Pular para o conteúdo principal

Mangá Tropical impresso nos EUA!


Mangá Tropical- um estudo de caso impresso nos EUA.

Como sabem, estou repensando a forma como vendo meus livros. A edição dos livros no Brasil está ficando cara pelo sistema que uso com frequência: impressão sob demanda. O Mangá Tropical- um estudo de caso, pelo sistema da Perse, está saindo por R$27,28 sem a taxa de entrega. Já o mesmo livro, impresso nos EUA, está saindo por cinco dólares apenas, mais a taxa do serviço postal. O livro sai, nos EUA, a um preço médio de 18 reais, com a cotação atual.

Quando descobri que podia colocar meu livro impresso à venda, via Amazon, eu o fiz imediatamente. Configurei da melhor maneira possível, uma vez que o sistema era novo para mim. Em 04 de maio de 2018, fiz o pedido de um exemplar para verificar a qualidade da edição. Com a taxa de envio, paguei cerca de 17 dólares, ou seja, cerca de 62 reais, com a cotação do dólar em R$ 3,60. Não se paga o imposto de importação sobre livros e periódicos, como mostra o site da Receita Federal.





Já via Perse, sairia por 52 reais a edição e envio da obra pelos correios. Sim, no print abaixo desconsideraram, na hora de fechar a conta, o meu lucro como autor. Fazendo as contas com o valor integral, o livro sairia pelo valor acima mencionado.





A grande questão que prejudicou este serviço foi a variação do dólar. Em tempos de crise, com dólar a quase 4 reais, o material externo fica mais caro. Se o dólar caísse para um valor próximo a três reais, o serviço de impressão sob demanda, editado em São Bernardino, CA, traria maior compensação. De qualquer modo, vou deixar o livro disponível para venda sob demanda, apostando na queda do dólar depois das eleições de 2018. Sim, estou sendo muito otimista.


A qualidade do material

Fiz um vídeo para mostrar a qualidade do impresso que me chegou em mãos. Atentei para verificar a qualidade da capa, do papel, da impressão e das imagens.





A capa ficou bem enquadrada, apenas com um erro meu de posicionamento, mas que a deixou com maior peso na base da imagem, o que não considerei grave. Ficou até bom por dar a sensação de peso para a imagem e seu equilíbrio. O papel tem uma gramatura boa, é resistente e forte. Além disso, possui um brilho agradável para a leitura e transmite boa sensação ao toque dos dedos. É diferente do papel usado no Brasil. Eu achei.

O projeto de impressão é muito bom. Fiz questão de abrir o livro e pressionar a cola para ver se ela descolava, mas aguentou bem a pressão. A cola e o sistema de impressão contribuíram para um livro que não solta as páginas. As imagens estão nítidas e, como o papel é forte, elas não passam para a página de trás, ou seja, não fica aquela mancha tão visível na página seguinte.

Em um aspecto geral, eu gostei muito do material impresso nos EUA e torço pela queda do dólar, para que vocês possam comprá-lo de maneira mais justa.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diego Rox e o Jardim das Borboletas

Diego Rox e o Jardim das Borboletas
Como sabem, sou inscrito do canal do Nando Moura, ou seja, sou um dos “bots” do canal. Sobre este assunto, está até engraçado. Vou escrever sobre isto antes de entrar no assunto. Os adversários que temem a verdade nos ofendem com termos que não condizem com nosso real comportamento. Ficou engraçado, porque, se juntarmos todas as ofensas em uma frase, eu acabo virando um “robô, com recurso de bot, nazista e fascista, que não gosta de odores fortes”, por isso, está engraçado ver esta situação. Fui reduzido a um robô Windows 10, que não gosta de pum.
Ao assunto. Através do vídeo do Nando, sobre o uso de bots, eu acabei conhecendo o canal do Diego Rox. Veja um vídeo abaixo. Ele parece ter uma agenda parecida com a do Nando Moura, isto é, ele é cristão, pois acredita em Deus e em Cristo, prega ação contra a corrupção, homenageia os verdadeiros heróis anônimos, é caridoso e defende a liberdade. Uma agenda que também me aproxima dele, por isso, hoje, esto…

Cavaleira ou Amazona? Veja a resposta!

Amazona ou Cavaleira?
    Em meu tempo de colégio, nas décadas de 80 e 90, nos foi ensinado que o feminino de cavaleiro seria amazona. Em uma prova, um colega marcou o feminino de cavaleiro sendo cavaleira e foi repreendido. Desta forma, fixei amazona como o feminino correto para o termo em questão, ou seja, mulher que anda a cavalo. Ao assistir Walkure Romanze, eu me deparei com a palavra cavaleira e me questionei. Inclusive, alertei-os para a forma que eu julgava correta, mas sem retorno positivo. Deste modo, fui pesquisar para ver se a expressão estaria correta.


    Nestas pesquisas, encontrei um professor que prontamente me respondeu a esta questão. O caso estava solucionado com uma bela lição que, agora, repasso a vocês. Com a palavra o professor Ari Riboldi.
    No meu tempo de estudante, no ensino primário e no ginásio, também se aprendia assim: cavaleiro (masc.), amazona (fem); cavalheiro (masc.), dama (fem.). No entanto, os dicionários registram o termo 'cavaleira' …

Será o Veredito?!

Canal Será o Veredito?!
Foi a primeira recomendação do Youtube que gostei de ter recebido. Sobre o canal: “O Direito tá na mídia! O Direito tá na moda! Um juiz de direito se torna celebridade nacional. Tribunais transmitem suas sessões ao vivo pela televisão. Os meios de comunicação não se cansam de veicular notícias jurídicas. Mas, o mundo jurídico possui formalidades que dificultam a compreensão dos seus temas pelo cidadão que não tem formação no direito. Muito se fala; pouco se explica. Por isso surgiu o "Será o Veredito!?". Um canal que traz informações sobre o direito com uma linguagem simples, clara e objetiva.”



O primeiro vídeo que vi desse canal foi uma resposta ao Bugalho. Uma resposta baseada em livros, mostrando a fonte de seu conhecimento e minando, com ótimos argumentos, a posição de seu opositor. Todos os vídeos que assisti foram assim, com a fonte de leitura em mãos. Ele já se disse de centro-direita, o que o faz ser um aliado natural da liberdade e da proprie…