Pular para o conteúdo principal

Cells at Work!


Cells at Work



Sinopse Cr: “Esta é uma história sobre você, um conto que se passa dentro do seu corpo. De acordo com um novo estudo, o corpo humano é composto de aproximadamente 37 trilhões de células. Essas células trabalham muito todos os dias no mundo que é o seu corpo, desde os Glóbulos Vermelhos que carregam oxigênio até os Glóbulos Brancos que combatem as bactérias. Saiba mais sobre esses heróis anônimos e o drama que se desenrola dentro de você! Baseado na popular série "Cells at Work!", vem aí uma nova série de TV!”


Sempre baseio minhas análises, em sua grande maioria, pelo roteiro, sua construção e finalização. O roteiro é o esqueleto da história, talvez sua alma, e o roteiro de Cells at Work representa uma linda alma.

A série é um entretenimento educacional de ótima qualidade, que me fez recordar de minhas aulas de citologia, histologia e embriologia (Medicina Veterinária). Cada episódio trata de um tema específico sobre o sistema orgânico de um jovem humano adulto. Ora trata de uma invasão de germes, ora trata das consequências de uma desidratação. Tudo com bom humor! Com exceção dos últimos capítulos, o desenvolvimento do roteiro inicia e finaliza um elemento educacional em seu próprio capítulo.

Roteiro- pontos positivos e negativos

E falando no roteiro, ele passou pela análise de muitos médicos, que ficaram surpresos com a representação artística. Apesar de alguns errinhos, os profissionais da saúde gostaram do resultado geral. Erros? Sim. Por exemplo, na questão que tratava da digestão, foi dito que a digestão começava no estômago. Não é verdade. A digestão começa na mastigação e salivação do alimento. 





Alguns erros foram intencionais como, por exemplo, o tamanho das células. Se houvesse fidedignidade na construção dos “personagens-células”, os macrófagos, por conta de seu tamanho, teriam que ser retratados como titãs de Attack On Titan (rs). Não seria bom para a ideia que o autor desejava passar, então, “encolheram” alguns personagens. Portanto, considero isso como um erro intencional para manter a integridade da obra.





Também existiram pontos polêmicos. Em um determinado capítulo, apesar da precisão incrível, o autor optou por considerar uma célula cancerígena como uma vítima de um erro de reprodução celular. Como disse, apesar de estar certo, a abordagem usada me deixou desconfortável (minha avó morreu de câncer) e acredito que outras pessoas também se sentiram assim. Foi um erro de abordagem do roteiro. E me lembrou a agenda esquerdista que diz que o bandido é vítima da sociedade. Cara, isso me deixou muito danado.

Apesar desses pontos, o roteiro é extremamente fiel ao que sabemos do sistema celular humano. E é muito engraçado ver como o autor definiu alguns elementos, como uma hemácia que parece com uma entregadora da Fedex sem senso nenhum de direção, uma plaqueta que parece uma pequena criança, ou células de defesa que parecem com soldados, pescadores, policiais, cientistas ou bibliotecários malucos. Afinal, o sistema celular trabalha com um sistema chamado “chave-fechadura” e que determina a especialização celular. Enfim, a criatividade rolou solta e o riso também.

E, apenas a título de curiosidade, os últimos capítulos tratam do choque hemorrágico, isto é, do colapso orgânico pela ausência de sangue no corpo. Ao assistir a estes episódios, pude criar uma imagem mental do trauma sofrido pelo capitão Jair Bolsonaro, pois ele passou por esse problema por conta da facada. Foi outro capítulo que assisti, e que me deixou meio tenso.  Dois capítulos extremamente fiéis ao que acontece com o corpo humano.

Conclusão

Se essa série passasse em meu tempo de faculdade, eu levaria alguns episódios para a sala de aula. Um roteiro extremamente divertido, muito bem montado, apesar dos problemas aqui apresentados, com fidedignidade ao conhecimento do sistema imunológico e bastante atual.  Nota 09!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diego Rox e o Jardim das Borboletas

Diego Rox e o Jardim das Borboletas
Como sabem, sou inscrito do canal do Nando Moura, ou seja, sou um dos “bots” do canal. Sobre este assunto, está até engraçado. Vou escrever sobre isto antes de entrar no assunto. Os adversários que temem a verdade nos ofendem com termos que não condizem com nosso real comportamento. Ficou engraçado, porque, se juntarmos todas as ofensas em uma frase, eu acabo virando um “robô, com recurso de bot, nazista e fascista, que não gosta de odores fortes”, por isso, está engraçado ver esta situação. Fui reduzido a um robô Windows 10, que não gosta de pum.
Ao assunto. Através do vídeo do Nando, sobre o uso de bots, eu acabei conhecendo o canal do Diego Rox. Veja um vídeo abaixo. Ele parece ter uma agenda parecida com a do Nando Moura, isto é, ele é cristão, pois acredita em Deus e em Cristo, prega ação contra a corrupção, homenageia os verdadeiros heróis anônimos, é caridoso e defende a liberdade. Uma agenda que também me aproxima dele, por isso, hoje, esto…

Cavaleira ou Amazona? Veja a resposta!

Amazona ou Cavaleira?
    Em meu tempo de colégio, nas décadas de 80 e 90, nos foi ensinado que o feminino de cavaleiro seria amazona. Em uma prova, um colega marcou o feminino de cavaleiro sendo cavaleira e foi repreendido. Desta forma, fixei amazona como o feminino correto para o termo em questão, ou seja, mulher que anda a cavalo. Ao assistir Walkure Romanze, eu me deparei com a palavra cavaleira e me questionei. Inclusive, alertei-os para a forma que eu julgava correta, mas sem retorno positivo. Deste modo, fui pesquisar para ver se a expressão estaria correta.


    Nestas pesquisas, encontrei um professor que prontamente me respondeu a esta questão. O caso estava solucionado com uma bela lição que, agora, repasso a vocês. Com a palavra o professor Ari Riboldi.
    No meu tempo de estudante, no ensino primário e no ginásio, também se aprendia assim: cavaleiro (masc.), amazona (fem); cavalheiro (masc.), dama (fem.). No entanto, os dicionários registram o termo 'cavaleira' …

Será o Veredito?!

Canal Será o Veredito?!
Foi a primeira recomendação do Youtube que gostei de ter recebido. Sobre o canal: “O Direito tá na mídia! O Direito tá na moda! Um juiz de direito se torna celebridade nacional. Tribunais transmitem suas sessões ao vivo pela televisão. Os meios de comunicação não se cansam de veicular notícias jurídicas. Mas, o mundo jurídico possui formalidades que dificultam a compreensão dos seus temas pelo cidadão que não tem formação no direito. Muito se fala; pouco se explica. Por isso surgiu o "Será o Veredito!?". Um canal que traz informações sobre o direito com uma linguagem simples, clara e objetiva.”



O primeiro vídeo que vi desse canal foi uma resposta ao Bugalho. Uma resposta baseada em livros, mostrando a fonte de seu conhecimento e minando, com ótimos argumentos, a posição de seu opositor. Todos os vídeos que assisti foram assim, com a fonte de leitura em mãos. Ele já se disse de centro-direita, o que o faz ser um aliado natural da liberdade e da proprie…