles, Mashiro conseguiu sucesso ao transmitir os sentimentos dos personagens para mim como leitor/espectador. Sentimentos são um dos pilares essenciais de uma obra shoujo. Akane consegue te envolver nos dramas dela e te faz querer ser até amigo dela. E isso é algo tremendamente forte em se tratando de transmissão de sentimentos via obra. Como comunicador e escritor, eu busco sempre esse enlace, essa qualidade nas obras que eu analiso e vejo. Provavelmente, penso assim porque a Akane se mostra aberta, simpática e, por algumas vezes, vulnerável. Seus trejeitos e suas expressões faciais fazem com que você se identifique com suas emoções. E seu drama é tão próximo dos dramas reais (quem nunca se desiludiu com um romance?) que você até pensa: “É, eu te entendo”! E, por conta disso, você pode acabar sofrendo uma  espécie de catarse que pode te ajudar a lidar com a dor da perda de  um amor.  (Significados: “O termo provém do grego “kátharsis” e é utilizado para designar o estado de libertação psíquica que o ser humano vivencia quando consegue superar algum trauma como medo, opressão ou outra perturbação psíquica. Através de terapias clínicas como a hipnose ou a regressão, é possível resgatar as memórias que provocaram o trauma, levando o indivíduo a atingir diferentes emoções que podem conduzir à cura”.).

 

Enfim, a história funciona porque os personagens são importantes para você de um jeito que você se envolve com o drama e torce por eles. É uma história muito legal e não é pesada, pois a classificação indicativa mostra que é um shoujo (história destinada para um público feminino adolescente) para maiores de 14 anos. Se gostou dessa análise, dê uma chance para essa obra!

 

Ficha- My Anime List

 Elenco

Momoko Maeda: Saori Oonishi (Fuufu Ijou, Koibito Miman.)

Takezou Kamota: Nobuo Tobita (Osomatsu-san)

Yukari Tsubaki: Rio Tsuchiya (Cue!)

 

Equipe

Art Director: Tomoyuki Shimizu (Cardcaptor Sakura: Clear Card-hen)

Color Design: Harue Oono (Sora yori mo Tooi Basho)

3D Director: Hayabusa Aragaki

Director of Photography: Junko Sakai (Jibaku Shounen Hanako-kun)

Editing: Kashiko Kimura (Kawaii dake ja Nai Shikimori-san)

Sound Director: Jin Aketagawa (Ijiranaide, Nagatoro-san)

Sound Effects: Yui Andou (Otonari no Tenshi-sama ni Itsunomanika Dame Ningen ni Sareteita Ken)

Producer: Egg Firm

Postagens mais visitadas deste blog

Ghost in the Shell

Máquinas vivas; Um fantasma surge; O homem virtual. Ghost in the Shell está mais próximo do que pensamos! 

Boushoku no Berserk

Berserk of Gluttony: Uma Série Que É Meu "Pecado"! Boushoku no Berserk (Berserk of Gluttony) - Pictures - MyAnimeList.net Fate é um jovem que acreditava ter uma habilidade inútil chamada "Gula", que o mantinha constantemente faminto. Ele era um vassalo em uma casa de cavaleiros sagrados, onde era tratado com desdém, nutrindo uma paixão secreta pela cavaleira Roxy Hart. Ela destaca-se como a única guerreira nobre em um mundo dominado por cavaleiros que abusam de seu poder para oprimir o povo. Quando Fate acidentalmente mata um ladrão enquanto ajuda Roxy, ele descobre que sua habilidade de "Gula" vai além do que parecia. Esse evento o faz perceber os aspectos positivos e negativos de seu "pecado". Comprometido a proteger Roxy, ele decide usar seu poder em prol da casa daquela que sempre o tratou com humanidade e respeito. Baseada em uma novel escrita por Ichika Isshiki , com arte de fame , "Berserk of Gluttony" é serializada desde 2017,

Ciclos de revolução: A Quarta Revolução!

Ciclos de Revolução: A Quarta Revolução Revisão: ChatGPT Estamos vivenciando a quarta revolução industrial/tecnológica, e muito tem sido discutido sobre os potenciais danos que esta revolução pode causar ao tecido social, incluindo desemprego e outras adversidades. Procuro refletir sobre o futuro com base no passado, observando no presente os mesmos receios que nossos antepassados enfrentaram nas três revoluções industriais anteriores. Começo com uma conversa que tive com uma taxista, para então discorrer sobre algumas das revoluções passadas. Durante uma parada em uma lanchonete que estava instalando terminais de autoatendimento no último ano, tive uma conversa: “Taxista: --- Estão instalando essas máquinas para substituir trabalho humano. Muitos caixas estão perdendo seus empregos. Isso é o capitalismo! Eu: --- Por outro lado, a tecnologia, ao eliminar um posto de trabalho (caixa de atendimento), cria outras necessidades. A lanchonete precisará de profissionais para manutenção de sof