Pular para o conteúdo principal

Anime Friends 2019


Anime Friends 2019



O evento ocorreu em São Paulo, no centro de convenções do Anhembi, nos dias 12, 13 e 14 de julho de 2019. Segundo reportagem do G1, contou com a presença de 60 mil pessoas. O evento nos trouxe muitas atrações, como, por exemplo, uma conversa interessante com o representante da Crunchyroll para a nossa região, além de o Ultraman Heroes. Você pode conferir o que aconteceu, clicando nesse link (clique) .



Eu poderia ter escrito uma matéria sobre o evento, mas, no jornalismo existe a preocupação de se informar algo novo, que esteja acontecendo no momento. Quando se deixa passar, quando o momento esfria, a matéria perde importância, ou seja, deixa de ser “quente”. Por esse motivo, escreverei aqui breves linhas sobre o evento, como uma espécie de registro do que aconteceu pelo meu olhar como fã, não como jornalista.

Heróis da minha juventude!


Entrada e espaço interno

O primeiro ponto que observei foi a organização do evento que permitiu que poucas filas ocorressem na entrada, bem como na agilidade do pessoal de frente em administrar qualquer aglomerado que se formasse. Foi fácil chegar ao guichê de atendimento e pegar minha credencial. Deixei minha doação com os escoteiros, e rapidamente me desloquei para a fila VIP. Sim, fui de entrada VIP para testar melhor a equipe. E, com a agilidade da equipe, entrei com rapidez no evento.

Pelo espaço interno do centro de convenções, achei que os estandes estavam muito perto uns dos outros e, por isso, o evento estava com corredores apertados e áreas vazias e sem uso. Deveria ter uma organização melhor do espaço. O mapa que nos entregam na entrada é bem útil, mas o importante mesmo é sair andando e conhecendo tudo, mas, antes, fiz uma pausa para alimentação.

Restaurantes e quiosques


Fiquei feliz em ver a quantidade de opções que tínhamos na praça de alimentação e em pontos específicos que se observava ao percorrer o evento. Além de inúmeros restaurantes, tínhamos variedade. Comidas típicas do oriente e um bom e velho bufê com comida brasileira e quiosques com pizza, hambúrgueres e salgadinhos. Fui comer no restaurante brasileiro, preparei-me para andar e tirei umas fotos.

Após andar um pouco, retornei para fazer uso do meu cupom VIP. Escolhi um bao (baozi) vegetariano. Nunca tinha comido um. O pão era adocicado, muito fofo e com bastante recheio. Não afetou minha glicemia em nada, então, está muito mais do que aprovado.

Atrações




Participei da conversa com o pessoal da Crunchyroll. Uma área bem preparada, na qual o responsável pela nossa região, se não me engando ele se chama Yuri, começou a falar sobre a empresa, o site, o sistema de distribuição, bem como novas atrações e situações do nosso mercado. Acabei por descobrir que o Brasil é o quarto maior país em número de assinantes e que Fire Force foi adquirida pela Sato Company. Foi conversado sobre o futuro da plataforma e planos da Warner (atual proprietária da CR). A plataforma continuará sendo exclusiva para animês, porém, algumas atrações serão levadas para outras plataformas e para a rede Brasil, aumentando a presença da marca em outros espaços.





Saindo dali, fui dar uma olhada nos estandes. Comprei algumas figures, fui até o estande da CR, adquiri uma camisa para minha mãe e dois pôsteres (Shield Hero e Fairy Tail). Ou seja, deixei meu lado otaku se divertir um pouco. Sempre desviando de pessoas que estavam tirando fotos, e passando por um ou outro youtuber. Falando nisso, fiz questão de parar e conversar um pouco com o Kushida, que é advogado e tem um canal no Youtube no qual ele joga e comenta processos.





Depois de muito andar, parei para descansar e assisti um pouquinho do Ultraman Heroes. Foi uma espécie de teatro com efeitos especiais, bem ao estilo Ultra. Uma atração bem legal.  


Ao fim da minha jornada


Ao fim da minha jornada, com muitos pacotes, muito conhecimento, eu me despedi do evento com uma boa sensação. Bem organizado, com boas atrações e um pessoal muito respeitoso, o Anime Friends realmente merece o sucesso que faz. Só sugiro uma melhor ocupação dos espaços do centro de convenções e uma área VIP maior para descanso, pois estava sempre cheia. No mais, um evento realmente muito bom!






Postagens mais visitadas deste blog

Outros Papos Indica: O Cérebro que se Transforma

Norman Doidge é psiquiatra, psicanalista e pesquisador da Columbia University Center of Psychoanlytic Training and Research, em New York, e também psiquiatra da Universidade de Toronto (Canadá). Ele é o autor deste livro que indico a leitura. O livro, segundo o próprio editor, “reúne casos que detalham o progresso surpreendente de pacientes” que demonstram como o cérebro consegue ser plástico e mutável. Pacientes como Bárbara que, apesar da assimetria cerebral grave, na qual existia retardo em algumas funções e avanço em outras, conseguiu se graduar e pós-graduar. Um espanto para quem promove a teoria de que o cérebro humano é um órgão estático, com pouca ou nenhuma capacidade de se adaptar. “ Creio que a ideia de que o cérebro pode mudar sua própria estrutura e função por intermédio do pensamento e da atividade é a mais importante alteração em nossa visão desse órgão desde que sua anatomia fundamental e o funcionamento de seu componente básico, o neurônio, foram esboçados pela p

TOP 3 de séries que merecem remake!

 Existem muitas séries da década de 90, na minha opinião, que mereciam um remake (manter a obra original, apenas contando novamente a história, com a tecnologia atual disponível). Vou citar aqui 3 delas. Estas séries foram escolhidas, pois são séries que ainda mexem comigo, que ainda gosto e que ainda lembro delas como se tivesse as assistido ontem. Esse foi o critério de seleção para esse simples TOP 3, de séries da década de 90, que mereciam um remake.  Oh My Goddess A série mesmo começou em 1988, encerrando-se em 2014, contendo um total de 48 volumes. Ela entra na lista por conta do seu primeiro OVA, lançado em 1993, cabendo perfeitamente nessa lista. A animação realizada pelo studio AIC foi uma das mais belas que já vi e promoveu a criação de outras séries, sendo que a última, se não me engano, terminou em 2013, com outro OVA. Já se passaram quase 10 anos desde a sua conclusão. Um remake dessa série, contando-a do começo a o fim, seria uma ótima celebração. O mangá vendeu mais de 4

Antologia Scortecci 40 Anos!

Antologia para edição especial de aniversário de 40 anos da Scortecci editora, para a 26ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo (2022) e, enfim, para ser a edição comemorativa dos 100 anos da Semana de Arte Moderna. Como as poesias já fazem parte desse blog, não faria sentido reescrevê-las, então, deixo aqui cópias das páginas da minha colaboração. Foi uma honra poder ter participado de tão nobre edição comemorativa. Obrigado pela oportunidade.     Primeira parte: Segunda parte: