Pular para o conteúdo principal

Vendas, internet e animês

Serei breve no texto de hoje. Será um texto para a indagação de muitos. Daniel Gouveia Costa, em seu livro “Comunicações Multimídia na Internet” já aponta para o que venho observando, e ele relata: “Internet consolidou-se como a principal rede de comunicação de dados. Nessa rede, aplicações como transferência de arquivos, envio de mensagens eletrônicas e navegação web são amplamente utilizados. A influência que tais aplicações têm nos usuários dessa rede faz com que muitos enxerguem esses serviços como sendo a própria Internet. A evolução da rede mundial de computadores, tanto em termos operacionais como no número de usuários, possibilitou que novas aplicações surgissem. Entre essas novas aplicações estão às comunicações multimídia na Internet”.


O crescente fluxo de pessoas na rede, bem como o avanço tecnológico que permite conexões mais rápidas, estáveis e populares, começou a me fazer indagar porque diabos as empresas japonesas ainda precisam de distribuidores de seus produtos para o ocidente? Ainda hoje, uma empresa japonesa lança um produto em seu mercado e o distribui somente por lá. Cabe a uma empresa estrangeira, como a Diamond Films (no caso dos filmes de Dragon Ball Z e Cavaleiros do Zodíaco) negociar com as empresas japonesas e conseguir acordos de distribuição. Até para conseguir animês para o Crunchyroll, o usuário precisa esperar a boa vontade de distribuidores que, vez ou outra, decidem não liberar títulos para a região X ou Y.




Ora, a internet criou o que chamamos de comunicações multimídia, ou seja, ferramentas usadas para a interação entre usuários e comunidades, tais como os vídeos em streaming e sites como o Daisuki, Netflix e o Crunchyroll. A entrada em uma região não depende mais de rigorosas regras empresariais e jurídicas, pois a internet, hoje, é um meio livre e com regras próprias de expansão e vendas. Não existe lei que impeça uma empresa japonesa de vender seus produtos para outras partes do mundo, então, porque elas não criam um setor de vendas para o mundo através do comitê? É esta a indagação que gostaria de deixar com este texto. Por exemplo, somente o Crunchyroll já ultrapassou o número de 400 mil assinantes em todo o mundo. É uma grande comunidade e local de vendas.




Explicando 


Para se criar uma animação, como exemplo, as empresas não necessitam mais de uma aceitação de um comitê (empresas reunidas e dispostas a liberar dinheiro para uma série ou filme). The Little Witch Academia 2 alcançou, através da internet,  uma campanha para a criação de uma nova animação que será distribuída internacionalmente. O mesmo ocorreu com Under The Dog, que também alcançou o financiamento coletivo para a criação de uma animação. Mostro isso para dizer que os tempos gerenciais passados são, de fato, passado. Atualmente, o dinheiro corre livre pela rede mundial de computadores e se a empresa ficar restrita à formas gerenciais antigas somente vai fazer dela um alvo para concorrentes que, porventura, tiverem êxito nessa empreitada. Vejam o que aconteceu com a Blockbuster. Foi engolida pelas empresas que investiram em streaming, como a Netflix.


A solução que encontro para isso é simples. A empresa japonesa cria uma animação (com ou sem comitê), e um setor de vendas, que lançará o produto em diversos territórios, negociando elas próprias com os portais aqui já citados. Para a venda em disco (blu-ray e dvds) a empresa lança material nas línguas de países que mais aceitaram os produtos. Ou seja, eles criam uma animação, lançam ela em um portal de streaming, verificam em que região ela foi mais bem aceita e cria discos com base nessa aceitação, com legendas na língua e material promocional destinado àquelas regiões. Tudo isso sem precisar sair do Japão, através da internet. Sem a necessidade de distribuidores locais. Sei que para o cinema a regra é diferente, mas para séries de televisão essa regra se aplica muito bem. Para elas é um ganho com o aumento na possibilidade de vendas e, para nós, um ganho no aumento de produtos lançados em com preços mais baixos pela ausência do distribuidor local (intermediário).



Então, fica aqui essa indagação e a minha resposta.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diego Rox e o Jardim das Borboletas

Diego Rox e o Jardim das Borboletas
Como sabem, sou inscrito do canal do Nando Moura, ou seja, sou um dos “bots” do canal. Sobre este assunto, está até engraçado. Vou escrever sobre isto antes de entrar no assunto. Os adversários que temem a verdade nos ofendem com termos que não condizem com nosso real comportamento. Ficou engraçado, porque, se juntarmos todas as ofensas em uma frase, eu acabo virando um “robô, com recurso de bot, nazista e fascista, que não gosta de odores fortes”, por isso, está engraçado ver esta situação. Fui reduzido a um robô Windows 10, que não gosta de pum.
Ao assunto. Através do vídeo do Nando, sobre o uso de bots, eu acabei conhecendo o canal do Diego Rox. Veja um vídeo abaixo. Ele parece ter uma agenda parecida com a do Nando Moura, isto é, ele é cristão, pois acredita em Deus e em Cristo, prega ação contra a corrupção, homenageia os verdadeiros heróis anônimos, é caridoso e defende a liberdade. Uma agenda que também me aproxima dele, por isso, hoje, esto…

Cavaleira ou Amazona? Veja a resposta!

Amazona ou Cavaleira?
    Em meu tempo de colégio, nas décadas de 80 e 90, nos foi ensinado que o feminino de cavaleiro seria amazona. Em uma prova, um colega marcou o feminino de cavaleiro sendo cavaleira e foi repreendido. Desta forma, fixei amazona como o feminino correto para o termo em questão, ou seja, mulher que anda a cavalo. Ao assistir Walkure Romanze, eu me deparei com a palavra cavaleira e me questionei. Inclusive, alertei-os para a forma que eu julgava correta, mas sem retorno positivo. Deste modo, fui pesquisar para ver se a expressão estaria correta.


    Nestas pesquisas, encontrei um professor que prontamente me respondeu a esta questão. O caso estava solucionado com uma bela lição que, agora, repasso a vocês. Com a palavra o professor Ari Riboldi.
    No meu tempo de estudante, no ensino primário e no ginásio, também se aprendia assim: cavaleiro (masc.), amazona (fem); cavalheiro (masc.), dama (fem.). No entanto, os dicionários registram o termo 'cavaleira' …

Será o Veredito?!

Canal Será o Veredito?!
Foi a primeira recomendação do Youtube que gostei de ter recebido. Sobre o canal: “O Direito tá na mídia! O Direito tá na moda! Um juiz de direito se torna celebridade nacional. Tribunais transmitem suas sessões ao vivo pela televisão. Os meios de comunicação não se cansam de veicular notícias jurídicas. Mas, o mundo jurídico possui formalidades que dificultam a compreensão dos seus temas pelo cidadão que não tem formação no direito. Muito se fala; pouco se explica. Por isso surgiu o "Será o Veredito!?". Um canal que traz informações sobre o direito com uma linguagem simples, clara e objetiva.”



O primeiro vídeo que vi desse canal foi uma resposta ao Bugalho. Uma resposta baseada em livros, mostrando a fonte de seu conhecimento e minando, com ótimos argumentos, a posição de seu opositor. Todos os vídeos que assisti foram assim, com a fonte de leitura em mãos. Ele já se disse de centro-direita, o que o faz ser um aliado natural da liberdade e da proprie…