Pular para o conteúdo principal

O que espero do novo presidente?



Depois de tudo que eu andei expondo, após o impeachment da Dilma, já fica evidente o tipo de governo que eu acredito que vá ajudar o Brasil a superar a crise econômica, voltar a crescer, gerar emprego e melhorar a condição de vida de cada brasileiro. Fiquei, então, imaginando o que eu gostaria que o presidente do Brasil, que será eleito em 2018, fizesse de fato e que o seu sucessor próximo mantivesse. Sim, não adianta um presidente realizar e outro desfazer. Isso geraria uma crise ainda pior. Seria como duas pessoas dentro de um barco furado. Enquanto uma tira a água, a outra coloca de novo. É preciso que se tenha continuidade nos atos, por isso, ambas as pessoas devem retirar a água do barco e tampar o furo. Isso se chama estabilidade!

O que eu vou escrever é o que eu considero ideal. Se o presidente fizer mais que isso, ele me surpreenderá. Se ele fizer menos, vou considerar medíocre. Simples assim. Claro, para isso, ele deverá ter apoio do Congresso e maioria para sustentar suas decisões. Não são decisões difíceis, mas são decisões que irão requerer coragem. Vamos começar.

Economia

1-    Redução de impostos, taxas e contribuições, tanto federais como estaduais, para abaixo de 20% do PIB. Com menos impostos, maior será o crescimento econômico e melhor será a arrecadação do Estado.
2-    Extinção do imposto de importação. A desculpa deste imposto é o de proteger a indústria nacional. A teoria é que a nossa indústria deveria ter se fortalecido com esse imposto e isso não aconteceu. Nossa indústria se acomodou. A extinção deste imposto irá colocar nossa indústria nos trilhos, com um choque da explosão de uma bolha econômica incômoda. A indústria poderia se favorecer disso e importar maquinários e serviços com melhor tecnologia e, assim, se desenvolver.
3-    O retorno do câmbio com lastro, chamado Currency Board (leia). Chega desse câmbio flutuante. A cada crise política, ou financeira, o dólar samba na nossa cara e quase passa dos 4 reais. Com o dólar em alta, nossas importações sofrem e nossas exportações ficam em outra bolha ilusória. O lastro em dólar impediria uma perda agressiva do valor do Real. Conseguindo manter o valor do Real a quase 2 dólares, manteríamos a vantagem das exportações, mas promoveríamos o aumento das importações.
4-    Alteração nas ações do Banco Central para se ajustar ao novo Currency Board.
5-  Extinção do BNDES e os valores ainda não pagos pelas empresas negociados na justiça. Ele cria uma bolha econômica ilusória e muito prejudicial para as taxas de juros. Eliminando o BNDES, tornaremos nossas taxas de juros mais reais e, portanto, teremos taxas menores.
6-   Redução dos entraves para se abrir uma empresa. Se conseguirmos agir para tornar mais rápida a abertura de uma empresa, mais chances teremos de formalizar trabalhos e serviços e fazer o Brasil crescer com a ação de empreendedores. Menos Estado, mais mercado!







Executivo

1-    Extinção de ministérios. Manteria apenas os seguintes ministérios: Fazenda, Agricultura, Educação, Saúde, Defesa e Justiça. Cultura seria uma secretaria dentro de Educação, assim como o “Relações Exteriores” seria uma pasta dentro da Defesa.   
2-  Maior controle nos gastos públicos, fornecendo ferramentas para desburocratizar o Estado. A burocracia faz o Estado gastar mais. Otimizar a organização do Estado impediria o gasto e, também, o desvio de recursos.
3-    Fiscalizar com maior eficiência. O Estado perde 200 bilhões de reais ao ano com a corrupção (leia).
4-    Privatizar os Correios, a Caixa Econômica Federal, o Banco do Brasil e o que mais ainda estiver em posse do Estado e que não esteja compreendido dentro da proteção dos ministérios acima citados. O Estado não precisa ser dono de nada, pois, sendo dono, impede o desenvolvimento da instituição.
5-    Reforçar ao Legislativo o “10 Medidas Contra a Corrupção” do MP e fazê-lo virar lei.

Judiciário


1-    Desvincular o STF, o MP e o STJ do poder público. Seus membros serão escolhidos mediante concurso de provas e títulos e não mais por nomeação em lista. Todos os cargos seriam escolhidos por provas e títulos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diego Rox e o Jardim das Borboletas

Diego Rox e o Jardim das Borboletas
Como sabem, sou inscrito do canal do Nando Moura, ou seja, sou um dos “bots” do canal. Sobre este assunto, está até engraçado. Vou escrever sobre isto antes de entrar no assunto. Os adversários que temem a verdade nos ofendem com termos que não condizem com nosso real comportamento. Ficou engraçado, porque, se juntarmos todas as ofensas em uma frase, eu acabo virando um “robô, com recurso de bot, nazista e fascista, que não gosta de odores fortes”, por isso, está engraçado ver esta situação. Fui reduzido a um robô Windows 10, que não gosta de pum.
Ao assunto. Através do vídeo do Nando, sobre o uso de bots, eu acabei conhecendo o canal do Diego Rox. Veja um vídeo abaixo. Ele parece ter uma agenda parecida com a do Nando Moura, isto é, ele é cristão, pois acredita em Deus e em Cristo, prega ação contra a corrupção, homenageia os verdadeiros heróis anônimos, é caridoso e defende a liberdade. Uma agenda que também me aproxima dele, por isso, hoje, esto…

Cavaleira ou Amazona? Veja a resposta!

Amazona ou Cavaleira?
    Em meu tempo de colégio, nas décadas de 80 e 90, nos foi ensinado que o feminino de cavaleiro seria amazona. Em uma prova, um colega marcou o feminino de cavaleiro sendo cavaleira e foi repreendido. Desta forma, fixei amazona como o feminino correto para o termo em questão, ou seja, mulher que anda a cavalo. Ao assistir Walkure Romanze, eu me deparei com a palavra cavaleira e me questionei. Inclusive, alertei-os para a forma que eu julgava correta, mas sem retorno positivo. Deste modo, fui pesquisar para ver se a expressão estaria correta.


    Nestas pesquisas, encontrei um professor que prontamente me respondeu a esta questão. O caso estava solucionado com uma bela lição que, agora, repasso a vocês. Com a palavra o professor Ari Riboldi.
    No meu tempo de estudante, no ensino primário e no ginásio, também se aprendia assim: cavaleiro (masc.), amazona (fem); cavalheiro (masc.), dama (fem.). No entanto, os dicionários registram o termo 'cavaleira' …

Será o Veredito?!

Canal Será o Veredito?!
Foi a primeira recomendação do Youtube que gostei de ter recebido. Sobre o canal: “O Direito tá na mídia! O Direito tá na moda! Um juiz de direito se torna celebridade nacional. Tribunais transmitem suas sessões ao vivo pela televisão. Os meios de comunicação não se cansam de veicular notícias jurídicas. Mas, o mundo jurídico possui formalidades que dificultam a compreensão dos seus temas pelo cidadão que não tem formação no direito. Muito se fala; pouco se explica. Por isso surgiu o "Será o Veredito!?". Um canal que traz informações sobre o direito com uma linguagem simples, clara e objetiva.”



O primeiro vídeo que vi desse canal foi uma resposta ao Bugalho. Uma resposta baseada em livros, mostrando a fonte de seu conhecimento e minando, com ótimos argumentos, a posição de seu opositor. Todos os vídeos que assisti foram assim, com a fonte de leitura em mãos. Ele já se disse de centro-direita, o que o faz ser um aliado natural da liberdade e da proprie…