Pular para o conteúdo principal

Jornalismo está morto!


Jornalismo possui um conjunto de técnicas com as quais o profissional aprende a manusear a informação, garantindo a transmissão da mesma através dos meios. A perfeita comunicação usa ferramentas que evitam ruídos/interferências que impeçam a boa absorção da informação pelo receptor. Em síntese, jornalismo é o estudo que permite que um receptor (jornalista/repórter) interaja com o receptor (público) para informa-lo sobre algo, através dos meios necessários (rádio, televisão, internet) e usando das melhores técnicas para isso. Basicamente, “O jornalismo[1] é uma atividade cujo principal objetivo é dar informação ao povo. O jornalista é aquele que exerce essa profissão através de diversos meios de comunicação: imprensa, rádio e televisão”.

A natureza do jornalismo é amoral (não possui em si mesma, em sua atividade, a representação da moral), apartidária (não deveria tomar partido) e neutra. Esta natureza tem como fundamento o princípio da neutralidade científica, no qual o jornalista, assim como o cientista, deve se colocar neutro de valores para assumir a tarefa de interpretar a realidade e transmiti-la sem preconceitos.

Infelizmente, não é isto que se vê hoje em dia. Ao que parece, e faço aqui esta crítica, o jornalismo não está mais preocupado em transmitir uma realidade, mas construir uma realidade através de sua narrativa e domínio dos fatos. Como o profissional é um ser imperfeito, cheio de paixões e com um vasto conhecimento vivido e experimentado, é impossível que ele não coloque seus valores, seu olhar, sob um determinado fato, sem colocar nele seu próprio conhecimento adquirido. O jornalismo presencia em suas fileiras o mito da neutralidade científica, com profissionais dedicados em alterar o meio através de sua mensagem.

Como exemplo, vemos aqui uma manipulação grosseira que virou piada. Um jornalista parece enfrentar a fúria dos ventos para levar informação para o público, que está seguro em suas casas. Infelizmente, faltou combinar com dois transeuntes que passavam tranquilamente atrás do profissional. Profissional este que virou motivo de deboche. Ele tentou criar, aumentar, uma realidade que não existia, através da manipulação de sua narrativa.





E isso é o que mais se vê hoje. Dependendo da afinidade do jornalista, teremos diferentes tipos de resultados de um mesmo evento. Se o repórter quiser que um evento fracassado, de apenas 200 pessoas, pareça maior do que é, basta usar ângulos fechados de imagem. A farsa aparece quando as mesmas 200 pessoas são fotografadas em um ângulo mais aberto, que evidencie quão reduzido é o número de participantes frente ao local no qual elas estão inseridas.


A afinidade do jornalista interfere em muito no resultado da matéria a ser transmitida. Ou ele arrebenta com o objeto da matéria, ou ele tenta salvar o objeto da matéria. E, então, aparece a questão da ideologia política. Todos os brasileiros parecem ter notado que os meios de comunicação tradicionais são fortes atrativos para um jornalismo vermelho, que adora um socialismo. E, portanto, vemos com frequência grandes jornais a defender políticos que estão afinados com suas bases ideológicas. Como mostra o vídeo do Danilo, até um soco pode virar um “leve empurrão” dependendo de quem agrediu.




Veja que nem a mídia cultural, de entretenimento, consegue se salvar disso.






Conclusão

E o jornalismo atual parece ter se reduzido a isso: uma tentativa de construção da realidade através do discurso midiático e da narrativa. Ainda bem que o monopólio da comunicação não está mais nas mãos da grande mídia. Um cidadão com uma câmera na mão, no lugar certo, já consegue desmascarar a tentativa de adulterar uma informação para prejudicar/beneficiar alguém. A tecnologia, ainda bem, transformou o povo, até então uma massa sem rosto, em um ser capaz de externar seus sentimentos e perceber a intenção . O povo, agora, possui olhos, ouvidos e não se deixa enganar pelos meios de comunicação tradicionais.






[1] Conceitos: < https://conceitos.com/jornalismo/>

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diego Rox e o Jardim das Borboletas

Diego Rox e o Jardim das Borboletas
Como sabem, sou inscrito do canal do Nando Moura, ou seja, sou um dos “bots” do canal. Sobre este assunto, está até engraçado. Vou escrever sobre isto antes de entrar no assunto. Os adversários que temem a verdade nos ofendem com termos que não condizem com nosso real comportamento. Ficou engraçado, porque, se juntarmos todas as ofensas em uma frase, eu acabo virando um “robô, com recurso de bot, nazista e fascista, que não gosta de odores fortes”, por isso, está engraçado ver esta situação. Fui reduzido a um robô Windows 10, que não gosta de pum.
Ao assunto. Através do vídeo do Nando, sobre o uso de bots, eu acabei conhecendo o canal do Diego Rox. Veja um vídeo abaixo. Ele parece ter uma agenda parecida com a do Nando Moura, isto é, ele é cristão, pois acredita em Deus e em Cristo, prega ação contra a corrupção, homenageia os verdadeiros heróis anônimos, é caridoso e defende a liberdade. Uma agenda que também me aproxima dele, por isso, hoje, esto…

Cavaleira ou Amazona? Veja a resposta!

Amazona ou Cavaleira?
    Em meu tempo de colégio, nas décadas de 80 e 90, nos foi ensinado que o feminino de cavaleiro seria amazona. Em uma prova, um colega marcou o feminino de cavaleiro sendo cavaleira e foi repreendido. Desta forma, fixei amazona como o feminino correto para o termo em questão, ou seja, mulher que anda a cavalo. Ao assistir Walkure Romanze, eu me deparei com a palavra cavaleira e me questionei. Inclusive, alertei-os para a forma que eu julgava correta, mas sem retorno positivo. Deste modo, fui pesquisar para ver se a expressão estaria correta.


    Nestas pesquisas, encontrei um professor que prontamente me respondeu a esta questão. O caso estava solucionado com uma bela lição que, agora, repasso a vocês. Com a palavra o professor Ari Riboldi.
    No meu tempo de estudante, no ensino primário e no ginásio, também se aprendia assim: cavaleiro (masc.), amazona (fem); cavalheiro (masc.), dama (fem.). No entanto, os dicionários registram o termo 'cavaleira' …

Será o Veredito?!

Canal Será o Veredito?!
Foi a primeira recomendação do Youtube que gostei de ter recebido. Sobre o canal: “O Direito tá na mídia! O Direito tá na moda! Um juiz de direito se torna celebridade nacional. Tribunais transmitem suas sessões ao vivo pela televisão. Os meios de comunicação não se cansam de veicular notícias jurídicas. Mas, o mundo jurídico possui formalidades que dificultam a compreensão dos seus temas pelo cidadão que não tem formação no direito. Muito se fala; pouco se explica. Por isso surgiu o "Será o Veredito!?". Um canal que traz informações sobre o direito com uma linguagem simples, clara e objetiva.”



O primeiro vídeo que vi desse canal foi uma resposta ao Bugalho. Uma resposta baseada em livros, mostrando a fonte de seu conhecimento e minando, com ótimos argumentos, a posição de seu opositor. Todos os vídeos que assisti foram assim, com a fonte de leitura em mãos. Ele já se disse de centro-direita, o que o faz ser um aliado natural da liberdade e da proprie…