segunda-feira, 29 de maio de 2017

A Poesia sente orgulho? São 14 anos servindo-a!


E já são 14 anos de poesia!

Sim, completei 14 anos de poesias. Com o lançamento do “Despertar do Amor”, em 2003, acabei por realizar 14 anos de atividade como poeta e autor. Nestes 14 anos, meus poemas foram se alterando. Fiz no Twitter um resumo das alterações, e características da minha poesia,  que eu pude observar,  deixando aqui as mais importantes observações.



1-    Na minha poesia não existe uma realidade. Existe uma expectativa e um desejo do ter. Existe o amor pelas ideias. Não existe o amor por ti.
2-    Na minha poesia não existe experiência, mas virtualidade. Na relatividade, alcanço minha certeza de que não tenho certeza de nada.
3-    Já criei poemas para símbolos cujo significado remete a algo mais puro que os seres viventes.
4-    O "Despertar do Amor" foi meu descuido. Muita paixão levou à falta de atenção. O poema se machucou. A poesia ainda não me perdoou.
5-    Hoje, minha poesia não chora por ela. Ela tem outras musas. Poesia solitária que almeja o surreal irreal.
6-    Sim, minha poesia, ainda criança, apaixonou-se. Paixão que levou à solidão. Desde então, minha poesia nunca mais chorou.

Escolhi 6 mensagens das 12 que escrevi no Twitter para definir um pouco minha caminhada como poeta. .E os poemas, que representam alguma destas características, estão reunidos em um livro disponível via Amazon (clique).


Foram mais de 50 livros (antologias e livros próprios) e os fiz com orgulho. Será que a Poesia sente orgulho de mim?