Pular para o conteúdo principal

A Bela Sintra- Brasília

CRÍTICA

 

Retirado da versão antiga do Outros Papos (UOL). 


Restaurante A Bela Sintra abriu, mês passado, um estabelecimento em Brasília. Até criei coragem para visitar. Quem acompanha o meu blog sabe que fiquei com reservas a restaurantes caros por causa da minha experiência com o Gero (Iguatemi Brasília)! Pois criei coragem, economizei e fui verificar. Estava tenso, até escondi meu carrinho em uma quadra residencial para evitar olhares dos maitres que recebiam os clientes. Pois o ambiente ficou leve, por uma providência de um deus cômico, por causa de uma moto. Explico. Cheguei muito sério à porta do suntuoso restaurante, quando uma moto estacionada em frente a uma pizzaria caiu sozinha e quase bateu em um carro, que estava estacionado ao lado. Todos riram, o gelo e a tensão foram embora. Um alívio para mim. A equipe foi muito cordial e atenta a todo o serviço. Não deixaram os copos esvaziarem, trocaram porções do couvert, quando necessário, foram prestativos e pacientes inclusive na indecisão de minha mãe ao escolher uma sobremesa. O ambiente é tão bonito que só posso caracterizar como de bom gosto, clássico e sublime. Os pratos foram servidos sem demora. Para mim, um “Camarão ao Champanhe acompanhado de arroz com maçãs”. Um prato delicado, com uma apresentação interessante e um gosto equilibrado. Quase não se percebia o champanhe e o arroz balanceava o camarão. Minha mãe pediu o “Bife à ‘a Bela Sintra”. Minha mãe definiu-o como sofisticado e bem servido. As sobremesas estavam com uma apresentação ótima e daí surgiu a dúvida de minha mãe para a escolha da sobremesa adequada. Pedi uma sobremesa clássica da casa- “Sericaia do Alentejo”. Minha mãe pediu “Toucinho do Céu”. Ótimas. Sericaia assemelha-se a um leve e saboroso pudim de leite, e eu adoro pudim. O café veio com muitos acompanhamentos, como o famoso “Pastel de Belém”. Não resisti e, mesmo satisfeito, provei o famoso pastel. Sensacional, porque a massa estava crocante e o interior cremoso. O preço? Cerca de 300 reais, para toda essa apresentação e sabor, então achei bem mais barato que o Gero e muito superior na culinária, no serviço e na arquitetura. Esse, com certeza, vai levar alguma estrela do Guia 4 Rodas!


 




SHCS Quadra 105, conjunto 35 Brasília


Telefone: 61 3244 3386




 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diego Rox e o Jardim das Borboletas

Diego Rox e o Jardim das Borboletas
Como sabem, sou inscrito do canal do Nando Moura, ou seja, sou um dos “bots” do canal. Sobre este assunto, está até engraçado. Vou escrever sobre isto antes de entrar no assunto. Os adversários que temem a verdade nos ofendem com termos que não condizem com nosso real comportamento. Ficou engraçado, porque, se juntarmos todas as ofensas em uma frase, eu acabo virando um “robô, com recurso de bot, nazista e fascista, que não gosta de odores fortes”, por isso, está engraçado ver esta situação. Fui reduzido a um robô Windows 10, que não gosta de pum.
Ao assunto. Através do vídeo do Nando, sobre o uso de bots, eu acabei conhecendo o canal do Diego Rox. Veja um vídeo abaixo. Ele parece ter uma agenda parecida com a do Nando Moura, isto é, ele é cristão, pois acredita em Deus e em Cristo, prega ação contra a corrupção, homenageia os verdadeiros heróis anônimos, é caridoso e defende a liberdade. Uma agenda que também me aproxima dele, por isso, hoje, esto…

Cavaleira ou Amazona? Veja a resposta!

Amazona ou Cavaleira?
    Em meu tempo de colégio, nas décadas de 80 e 90, nos foi ensinado que o feminino de cavaleiro seria amazona. Em uma prova, um colega marcou o feminino de cavaleiro sendo cavaleira e foi repreendido. Desta forma, fixei amazona como o feminino correto para o termo em questão, ou seja, mulher que anda a cavalo. Ao assistir Walkure Romanze, eu me deparei com a palavra cavaleira e me questionei. Inclusive, alertei-os para a forma que eu julgava correta, mas sem retorno positivo. Deste modo, fui pesquisar para ver se a expressão estaria correta.


    Nestas pesquisas, encontrei um professor que prontamente me respondeu a esta questão. O caso estava solucionado com uma bela lição que, agora, repasso a vocês. Com a palavra o professor Ari Riboldi.
    No meu tempo de estudante, no ensino primário e no ginásio, também se aprendia assim: cavaleiro (masc.), amazona (fem); cavalheiro (masc.), dama (fem.). No entanto, os dicionários registram o termo 'cavaleira' …

Será o Veredito?!

Canal Será o Veredito?!
Foi a primeira recomendação do Youtube que gostei de ter recebido. Sobre o canal: “O Direito tá na mídia! O Direito tá na moda! Um juiz de direito se torna celebridade nacional. Tribunais transmitem suas sessões ao vivo pela televisão. Os meios de comunicação não se cansam de veicular notícias jurídicas. Mas, o mundo jurídico possui formalidades que dificultam a compreensão dos seus temas pelo cidadão que não tem formação no direito. Muito se fala; pouco se explica. Por isso surgiu o "Será o Veredito!?". Um canal que traz informações sobre o direito com uma linguagem simples, clara e objetiva.”



O primeiro vídeo que vi desse canal foi uma resposta ao Bugalho. Uma resposta baseada em livros, mostrando a fonte de seu conhecimento e minando, com ótimos argumentos, a posição de seu opositor. Todos os vídeos que assisti foram assim, com a fonte de leitura em mãos. Ele já se disse de centro-direita, o que o faz ser um aliado natural da liberdade e da proprie…