Pular para o conteúdo principal

Previsões para 2017

Previsões para 2017- Política, Economia e Reformas



Não sou o “Carlinhos Vidente”, mas quero deixar aqui minhas considerações sobre o ano de 2017. E não vejo aqui um bom ano para o Brasil, pois muito do que abalou 2016 continuará em 2017. Começo pelo que considero o que será a parte mais instável e importante para o Brasil: a política.

Política

Ainda bem, Dilma foi impedida. Apesar de eu considerar que a lei de impeachment e a lei eleitoral deveriam ter certas alterações, como responsabilizar tanto o Presidente da República, como seu vice, isso foi um ponto importante para mostrar que o Brasil ainda tem jeito; todavia, as delações da Odebrecht mostram que todos os partidos tinham parte na corrupção. A Lava Jato não parou, como alegavam os esquerdinhas, e está alcançando o centro do PMDB e do PSDB. Passando pelo PSOL, PT e indo para o DEM, todos os partidos foram corrompidos pela Odebrecht. E as delações continuam e vão continuar em 2017.

 Isso é um elemento de instabilidade que gera nos investidores a desconfiança para investir no país, agravando a crise, mas é essencial que o país passe por isso e depure o Congresso. Não existirá democracia longeva se a política for suja. E a instabilidade política continuará em 2017 e se agravará.

Daqui tiro dois cenários possíveis:

A: Temer renunciará quando as delações atingirem mais a fundo o centro do governo e teremos eleições indiretas. Com o grau de confiança da população no Congresso anda baixo, um representante indireto, eleito por eles, vai gerar ainda mais instabilidade. Eu o vi, certa vez, em um Congresso de Direito Constitucional realizado pelo IDP (lembra que fiz Direito?) e o considerei um homem ponderado, o que me deixa a sensação que ele pode renunciar, se ele achar que isso vai ajudar.

B: Temer se segurará para evitar a eleição indireta. Já li que o centro do PSDB vai dialogar com o famoso “centrão” para blindar o Temer, para que possamos chegar em 2018 sem a necessidade da eleição indireta. É um cenário possível, visto que já existe diálogo no Congresso quanto a isso.

Tudo isso afeta a nossa economia e tira do investidor a confiança na estabilidade. Existe ainda a possibilidade remota do impeachment do Temer. Eu não considero isso nem mesmo como uma possibilidade de cenário. Primeiro, porque o pedido é fraco. Ora, tanta acusação séria de recebimento de propina e a oposição esquerdinha me entra com um impeachment de um único áudio gravado? Querem matar um elefante com uma vareta? Acredito que, na verdade, eles não querem a saída do Temer, pois não saberiam o que fazer com a economia e, tendo ele no poder, poderiam acusa-lo de vilania. Compensa para os esquerdinhas essa situação, por isso esse pífio pedido de impeachment. Em segundo, a Dilma fez de tudo para evitar o seu impedimento a ponto de criar um rito duro de impeachment que levou a um julgamento de quase um ano. Isso mostra que não existe tempo hábil para o julgamento e a base do Temer ainda é forte.

Como viram, a política não ajudará, nesse sentido, a economia. Isso causará instabilidade, principalmente o que vier depois, e acredito que a sentença do Lula sairá até o fim do primeiro trimestre de 2017 (sendo positiva ou negativa), afetando os humores do mercado.   É nesse cenário que teremos que lutar pelo desenvolvimento do país.

Economia

As previsões indicam desaceleração da inflação, mas retração no crescimento do PIB para 2017, com alerta do COPOM para o mercado externo, após a vitória do Trump. A LOA (Lei Orçamentária Anual) de 2017 informa, segundo OGlobo: “A LOA também estima em 1,6% o crescimento do PIB para 2017 e em 4,8% a inflação. A taxa Selic prevista é de 12,11%, enquanto o câmbio médio foi projetado para R$ 3,43 por dólar.”   Esse cenário poderia ser pior se o governo Temer não tivesse conseguido a vitória da PEC 55. O controle de gastos do governo é um principal sinalizador de que o governo deseja fortalecer nossa economia, evitando que o Estado gaste mais do que arrecada.

Ao contrário do que os esquerdinhas andam divulgando em redes sociais, a PEC 55 não congela gastos e nem corta investimentos em educação e saúde. A PEC 55 apenas ajusta os gastos de um ano em relação a inflação do ano anterior. Isto é, os gastos de 2017 serão regulados pelo IPCA de 2016; os gastos de 2018 serão regulados pelo IPCA de 2017 e assim por diante. Saúde e educação entrarão na planilha em 2018. A saúde teve um aumento de 10 bilhões de reais para 2017. Sem a PEC, o governo continuaria entrando no vermelho e arrastando a nossa economia para o buraco.

Sobre a LOA de 2017, um fator me desagradou. Aumentaram a contribuição partidária. Poxa, para quê? Usa esse recurso em outra iniciativa que gere desenvolvimento. Então, a economia promete ser dura em 2017, mas poderia ser pior sem a PEC 55 regulando o bolso do Estado. Foi uma reforma amarga e necessária, como vou escrever mais abaixo.


Reformas em Andamento

São três reformas em pauta: Gastos Públicos (já em vigor); Previdência Social e Fiscal. Como sabem por textos anteriores, eu não concordo quando mexem com o bolso do trabalhador, sendo que existem outras reformas a serem feitas, por isso, não concordo com a reforma da Previdência. Essa poderia esperar. A reforma fiscal, se bem feita, pode gerar 100 bilhões de reais a mais ao Estado, então, teria que ter prioridade sobre a reforma da Previdência. Na ordem:

1º- A PEC dos Gastos Públicos foi uma injeção. Doeu muito, mas foi necessário tomar, pois o Estado não poderia mais gastar a ponto de endividar o país. Um Estado endividado derruba a economia, como já estamos presenciando.
2º- A reforma fiscal aumentaria a arrecadação do Estado (não escrevo sobre aumentar impostos, mas melhorar a arrecadação já existente), por isso, deveria ser a próxima reforma a ser realizada. O combate à sonegação e
3º- Combate à corrupção com medidas que melhorem o controle burocrático. Combate à corrupção traria maior eficiência aos gastos públicos. Somente a Lava Jato recuperou 5 bilhões de reais aos cofres públicos. Muito dinheiro roubado que poderia ser investido na melhoria do Brasil. 

Para mim isso bastaria, não sendo necessária uma Reforma da Previdência.

O Ano de 2017


Então, com uma economia ainda tímida, com escândalos de corrupção, que poderão derrubar o atual governo, e reformas ainda por fazer, eu acredito que 2017 será mais difícil que 2016. Preparem-se! 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diego Rox e o Jardim das Borboletas

Diego Rox e o Jardim das Borboletas
Como sabem, sou inscrito do canal do Nando Moura, ou seja, sou um dos “bots” do canal. Sobre este assunto, está até engraçado. Vou escrever sobre isto antes de entrar no assunto. Os adversários que temem a verdade nos ofendem com termos que não condizem com nosso real comportamento. Ficou engraçado, porque, se juntarmos todas as ofensas em uma frase, eu acabo virando um “robô, com recurso de bot, nazista e fascista, que não gosta de odores fortes”, por isso, está engraçado ver esta situação. Fui reduzido a um robô Windows 10, que não gosta de pum.
Ao assunto. Através do vídeo do Nando, sobre o uso de bots, eu acabei conhecendo o canal do Diego Rox. Veja um vídeo abaixo. Ele parece ter uma agenda parecida com a do Nando Moura, isto é, ele é cristão, pois acredita em Deus e em Cristo, prega ação contra a corrupção, homenageia os verdadeiros heróis anônimos, é caridoso e defende a liberdade. Uma agenda que também me aproxima dele, por isso, hoje, esto…

Cavaleira ou Amazona? Veja a resposta!

Amazona ou Cavaleira?
    Em meu tempo de colégio, nas décadas de 80 e 90, nos foi ensinado que o feminino de cavaleiro seria amazona. Em uma prova, um colega marcou o feminino de cavaleiro sendo cavaleira e foi repreendido. Desta forma, fixei amazona como o feminino correto para o termo em questão, ou seja, mulher que anda a cavalo. Ao assistir Walkure Romanze, eu me deparei com a palavra cavaleira e me questionei. Inclusive, alertei-os para a forma que eu julgava correta, mas sem retorno positivo. Deste modo, fui pesquisar para ver se a expressão estaria correta.


    Nestas pesquisas, encontrei um professor que prontamente me respondeu a esta questão. O caso estava solucionado com uma bela lição que, agora, repasso a vocês. Com a palavra o professor Ari Riboldi.
    No meu tempo de estudante, no ensino primário e no ginásio, também se aprendia assim: cavaleiro (masc.), amazona (fem); cavalheiro (masc.), dama (fem.). No entanto, os dicionários registram o termo 'cavaleira' …

Será o Veredito?!

Canal Será o Veredito?!
Foi a primeira recomendação do Youtube que gostei de ter recebido. Sobre o canal: “O Direito tá na mídia! O Direito tá na moda! Um juiz de direito se torna celebridade nacional. Tribunais transmitem suas sessões ao vivo pela televisão. Os meios de comunicação não se cansam de veicular notícias jurídicas. Mas, o mundo jurídico possui formalidades que dificultam a compreensão dos seus temas pelo cidadão que não tem formação no direito. Muito se fala; pouco se explica. Por isso surgiu o "Será o Veredito!?". Um canal que traz informações sobre o direito com uma linguagem simples, clara e objetiva.”



O primeiro vídeo que vi desse canal foi uma resposta ao Bugalho. Uma resposta baseada em livros, mostrando a fonte de seu conhecimento e minando, com ótimos argumentos, a posição de seu opositor. Todos os vídeos que assisti foram assim, com a fonte de leitura em mãos. Ele já se disse de centro-direita, o que o faz ser um aliado natural da liberdade e da proprie…