Pular para o conteúdo principal

Prêmio Cultura Nacional 2017

Acadêmica
Real Academia de Letras
VIRGINIA ELISABETH N. RAYMUNDO






Virginia Elisabeth Nicolau Raymundo

Bacharel em Direito pelo Centro Universitário Euro-Americano (UNIEURO).
Especialista em Direito Tributário e Finanças Públicas, pelo Instituto Brasiliense de Direito Público -IDP.
Mestranda em Direito Econômico, Financeiro e Tributário na Universidade Católica de Brasília – UCB.
Língua Espanhola pelo instituto de Cultura Hispânica de Brasília.
Acadêmica Correspondente da Real Academia de Letras do Brasil- cadeira 106.

Obras

Terceiro Setor e Tributação- Volume 6 – Artigo “A Integração da Sociedade Civil no Terceiro Setor”. Editora Forense, Rio de Janeiro, 2014. Trata-se de obra coletiva de diversos estudos, fruto do grupo de pesquisas “Terceiro Setor, Tributação Nacional e Internacional.”
XVI Prêmio Cultura Nacional 2016, Real Academia de Letras, Rio Grande do Sul, 2016.


*****

Antepassados- Raiz e Amor.

Quando de minha participação no XVI Prêmio Cultura Nacional 2016, versei sobre meus antepassados, que são minhas raízes e toda a gratidão e amor que sinto por eles.


Neste espaço a mim reservado, darei continuidade ao tema, que me parece muito importante.




Acredito que somos a construção genética e espiritual de todos os nossos ancestrais. Trazemos no nosso sangue toda uma história, não só biológica, mas, também, emocional. Creio que nossa espiritualidade é uma herança das experiências de todos aqueles que nos antecederam neste plano físico no qual vivemos.  Histórias que se repetem e destinos  que se assemelham. Estradas que conduzem a um mesmo ponto. Seria isso uma “tatuagem” que passa de geração em geração? Porque pessoas que não tiveram a oportunidade de conviver, em razão do lapso temporal, que as separaram, teriam um mesmo destino fim? São perguntas que não calam em minha mente.

Acredito que o homem nasce livre, para construir seu próprio destino, através de suas habilidades e capacidades intelectuais e emotivas. Nossa Bíblia Sagrada afirma isso quando diz que Deus deu ao homem o livre arbítrio. É o que está escrito em Gálatas, capítulo 5, versículo 1: “é para que sejamos homens livres que Cristo nos libertou.” Tendo assim o homem nascido livre perante Deus, e perante esta sociedade, que vivemos aqui no Brasil, porque, então, estaríamos condenados a repetir histórias que já passaram?

 São muitas as correntes filosóficas, doutrinárias e religiosas, que tentam dar a isso uma explicação. Para uns seria destino, para outros seria reencarnação, para outros tantos seria carma. Eu acredito no pensamento pregado pela Seicho-No-Ie de que, através da gratidão e do amor aos nossos antepassados, possamos nos libertar do destino indesejado, do carma maléfico, das dívidas de encarnações passadas. O amor liberta ainda mais que  a verdade.

Creio que a oração de gratidão, e de perdão, a todos os nossos ancestrais, seja a chave para uma nova vida liberta das amarras do passado. Só através da oração para perdoar, aqueles que no passado nos magoaram, e foram magoados, seja a saída para a liberação de possíveis espíritos sofredores, que não conseguem alcançar a luz, porque ficaram presos pelo ódio, pela injustiça e pela mágoa. O amor nesse sentido manifesta o pleno conhecimento da salvação. Amor que manifestamos em gratidão aos antepassados.

“Nossa vida tem origem na fonte divina e, através  das sucessivas vidas dos antepassados, tem registrada a totalidade das experiências em nosso subconsciente, aprendendo-as  num único ponto que é o agora. Ao mesmo tempo, trata-se de que evoluirá pela eternidade no futuro. Nossa vida atual não existiria sem considerar a vida dos nossos antepassados”. TANIGUCHI, Masaharu, Imagem Verdadeira e Fenômeno, 1ª edição, capítulo: Compreensão da Visão de Deus, segundo a Seicho-No-Ie, página 119.

É o que creio! É o que venho tentando para melhorar a qualidade de vida dos que aqui estão, dos que estão por vir, e daqueles que já partiram para o mundo espiritual.

Nas palavras contidas no livro de Eclesiastes, capitulo 3, “Para tudo há um tempo  e um propósito debaixo do céu, tempo de nascer, tempo de morrer, tempo de plantar, tempo de colher, tempo de chorar e tempo de sorrir.” E penso que o tempo do perdão, e da libertação, se dará através da oração de gratidão aos nossos antepassados.

Encerro estas breves considerações citando provérbios capíitulo 4, versículo  18, “mas a vereda dos justos é como a luz da aurora, que vai brilhando mais e mais até ser dia perfeito.”








Todas as fotos editadas com Facy Camera, Makeup Plus e Woman day Photo Frames.
























Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diego Rox e o Jardim das Borboletas

Diego Rox e o Jardim das Borboletas
Como sabem, sou inscrito do canal do Nando Moura, ou seja, sou um dos “bots” do canal. Sobre este assunto, está até engraçado. Vou escrever sobre isto antes de entrar no assunto. Os adversários que temem a verdade nos ofendem com termos que não condizem com nosso real comportamento. Ficou engraçado, porque, se juntarmos todas as ofensas em uma frase, eu acabo virando um “robô, com recurso de bot, nazista e fascista, que não gosta de odores fortes”, por isso, está engraçado ver esta situação. Fui reduzido a um robô Windows 10, que não gosta de pum.
Ao assunto. Através do vídeo do Nando, sobre o uso de bots, eu acabei conhecendo o canal do Diego Rox. Veja um vídeo abaixo. Ele parece ter uma agenda parecida com a do Nando Moura, isto é, ele é cristão, pois acredita em Deus e em Cristo, prega ação contra a corrupção, homenageia os verdadeiros heróis anônimos, é caridoso e defende a liberdade. Uma agenda que também me aproxima dele, por isso, hoje, esto…

Cavaleira ou Amazona? Veja a resposta!

Amazona ou Cavaleira?
    Em meu tempo de colégio, nas décadas de 80 e 90, nos foi ensinado que o feminino de cavaleiro seria amazona. Em uma prova, um colega marcou o feminino de cavaleiro sendo cavaleira e foi repreendido. Desta forma, fixei amazona como o feminino correto para o termo em questão, ou seja, mulher que anda a cavalo. Ao assistir Walkure Romanze, eu me deparei com a palavra cavaleira e me questionei. Inclusive, alertei-os para a forma que eu julgava correta, mas sem retorno positivo. Deste modo, fui pesquisar para ver se a expressão estaria correta.


    Nestas pesquisas, encontrei um professor que prontamente me respondeu a esta questão. O caso estava solucionado com uma bela lição que, agora, repasso a vocês. Com a palavra o professor Ari Riboldi.
    No meu tempo de estudante, no ensino primário e no ginásio, também se aprendia assim: cavaleiro (masc.), amazona (fem); cavalheiro (masc.), dama (fem.). No entanto, os dicionários registram o termo 'cavaleira' …

Será o Veredito?!

Canal Será o Veredito?!
Foi a primeira recomendação do Youtube que gostei de ter recebido. Sobre o canal: “O Direito tá na mídia! O Direito tá na moda! Um juiz de direito se torna celebridade nacional. Tribunais transmitem suas sessões ao vivo pela televisão. Os meios de comunicação não se cansam de veicular notícias jurídicas. Mas, o mundo jurídico possui formalidades que dificultam a compreensão dos seus temas pelo cidadão que não tem formação no direito. Muito se fala; pouco se explica. Por isso surgiu o "Será o Veredito!?". Um canal que traz informações sobre o direito com uma linguagem simples, clara e objetiva.”



O primeiro vídeo que vi desse canal foi uma resposta ao Bugalho. Uma resposta baseada em livros, mostrando a fonte de seu conhecimento e minando, com ótimos argumentos, a posição de seu opositor. Todos os vídeos que assisti foram assim, com a fonte de leitura em mãos. Ele já se disse de centro-direita, o que o faz ser um aliado natural da liberdade e da proprie…