Pular para o conteúdo principal

O amor que vence!

O amor que vence,    Estações testemunham,    É fortaleza;    Abraça o amor, sempre,   Ele te defenderá.   Um clipe musical oficial feito para comemorar o encerramento da série. Achei lindo e a música é formidável! Mostra o final da série e o momento lindo em que a maldição enfim é quebrada e ambos podem se tocar pela primeira vez.  Traduzido do vídeo acima: --- Quer tocar, mas não pode ― O amor mútuo mais triste do mundo.   Finalmente, o anime de TV chega ao grandioso fim!   #TheDukeOfDeathAndHisMaid Bocchan e Alice comemoram o casamento 💍   Um vídeo de casamento que revisita a trajetória dos dois até agora foi lançado!   Você pode ouvir a versão arranjada da música tema de abertura da primeira temporada, "Full Moon and Silhouette Night ~Wedding Ver.~" em uma versão mais longa do que na série. ▼Versão completa de "Full Moon and Silhouette Night ~Wedding Ver.~"   [Link](https://lnk.to/74T9Mn6A)   Disponível a partir de 24/06 à meia-noite **Elenco:** - Bocchan: #Nat

Cultura japonesa e a influência em animês

CULTURA JAPONESA E A INFLUÊNCIA EM ANIMÊS


 


Quando soube que o governo japonês utilizaria animês e mangás para investir em um “poder suave”, que divulgaria o país, eu achei a proposta interessante.


 


“Apenas recentemente o governo japonês acordou para esse potencial, patrocinando eventos internacionais de animês e mangás - cujas séries são exportadas para dezenas de países - e nomeando embaixadores que rodam o mundo promovendo fenômenos antes encarados como subcultura.” (Cláudia Sarmento- o Globo)


 


Em meu estudo de 2005, eu já havia concluído que o mangá é uma mistura de crenças e valores que o identifica como um fator de identidade cultural, um sujeito pós-moderno. Mas alertava que esse sujeito pós-moderno possui muitos “eus” empurrando em direções diferentes. Então, comecei a estudar o enredo de mangás e animês (que possui um espaço neste blog) para verificar se, de fato, animês possuem esse poder de divulgação da cultura japonesa. É necessário, então, verificar o que os japoneses expressam como seu “eu”, ou seja, sua cultura, em animês. Já identifiquei que os desenhos possuem enredos com traços da religiosidade dominante, ou seja, eles difundem a religião japonesa.


Agora, identifico que os animês possuem traços da cultura japonesa.  Jô Takahashi, da Fundação Japão, já havia dito que uma das essências da arte japonesa é a sugestão. Ele complementa: “você sugere, não diz.” Logo, a arte transmite sem a necessidade de dizer. Tomemos como cultura japonesa, além da religião, que aqui já foi revelada, os seguintes elementos encontrados no site do Consulado Geral do Japão e tentemos buscá-los em animês.


1.0-       Bunraku- teatro de bonecos. Teve seu auge no período Edo.







 


2.0– Teatro Kabuki. É um dos gêneros mais representativos do teatro japonês. Foi criado por uma atendente do santuário xintoísta de Izumo. Significa: Ka (cantar), Bu (dançar), Ki (representar). Composto de música e dança, o Kabuki é reconhecido pela interpretação exagerada e a maquiagem que substitui as máscaras usadas no teatro No. Como Jo Takahashi disse, “a arte é uma sugestão”, é difícil achar um vídeo específico que mostre o Kabuki em anime, mas é fácil achar sugestões do teatro em animês, pois vemos referências a ele em personagens como Jiraiya de Naruto.







 


3.0-       Castelo de Himeji. Localizado na província de Hyogo é o representante fiel da arquitetura japonesa e representa o estilo arquitetônico clássico do século 17.







 


4.0-       Cerimônia do Chá. Não está representado no site do Consulado Geral do Japão, mas é identidade cultural japonesa. Cliquem aqui para ler sobre a cerimônia. Como no exemplo sobre o kabuki, é difícil achar um vídeo sobre um animê que fale do chanoyu, mas referências a isto são feitas em inúmeras séries: como quando Kenshin convida Aoshi (Samurai X) para conversarem e Aoshi diz que prefere beber um chá com o Himura. Em outro capítulo, Kenhsin prepara o chá para o Aoshi.







 


 


5.0-       Origami. Arquitetura de papéis. Para conhecer mais sobre origami, cliquem aqui- Unesp


 







6.0-       Ukiyo-e são xilogravuras e, segundo meu entendimento, contribuíram para a construção estética e narrativa dos mangás. Novamente, uma sugestão de imagens de um ukiyo-e na abertura de Saber Marionettes J.







 


7.0-       Shogi. O xadrez japonês. Cliquem aqui para conhecer!







 


Não pretendo esgotar toda a influência da cultura japonesa em animês, mesmo porque seria um trabalho árduo e que necessitaria de mais tempo, mas fica claro, por este simples resumo, que os animês, possuindo estas características da cultura japonesa, são capazes de divulga-las ao mundo e, realmente, servem ao propósito noticiado na matéria do “O Globo”.  

Postagens mais visitadas deste blog

Ghost in the Shell

Máquinas vivas; Um fantasma surge; O homem virtual. Ghost in the Shell está mais próximo do que pensamos! 

Boushoku no Berserk

Berserk of Gluttony: Uma Série Que É Meu "Pecado"! Boushoku no Berserk (Berserk of Gluttony) - Pictures - MyAnimeList.net Fate é um jovem que acreditava ter uma habilidade inútil chamada "Gula", que o mantinha constantemente faminto. Ele era um vassalo em uma casa de cavaleiros sagrados, onde era tratado com desdém, nutrindo uma paixão secreta pela cavaleira Roxy Hart. Ela destaca-se como a única guerreira nobre em um mundo dominado por cavaleiros que abusam de seu poder para oprimir o povo. Quando Fate acidentalmente mata um ladrão enquanto ajuda Roxy, ele descobre que sua habilidade de "Gula" vai além do que parecia. Esse evento o faz perceber os aspectos positivos e negativos de seu "pecado". Comprometido a proteger Roxy, ele decide usar seu poder em prol da casa daquela que sempre o tratou com humanidade e respeito. Baseada em uma novel escrita por Ichika Isshiki , com arte de fame , "Berserk of Gluttony" é serializada desde 2017,

Ciclos de revolução: A Quarta Revolução!

Ciclos de Revolução: A Quarta Revolução Revisão: ChatGPT Estamos vivenciando a quarta revolução industrial/tecnológica, e muito tem sido discutido sobre os potenciais danos que esta revolução pode causar ao tecido social, incluindo desemprego e outras adversidades. Procuro refletir sobre o futuro com base no passado, observando no presente os mesmos receios que nossos antepassados enfrentaram nas três revoluções industriais anteriores. Começo com uma conversa que tive com uma taxista, para então discorrer sobre algumas das revoluções passadas. Durante uma parada em uma lanchonete que estava instalando terminais de autoatendimento no último ano, tive uma conversa: “Taxista: --- Estão instalando essas máquinas para substituir trabalho humano. Muitos caixas estão perdendo seus empregos. Isso é o capitalismo! Eu: --- Por outro lado, a tecnologia, ao eliminar um posto de trabalho (caixa de atendimento), cria outras necessidades. A lanchonete precisará de profissionais para manutenção de sof