Pular para o conteúdo principal

Le Bistrot Gourmet!


Le Bistrot Gourmet
Uma nova visita




Ir a um restaurante não é apenas uma atividade para alimentar o corpo. Em determinados momentos, é uma forma de parar tudo e alimentar a alma com um bom descanso e sabores especiais. Nós corremos tanto para realizar diversas atividades que, em determinados momentos, a bateria esgota. Nestes momentos, precisamos parar e descansar. Para mim, um excelente descanso é apreciar uma boa refeição.

Levo em consideração o ambiente, a cordialidade, a paz e, é claro, os pratos que devem ter boa apresentação e estimular o paladar. No final de agosto, precisei recuperar as energias e visitei um restaurante que há muito não frequentava: Le Bistrot Gourmet.

“Estamos localizados em um casarão no bairro Boa Vista, em Porto Alegre (RS), onde o charme e a elegância da construção são ressaltados pela natureza exuberante que divide o espaço com as mesas no jardim, na área externa coberta e no jardim de inverno com lareira. Aqui, ambientes, sabores diferenciados e uma equipe qualificada se unem para proporcionar uma experiência sensorial única. Venha nos conhecer, seja bem-vindo!”

O cardápio[1] é enxuto. Para a ocasião, pedi uma salada com queijo de cabra e, como prato principal, um medalhão de filé com fettuccine. Foi entregue uma cesta de pães. Estava com minha mãe e a ela foi oferecido um creme de ervilhas como acompanhamento.




Nos sentamos em uma mesa localizada do lado de fora do restaurante, pois o bairro residencial oferece esta proposta de descanso e tranquilidade. Os pratos foram servidos em tempo muito hábil, quase não havendo espera entre eles. Provei primeiro a cesta de pães e só posso dizer que é um trabalho cuidadoso do chefe. São delicados, crocantes e com sabores sutis. Esperar a entrada foi muito satisfatório com esta cestinha agradável.





Em seguida, chegou a salada. Que combinação incrível! O confiture de tomates, aliado ao queijo gratinado e às folhas verdes, trouxe um balanço harmônico ao sabor agridoce. Um agridoce extremamente delicado. Experimentei as azeitonas e o pão árabe em separado e gostei do sabor que eles proporcionam. Algo muito leve e com toques ácido e açucarado. Só posso perceber que houve um estudo muito rigoroso para conseguir apresentar estes sabores equilibrados.





Então, foi entregue o prato principal: o medalhão de filé com fettuccine na manteiga de ervas. Pedi ao ponto. Geralmente, em alguns restaurantes, o chefe tem dificuldade em acertar o ponto da carne. Já presenciei restaurantes nos quais o pedido de carne ao ponto é entregue de forma grotesca. Por exemplo, uma carne sangrando de tão vermelha, quase mugindo. Aqui não. Neste momento não. Ponto certo no preparo da carne. Carne macia, suculenta e rosada. O fettuccine veio no ponto certinho também. E um sabor intenso do molho de mostarda que combinou direitinho com a suculenta carne ao ponto. A manteiga de ervas também estava precisa. Fiquei trocando os molhos, ora com a carne, ora com o macarrão. Delicioso.

Atendimento

Os garçons foram extremamente aplicados e gentis. Em um determinado momento, a mesa balançou (sem querer eu me apoiei nela) e o garçom imediatamente colocou um calço para evitar que ela se movesse novamente. Todos bem cordiais e respeitosos.


Conclusão

No fim, com um banquete bem servido, paz e sossego, consegui recuperar um pouco das energias e me senti renovado.  A casa merece um respeitoso 10 e me fez querer retornar. E, pelos motivos apresentados, assino embaixo a declaração do próprio restaurante:

“Com uma equipe de qualificação internacional, oferecemos um cardápio que traz diversas especialidades da gastronomia contemporânea. À frente da cozinha, o chefe português Luis Serra está sempre em busca da melhor expressão dos ingredientes, cuidadosamente selecionados, refletindo qualidade e sabor em cada prato.

Já no comando da confeitaria e da padaria, o chefe Gabriel Durante se dedica ao artesanal, criando produtos únicos, elaborados mesclando técnica e rusticidade. O esforço dos nossos profissionais se traduz no surpreender e gerar encantamento em todas as etapas da sua refeição.”








[1] Cardápio: <http://www.lebistrot.com.br/assets/file/LB-almoco.pdf>

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diego Rox e o Jardim das Borboletas

Diego Rox e o Jardim das Borboletas
Como sabem, sou inscrito do canal do Nando Moura, ou seja, sou um dos “bots” do canal. Sobre este assunto, está até engraçado. Vou escrever sobre isto antes de entrar no assunto. Os adversários que temem a verdade nos ofendem com termos que não condizem com nosso real comportamento. Ficou engraçado, porque, se juntarmos todas as ofensas em uma frase, eu acabo virando um “robô, com recurso de bot, nazista e fascista, que não gosta de odores fortes”, por isso, está engraçado ver esta situação. Fui reduzido a um robô Windows 10, que não gosta de pum.
Ao assunto. Através do vídeo do Nando, sobre o uso de bots, eu acabei conhecendo o canal do Diego Rox. Veja um vídeo abaixo. Ele parece ter uma agenda parecida com a do Nando Moura, isto é, ele é cristão, pois acredita em Deus e em Cristo, prega ação contra a corrupção, homenageia os verdadeiros heróis anônimos, é caridoso e defende a liberdade. Uma agenda que também me aproxima dele, por isso, hoje, esto…

Cavaleira ou Amazona? Veja a resposta!

Amazona ou Cavaleira?
    Em meu tempo de colégio, nas décadas de 80 e 90, nos foi ensinado que o feminino de cavaleiro seria amazona. Em uma prova, um colega marcou o feminino de cavaleiro sendo cavaleira e foi repreendido. Desta forma, fixei amazona como o feminino correto para o termo em questão, ou seja, mulher que anda a cavalo. Ao assistir Walkure Romanze, eu me deparei com a palavra cavaleira e me questionei. Inclusive, alertei-os para a forma que eu julgava correta, mas sem retorno positivo. Deste modo, fui pesquisar para ver se a expressão estaria correta.


    Nestas pesquisas, encontrei um professor que prontamente me respondeu a esta questão. O caso estava solucionado com uma bela lição que, agora, repasso a vocês. Com a palavra o professor Ari Riboldi.
    No meu tempo de estudante, no ensino primário e no ginásio, também se aprendia assim: cavaleiro (masc.), amazona (fem); cavalheiro (masc.), dama (fem.). No entanto, os dicionários registram o termo 'cavaleira' …

Será o Veredito?!

Canal Será o Veredito?!
Foi a primeira recomendação do Youtube que gostei de ter recebido. Sobre o canal: “O Direito tá na mídia! O Direito tá na moda! Um juiz de direito se torna celebridade nacional. Tribunais transmitem suas sessões ao vivo pela televisão. Os meios de comunicação não se cansam de veicular notícias jurídicas. Mas, o mundo jurídico possui formalidades que dificultam a compreensão dos seus temas pelo cidadão que não tem formação no direito. Muito se fala; pouco se explica. Por isso surgiu o "Será o Veredito!?". Um canal que traz informações sobre o direito com uma linguagem simples, clara e objetiva.”



O primeiro vídeo que vi desse canal foi uma resposta ao Bugalho. Uma resposta baseada em livros, mostrando a fonte de seu conhecimento e minando, com ótimos argumentos, a posição de seu opositor. Todos os vídeos que assisti foram assim, com a fonte de leitura em mãos. Ele já se disse de centro-direita, o que o faz ser um aliado natural da liberdade e da proprie…