Pular para o conteúdo principal

Eleições 2016

Eleições 2016- Uma lição

Agora que a disputa se encerrou, posso retornar ao tema. Uma das ferramentas para depurar um fato, e ver se este fato possui base na mentira ou na verdade, é o tempo. Usei da paciência, então, para apreciar dois fatos que foram veiculados na imprensa ainda no julgamento do impeachment no Senado. O primeiro fato foi uma declaração do senador Requião sobre uma possível guerra civil, caso, à época desta declaração, o impeachment fosse aprovado. O segundo fato foi o uso político do impeachment, chamado de golpe pelos líderes dos movimentos de esquerda, na tentativa de reduzir o poder do PMDB nas eleições de 2016.  


Guerra Civil



A declaração tinha como base a quantidade de votos que a coligação PT-PMDB tinha conseguido nas eleições passadas. Considerando-se que tinham mais de 54 milhões de votos, o senador tentou usar isso para colocar medo no coração dos parlamentares e de apoiadores do processo do impeachment, afinal, quem iria querer ir contra mais de 54 milhões de eleitores?

O tempo passou, o impeachment foi aceito e aprovado, a democracia venceu, mas não houve, até o presente momento, a tão temida guerra civil e por quê? Porque o brasileiro entendeu que houve culpa do governo na crise, porque o povo entendeu que o impeachment estava julgando um crime real, porque o eleitor percebeu que o que fora prometido, durante a campanha, não seria cumprido, logo, aquele número alto que o Requião se apegara para a declaração não passava de um número inflado. O que se tem hoje, lutando pela esquerda, são militantes e pessoas ligadas aos movimentos de esquerda. O povo brasileiro mesmo seguiu em frente, pois entendeu que, para fazer este país andar, vai ser necessário muito trabalho e sacrifício.


Fora, Temer!



Antes de mais nada, não sou coligado partidário e nem simpatizante do Temer. Eu preciso avisar isso sempre, uma vez que muitos acham que toda pessoa Anti-PT é, automaticamente, pró-PMDB ou pró-PSDB. Dito isto, vamos analisar outra falácia do PT. Os membros do PT tentaram enfiar na mente do povo brasileiro a farsa de que o Temer não era um sucessor legítimo e que o impeachment não passava de um golpe (ora do Cunha, ora do Temer). Era uma manipulação que ficou clara quando Freixo afirmou, ao ir para o segundo turno, que a possibilidade da campanha dele ter tido uma continuidade era de que o carioca reconhecia o impeachment como golpe. A falácia estava escancarada! O verdadeiro motivo para o “Fora, Temer” era a tentativa de manipular as eleições em favor da Esquerda.

O resultado das eleições em 2016 mostra um povo brasileiro mais consciente e que sabe de quem é a culpa por toda a crise enfrentada pelo Brasil. Um povo que não tem medo das mudanças e que não deixa a incerteza tomar conta. Andreza Matais e Marcelo de Moraes para o Estadão: “Com sete das 26 capitais conquistadas, o PSDB se consolidou como maior vencedor da eleição municipal. Dois dos sete tucanos foram eleitos ainda no primeiro turno. Em segundo lugar, vem o PMDB, que levou quatro capitais. Em seguida, vêm o PDT, com três, e o PSD e o PSB com duas. O PT chegou ao segundo turno em apenas uma capital, Recife, mas perdeu. A sigla conseguiu eleger apenas um prefeito, assim como PRB, PHS, PMN, PCdoB, DEM e Rede. O PP e o PV não obtiveram vitórias”.

Já a Veja mostra como esse slogan não colou ao divulgar a maior ferida que o PT teve nestas eleições: “No chamado “cinturão vermelho”, o partido também perdeu nas duas cidades em que disputava o segundo turno: Mauá e Santo André. Com isso, não vai comandar nenhuma das cidades — até este ano, tinha seis prefeitos na região, entre eles o de São Bernardo, Luiz Marinho; Lula, que vive lá, não foi nem sequer votar no segundo turno.”

O PT apostou em uma possível má informação do povo brasileiro e de que suas falácias seriam consideradas verdadeiras, mas o eleitor não se deixou enganar. Isso fez o partido encolher. Se formos jogar na mesma moeda que eles, poderia afirmar que o povo brasileiro assinou embaixo o processo de impeachment e que  quem tentou enganar o povo acabou encolhendo. Também sei que o partido não está morto e que outras falácias virão.

Leia Também

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diego Rox e o Jardim das Borboletas

Diego Rox e o Jardim das Borboletas
Como sabem, sou inscrito do canal do Nando Moura, ou seja, sou um dos “bots” do canal. Sobre este assunto, está até engraçado. Vou escrever sobre isto antes de entrar no assunto. Os adversários que temem a verdade nos ofendem com termos que não condizem com nosso real comportamento. Ficou engraçado, porque, se juntarmos todas as ofensas em uma frase, eu acabo virando um “robô, com recurso de bot, nazista e fascista, que não gosta de odores fortes”, por isso, está engraçado ver esta situação. Fui reduzido a um robô Windows 10, que não gosta de pum.
Ao assunto. Através do vídeo do Nando, sobre o uso de bots, eu acabei conhecendo o canal do Diego Rox. Veja um vídeo abaixo. Ele parece ter uma agenda parecida com a do Nando Moura, isto é, ele é cristão, pois acredita em Deus e em Cristo, prega ação contra a corrupção, homenageia os verdadeiros heróis anônimos, é caridoso e defende a liberdade. Uma agenda que também me aproxima dele, por isso, hoje, esto…

Cavaleira ou Amazona? Veja a resposta!

Amazona ou Cavaleira?
    Em meu tempo de colégio, nas décadas de 80 e 90, nos foi ensinado que o feminino de cavaleiro seria amazona. Em uma prova, um colega marcou o feminino de cavaleiro sendo cavaleira e foi repreendido. Desta forma, fixei amazona como o feminino correto para o termo em questão, ou seja, mulher que anda a cavalo. Ao assistir Walkure Romanze, eu me deparei com a palavra cavaleira e me questionei. Inclusive, alertei-os para a forma que eu julgava correta, mas sem retorno positivo. Deste modo, fui pesquisar para ver se a expressão estaria correta.


    Nestas pesquisas, encontrei um professor que prontamente me respondeu a esta questão. O caso estava solucionado com uma bela lição que, agora, repasso a vocês. Com a palavra o professor Ari Riboldi.
    No meu tempo de estudante, no ensino primário e no ginásio, também se aprendia assim: cavaleiro (masc.), amazona (fem); cavalheiro (masc.), dama (fem.). No entanto, os dicionários registram o termo 'cavaleira' …

Será o Veredito?!

Canal Será o Veredito?!
Foi a primeira recomendação do Youtube que gostei de ter recebido. Sobre o canal: “O Direito tá na mídia! O Direito tá na moda! Um juiz de direito se torna celebridade nacional. Tribunais transmitem suas sessões ao vivo pela televisão. Os meios de comunicação não se cansam de veicular notícias jurídicas. Mas, o mundo jurídico possui formalidades que dificultam a compreensão dos seus temas pelo cidadão que não tem formação no direito. Muito se fala; pouco se explica. Por isso surgiu o "Será o Veredito!?". Um canal que traz informações sobre o direito com uma linguagem simples, clara e objetiva.”



O primeiro vídeo que vi desse canal foi uma resposta ao Bugalho. Uma resposta baseada em livros, mostrando a fonte de seu conhecimento e minando, com ótimos argumentos, a posição de seu opositor. Todos os vídeos que assisti foram assim, com a fonte de leitura em mãos. Ele já se disse de centro-direita, o que o faz ser um aliado natural da liberdade e da proprie…