sábado, 10 de dezembro de 2011

A verdade costuma se apresentar fracionada em pequenos espelhos que refletem o todo!

A VERDADE



Não se enganem, não existe apenas uma verdade.

O coração é bondoso,

E aprende o caminho com sinceridade,

Caminho que pode ser duro, por um aprendizado doloroso.

 

Verdade, basta a sua devoção,

Creia nela, respeitando o coração de cada um,

Não se desvie desta orientação,

A sua verdade vale, e isso não é incomum.

 

Muitos tentam converter a outros de seus caminhos diferentes,

Caminhos diferentes de sua ideologia,

E isso é um erro. Cabe, a cada um, saber a sua vertente,

Cabe, a cada um, a sua filosofia.

 

Não há o temor do mal, tendo o coração escolhido o bem,

Ninguém, então, poderá condenar! Eu disse ninguém!

Pois as verdades convergem todas para uma finalidade,

A finalidade do bem comum. Corações unidos em bondade e caridade!

 

O coração sabe decidir pelo bem. Sinal de bom agouro!

E esta decisão é uma verdade,

Não se desvie do que lhe falo com sinceridade,

A verdade de um coração é seu tesouro!

 

COTIDIANO

 

Após cada poema, eu uso o subtópico “Cotidiano” para explicar a origem do pensamento exposto em forma de poema. A minha avó, na sua determinação de fé, e em seu leito de morte, ensinou-me que cada coração possui uma verdade valiosa e que não deve ser oprimida.  Se esta verdade for boa, e gerar sentimentos e decisões nobres, deve ser preservada. Por isso, não deixe que ninguém repreenda a verdade boa de seu coração. Não existe UMA verdade absoluta, mas pequenas percepções e interpretações de sua verdade cotidiana. E essa verdade, gerada pela sua vivência, é tão valiosa quanto o mais caro diamante. Essa verdade deve ser respeitada.