Pular para o conteúdo principal

Cultura japonesa e a influência em animês

CULTURA JAPONESA E A INFLUÊNCIA EM ANIMÊS


 


Quando soube que o governo japonês utilizaria animês e mangás para investir em um “poder suave”, que divulgaria o país, eu achei a proposta interessante.


 


“Apenas recentemente o governo japonês acordou para esse potencial, patrocinando eventos internacionais de animês e mangás - cujas séries são exportadas para dezenas de países - e nomeando embaixadores que rodam o mundo promovendo fenômenos antes encarados como subcultura.” (Cláudia Sarmento- o Globo)


 


Em meu estudo de 2005, eu já havia concluído que o mangá é uma mistura de crenças e valores que o identifica como um fator de identidade cultural, um sujeito pós-moderno. Mas alertava que esse sujeito pós-moderno possui muitos “eus” empurrando em direções diferentes. Então, comecei a estudar o enredo de mangás e animês (que possui um espaço neste blog) para verificar se, de fato, animês possuem esse poder de divulgação da cultura japonesa. É necessário, então, verificar o que os japoneses expressam como seu “eu”, ou seja, sua cultura, em animês. Já identifiquei que os desenhos possuem enredos com traços da religiosidade dominante, ou seja, eles difundem a religião japonesa.


Agora, identifico que os animês possuem traços da cultura japonesa.  Jô Takahashi, da Fundação Japão, já havia dito que uma das essências da arte japonesa é a sugestão. Ele complementa: “você sugere, não diz.” Logo, a arte transmite sem a necessidade de dizer. Tomemos como cultura japonesa, além da religião, que aqui já foi revelada, os seguintes elementos encontrados no site do Consulado Geral do Japão e tentemos buscá-los em animês.


1.0-       Bunraku- teatro de bonecos. Teve seu auge no período Edo.







 


2.0– Teatro Kabuki. É um dos gêneros mais representativos do teatro japonês. Foi criado por uma atendente do santuário xintoísta de Izumo. Significa: Ka (cantar), Bu (dançar), Ki (representar). Composto de música e dança, o Kabuki é reconhecido pela interpretação exagerada e a maquiagem que substitui as máscaras usadas no teatro No. Como Jo Takahashi disse, “a arte é uma sugestão”, é difícil achar um vídeo específico que mostre o Kabuki em anime, mas é fácil achar sugestões do teatro em animês, pois vemos referências a ele em personagens como Jiraiya de Naruto.







 


3.0-       Castelo de Himeji. Localizado na província de Hyogo é o representante fiel da arquitetura japonesa e representa o estilo arquitetônico clássico do século 17.







 


4.0-       Cerimônia do Chá. Não está representado no site do Consulado Geral do Japão, mas é identidade cultural japonesa. Cliquem aqui para ler sobre a cerimônia. Como no exemplo sobre o kabuki, é difícil achar um vídeo sobre um animê que fale do chanoyu, mas referências a isto são feitas em inúmeras séries: como quando Kenshin convida Aoshi (Samurai X) para conversarem e Aoshi diz que prefere beber um chá com o Himura. Em outro capítulo, Kenhsin prepara o chá para o Aoshi.







 


 


5.0-       Origami. Arquitetura de papéis. Para conhecer mais sobre origami, cliquem aqui- Unesp


 







6.0-       Ukiyo-e são xilogravuras e, segundo meu entendimento, contribuíram para a construção estética e narrativa dos mangás. Novamente, uma sugestão de imagens de um ukiyo-e na abertura de Saber Marionettes J.







 


7.0-       Shogi. O xadrez japonês. Cliquem aqui para conhecer!







 


Não pretendo esgotar toda a influência da cultura japonesa em animês, mesmo porque seria um trabalho árduo e que necessitaria de mais tempo, mas fica claro, por este simples resumo, que os animês, possuindo estas características da cultura japonesa, são capazes de divulga-las ao mundo e, realmente, servem ao propósito noticiado na matéria do “O Globo”.  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diego Rox e o Jardim das Borboletas

Diego Rox e o Jardim das Borboletas
Como sabem, sou inscrito do canal do Nando Moura, ou seja, sou um dos “bots” do canal. Sobre este assunto, está até engraçado. Vou escrever sobre isto antes de entrar no assunto. Os adversários que temem a verdade nos ofendem com termos que não condizem com nosso real comportamento. Ficou engraçado, porque, se juntarmos todas as ofensas em uma frase, eu acabo virando um “robô, com recurso de bot, nazista e fascista, que não gosta de odores fortes”, por isso, está engraçado ver esta situação. Fui reduzido a um robô Windows 10, que não gosta de pum.
Ao assunto. Através do vídeo do Nando, sobre o uso de bots, eu acabei conhecendo o canal do Diego Rox. Veja um vídeo abaixo. Ele parece ter uma agenda parecida com a do Nando Moura, isto é, ele é cristão, pois acredita em Deus e em Cristo, prega ação contra a corrupção, homenageia os verdadeiros heróis anônimos, é caridoso e defende a liberdade. Uma agenda que também me aproxima dele, por isso, hoje, esto…

Cavaleira ou Amazona? Veja a resposta!

Amazona ou Cavaleira?
    Em meu tempo de colégio, nas décadas de 80 e 90, nos foi ensinado que o feminino de cavaleiro seria amazona. Em uma prova, um colega marcou o feminino de cavaleiro sendo cavaleira e foi repreendido. Desta forma, fixei amazona como o feminino correto para o termo em questão, ou seja, mulher que anda a cavalo. Ao assistir Walkure Romanze, eu me deparei com a palavra cavaleira e me questionei. Inclusive, alertei-os para a forma que eu julgava correta, mas sem retorno positivo. Deste modo, fui pesquisar para ver se a expressão estaria correta.


    Nestas pesquisas, encontrei um professor que prontamente me respondeu a esta questão. O caso estava solucionado com uma bela lição que, agora, repasso a vocês. Com a palavra o professor Ari Riboldi.
    No meu tempo de estudante, no ensino primário e no ginásio, também se aprendia assim: cavaleiro (masc.), amazona (fem); cavalheiro (masc.), dama (fem.). No entanto, os dicionários registram o termo 'cavaleira' …

Será o Veredito?!

Canal Será o Veredito?!
Foi a primeira recomendação do Youtube que gostei de ter recebido. Sobre o canal: “O Direito tá na mídia! O Direito tá na moda! Um juiz de direito se torna celebridade nacional. Tribunais transmitem suas sessões ao vivo pela televisão. Os meios de comunicação não se cansam de veicular notícias jurídicas. Mas, o mundo jurídico possui formalidades que dificultam a compreensão dos seus temas pelo cidadão que não tem formação no direito. Muito se fala; pouco se explica. Por isso surgiu o "Será o Veredito!?". Um canal que traz informações sobre o direito com uma linguagem simples, clara e objetiva.”



O primeiro vídeo que vi desse canal foi uma resposta ao Bugalho. Uma resposta baseada em livros, mostrando a fonte de seu conhecimento e minando, com ótimos argumentos, a posição de seu opositor. Todos os vídeos que assisti foram assim, com a fonte de leitura em mãos. Ele já se disse de centro-direita, o que o faz ser um aliado natural da liberdade e da proprie…