Pular para o conteúdo principal

Mangá Of The Dead- Editora JBC

Manga of the Dead- JBC



    A editora JBC lançou mais uma obra inspirada nas histórias sobre zumbis. A crença em zumbis começou a ser difundida no ocidente através de dois trabalhos, que são: White Zombie (um filme de 1932) e A Serpente e o Arco-Íris (um livro de 1986) do antropólogo Wade Davis. Eles deram origem ao mito no ocidente, mas essa prática existe como crença religiosa em alguns países, como mostra este texto da revista Mundo Estranho:


“Trata-se, na verdade, de um culto religioso praticado nas ilhas caribenhas chamadas Antilhas, principalmente o Haiti, baseado em rituais de possessão e com origem africana - obviamente, parente do candomblé brasileiro e da santería cubana. Para os adeptos do vodu, o zumbi seria como um morto-vivo, fabricado por feiticeiros ressuscitando um cadáver, para transformá-lo em um trabalhador braçal sem vontade própria - mais que um escravo, um autômato de carne”.


    O grande impulso da onda zumbi se deu com os filmes de George Romero. Eu não poderia escrever sobre zumbis, sem deixar de falar do mestre que levou esta onda ao seu ápice e deu origem a uma grande gama de filmes semelhantes. Romero, com seu filme “A Noite dos Mortos-Vivos” (1968), implementou todos os clichês que nós vemos hoje em produções recentes.





    Pois é nessa onda que surgiu uma antologia de trabalhos curtos, de diversos autores, que foi lançada pela editora JBC. O interessante nessa obra é ver como esse mito é visto no oriente. “Elevando ao máximo os já clássicos personagens e situações dos filmes de terror, a obra busca mostrar sob a perspectiva nipônica o que é o mito zumbi e como ele pode ser explorado. A publicação traz nomes como Katsuya Terada, Rei Hiroe e Hiroaki Samura, não somente nas histórias, mas também apresentando belíssimas ilustrações de tirar o sono de qualquer leitor desavisado”.


    Além disso, a presença de histórias curtas traz um ritmo ótimo e, acredito, não enfadonho. Falando um pouco destes três citados no release, Katsuya Terada foi character design do filme Blood- The Last Vampire, já Rei Hiroe é responsável por Black Lagoon e, por fim, a obra mais conhecida de Hiroaki Samura é Blade- A Lâmina do Imortal. Não existe um fã que não conheça estes trabalhos.  Mas existem outros grandes autores participando desta antologia.  Cito todos, com suas respectivas histórias, exatamente como está no release da JBC:

 Os Capítulos: 

And I Love Her – Katsuya Terada  
Zumbis e família são duas coisas que não se misturam. Como agir quando seus entes queridos estão em perigo? E o principal, como agir quando ELES são o perigo?!! 

Dead and Fail to Die - Kino Hitoshi  
Para todos os lados que se olha, a morte parece a barreira final. Mas e se ela for somente mais uma etapa?! E se, a partir da morte, a verdadeira batalha comece? Dois irmãos perderam tudo, mas ganharam a oportunidade de combater os mortos-vivos que assolam o mundo. 

Crianças, não vivam com Cadáveres! — Sachiko Uguisu  
O papel dos pais é educar os filhos e protegê-los do mal. Por outro lado, quando os próprios pais sucumbem ao vírus dos mortos-vivos cabe a um casal de pequenos irmãos enfrentar um mundo repleto de sombras e escuridão.

 Zumbi — Toranosuke Shimada  
Uma reunião de formandos sempre é repleta de notícias e fofocas sobre os ex-colegas. Alguns casaram, tiveram filhos, trocaram de emprego. Outros, por outro lado, não tiveram tanta sorte. O destino de alguns sempre pode ser um tanto mais, macabro.

 O Campo das Almas Mortas — Masaya Hokazono  
Aceitar que aqueles que amamos se foram para sempre é, muitas vezes, doloroso. Alguns preferem procurar meios alternativos de lidar com a perda e, ainda, existem aqueles que farão de tudo para rever seus entes queridos. Porém, aquilo que está morto, não pode voltar a vida. Ou será que pode?!

 Shonen Zombie — Shin-ichi HIROMOTO  
O humor também é um velho amigo dos zumbis. Em meio a várias histórias de tensão e medo, por que não relaxar e aproveitar uma boa piada recheada de tiros, explosões e, claro, um pouco de sangue?

 Fight Of The Living Dead — Tomohiro Koizumi 
Vencer no MMA era o sonho de sua vida e um bom lutador não desiste de seus objetivos por nada! Acompanhe a hilária trajetória de um sonhador e o dia mais importante da sua (não) vida.

 Homem Solvente Orgânico: Organogel — Atsushi Fukao  
Uma jovem caçadora de zumbis perdida em uma jornada sangrenta em busca de seu avô. Zumbis, mortes e momentos de tensão nesta história graficamente carregada e completamente surreal.


    Então, gostou de alguma história? Esta antologia já está sendo vendida exclusivamente pelo site da Livraria Cultura. Clique paracomprar! 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diego Rox e o Jardim das Borboletas

Diego Rox e o Jardim das Borboletas
Como sabem, sou inscrito do canal do Nando Moura, ou seja, sou um dos “bots” do canal. Sobre este assunto, está até engraçado. Vou escrever sobre isto antes de entrar no assunto. Os adversários que temem a verdade nos ofendem com termos que não condizem com nosso real comportamento. Ficou engraçado, porque, se juntarmos todas as ofensas em uma frase, eu acabo virando um “robô, com recurso de bot, nazista e fascista, que não gosta de odores fortes”, por isso, está engraçado ver esta situação. Fui reduzido a um robô Windows 10, que não gosta de pum.
Ao assunto. Através do vídeo do Nando, sobre o uso de bots, eu acabei conhecendo o canal do Diego Rox. Veja um vídeo abaixo. Ele parece ter uma agenda parecida com a do Nando Moura, isto é, ele é cristão, pois acredita em Deus e em Cristo, prega ação contra a corrupção, homenageia os verdadeiros heróis anônimos, é caridoso e defende a liberdade. Uma agenda que também me aproxima dele, por isso, hoje, esto…

Cavaleira ou Amazona? Veja a resposta!

Amazona ou Cavaleira?
    Em meu tempo de colégio, nas décadas de 80 e 90, nos foi ensinado que o feminino de cavaleiro seria amazona. Em uma prova, um colega marcou o feminino de cavaleiro sendo cavaleira e foi repreendido. Desta forma, fixei amazona como o feminino correto para o termo em questão, ou seja, mulher que anda a cavalo. Ao assistir Walkure Romanze, eu me deparei com a palavra cavaleira e me questionei. Inclusive, alertei-os para a forma que eu julgava correta, mas sem retorno positivo. Deste modo, fui pesquisar para ver se a expressão estaria correta.


    Nestas pesquisas, encontrei um professor que prontamente me respondeu a esta questão. O caso estava solucionado com uma bela lição que, agora, repasso a vocês. Com a palavra o professor Ari Riboldi.
    No meu tempo de estudante, no ensino primário e no ginásio, também se aprendia assim: cavaleiro (masc.), amazona (fem); cavalheiro (masc.), dama (fem.). No entanto, os dicionários registram o termo 'cavaleira' …

Será o Veredito?!

Canal Será o Veredito?!
Foi a primeira recomendação do Youtube que gostei de ter recebido. Sobre o canal: “O Direito tá na mídia! O Direito tá na moda! Um juiz de direito se torna celebridade nacional. Tribunais transmitem suas sessões ao vivo pela televisão. Os meios de comunicação não se cansam de veicular notícias jurídicas. Mas, o mundo jurídico possui formalidades que dificultam a compreensão dos seus temas pelo cidadão que não tem formação no direito. Muito se fala; pouco se explica. Por isso surgiu o "Será o Veredito!?". Um canal que traz informações sobre o direito com uma linguagem simples, clara e objetiva.”



O primeiro vídeo que vi desse canal foi uma resposta ao Bugalho. Uma resposta baseada em livros, mostrando a fonte de seu conhecimento e minando, com ótimos argumentos, a posição de seu opositor. Todos os vídeos que assisti foram assim, com a fonte de leitura em mãos. Ele já se disse de centro-direita, o que o faz ser um aliado natural da liberdade e da proprie…